Tag "poema"

Voltar à homepage
Cultura Poesia

É nas encruzilhadas que se travam as batalhas

    1 É nas encruzilhadas que se travam as batalhas – grandes e pequenas – e se acende a chama. É nas encruzilhadas que se ateia o fogo, Se

Cultura Poesia

É sempre o leitor que escreve os versos invisíveis do sentido

    1. A verdade pode ser dita, porque quem sabe, já sabe; e quem não, não acredita. 2. As palavras, num poema, nem precisam ter sentido. Basta que tenham

Cultura Literatura Poesia

Quando amanhã vires

      1. Quando amanhã vires por mero acaso este granito se ele existir fica a saber que o gravei a correr com a alma a doer na palma

Crónica Sociedade

Truca-truca

    ‘Ler jornais é saber mais’. Há, por isso, textos, crónicas, críticas e comentários (alguns de nomes famosos) publicados nos nossos jornais e revistas que não devíamos deixar de

Cultura Literatura Poesia

O Rei do Mundo responde ao Poema Indecente com um antipoema

    Não… Não era minha intenção nascer no meio dos reis e dos palhaços malabaristas e dos donos destas estradas inócuas. Não… Não… Não… Não era minha intenção ser

Cultura Literatura Poesia

Não gosto de poemas

    Não gosto de poemas, porque me fazem espirrar. Eles fazem-me cuspir sangue que não é meu, recitar orações subordinadas pouco valiosas, dançar uma valsa com um destino que

Cultura Ensaio Literatura Livros Poesia

Falhar com verdade

    1. No Natal de 1996, o meu pai deu-me como presente a antologia Primeiro Livro de Poesia, organizada por Sophia de Mello Breyner Andresen. Já antes havia recebido

Arte Crónica Cultura Destaque

Dar Coisas aos Nomes | A brutalidade da minúcia: instantâneos a partir de Rui Nunes

    [luz] Há palavras que irradiam uma “luz malevolente” (A Boca na Cinza). Uma malignidade luminosa é aquela que desapropria um corpo, um objeto, um lugar, um livro, da

Cultura

Raias Poéticas, 7ª ed – 2018 | A poesia, o poema, o poeta: interrrogação, rodopio, transformação

  A poesia, no meu sentir, ondula como eterna interrogação, uma inquietação que tem de ser derramada, como um processo de transformação que alimenta, fortifica, mas que não deixa de

Cultura

Poesia | Prenda mais, Morro por ti – II: esquerdo direito um dois esquerdo direito um dois

  esquerdo direito um dois esquerdo direito um dois e a florista o carteiro a recoveira o barbeiro o boticário a seraninha das castanhas (fogareiro barro arames panelas velhas) todos

Cultura Literatura Poesia

Quatro poemas de visitação a Marrakesh

Jardim de Ménara e devagar fomos chegando pelas ruas e múltiplas portas da cidade cor rosavelho aromatizada de especiarias de incensos e véus inesperados ao longe enquadrando o imenso jardim

Cultura

Raias Poéticas, 7ª ed – 2018 | Poesia: o limão fruto do mês

no tópico a penumbra limita o céu a deus a mesma paragem passa em liberdade suave textura a mulher tarde horizontal de estrutura espessa o género substantiva camada passa a

Crónica

Dar coisas aos nomes | Dizer adeus às coisas

Tanta coisa depende daquilo que decidimos escrever no início de um texto. Houve alturas em que uma folha em branco me deixava em pânico. Um pânico absoluto, paralisante: levantava-me da

Autor Cultura Literatura Poesia

Do que nós precisávamos era de uma salva de palmas no final de cada sonho

    Do que nós precisávamos era de uma salva de palmas no final de cada sonho e de assobiar com os dedos, de assobiar com os dedos como faziam