David Pereira

Futebol | Os jogadores do Famalicão FC com mais jogos na I Divisão

Futebol | Os jogadores do Famalicão FC com mais jogos na I Divisão

Pub

 

 

Fundado a 21 de agosto de 1931, o Futebol Clube de Famalicão foi criado com o objetivo de ser o principal embaixador do concelho e iniciou a sua participação em competições de futebol nos anos 1930. Chegou à I Divisão na década seguinte, viveu o maior período entre a elite do futebol português entre 1990 e 1994, mas foi em 2019-20 que atingiu a melhor classificação de sempre no primeiro escalão: o 6.º lugar.

Verde e branco foram as cores da primeira camisola envergada pelos famalicenses que, em 1938, adotaram o equipamento azul e branco, com o objetivo de obter filiação do FC Porto, algo que acabaria por não se tornar realidade, uma vez que os minhotos não receberam apoio material por parte dos portuenses.

FC Famalicão na I Divisão – Top10 de jogadores com mais jogos

10. Rebelo (56 jogos)

Com um percurso marcado por altos e baixos, o emblema minhoto vai para a oitava participação na I Divisão em 2020-21, mas passou grande parte da sua história na antiga II Divisão e também marcou presença nos campeonatos distritais da AF Braga. Paralelamente, atingiu as meias-finais da Taça de Portugal em 1945-46 e 2019-20.

Durante sete presenças na I Divisão, 135 futebolistas representaram o Famalicão. Vale por isso a pena recordar os dez que o fizeram por mais vezes.

Após a despromoção prosseguiu a carreira na I Divisão ao serviço de Marítimo, Tirsense e Leça.

9. Menad (57 jogos)

Avançado internacional argelino com grande currículo no seu país, representou a sua seleção em competições como o Mundial 1986 e as Taças das Nações Africanas de 1984, 1986, 1988 e 1990 quando reforçou o Famalicão no verão de 1990, aos 30 anos.

Com faro para o golo, foi peça importante para ajudar os famalicenses a assegurar a permanência na I Divisão tanto em 1990-91 como na época seguinte, algo que o clube nunca tinha conseguido antes. Em duas temporadas participou num total de 57 jogos (55 a titular) e apontou 17 golos.

Sporting de Braga, TirsenseVitória de GuimarãesEstrela da AmadoraNacional e Belenenses em 1990-91 e Vitória de GuimarãesEstoril, Beira-Mar, Penafiel, Torreense (dois), Marítimo, Paços de Ferreira, Salgueiros (dois) e Gil Vicente na época que se seguiu foram as vítimas de Menad Djamel.

Em 1992 transferiu-se para o Belenenses, onde reencontrou o treinador Abel Braga, que o tinha orientado em Vila Nova de Famalicão.

Ainda assim, a passagem do argelino pelo emblema minhoto ficou marcada pelo chamado Caso Menad, no qual o Famalicão foi condenado a pagar 120 mil contos (cerca de 600 mil euros) pela transferência, em 1990, do então jogador do Nimes. A Federação Portuguesa de Futebol adiantou o valor da transferência às instâncias internacionais, mas não foi ressarcida, tendo cativado todas as receitas dos famalicenses desde a época 1994-95 até maio de 2018, quando as partes chegaram a acordo para o pagamento da dívida.

8. Freitas (57 jogos)

Disputou 57 jogos tal como Menad, mas amealhou mais 34 minutos em campo – 4829 contra 4795.

Central brasileiro especialista na conversão de grandes penalidades que reforçou o Famalicão no verão do 1992, proveniente do Náutico tal como o médio Augusto, rapidamente assumiu a titularidade no eixo defensivo dos famalicenses então orientados por José Romão.

Em 1992-93 foi titular nos 33 jogos que disputou e apontou cinco golos, um dos quais na vitória caseira sobre o Benfica – os outros tiveram Beira-Mar, Tirsense, Gil Vicente e Sp. Braga como vítimas.

7. Lula (58 jogos)

Defesa central brasileiro que chegou ao Famalicão no verão de 1988, na altura para jogar na I Divisão, mas o escândalo Famalicão-Macedo de Cavaleiros atirou o clube para a III Divisão. “Foi um choque, claro. Saí do Santa Cruz como jogador de seleção. Tinha propostas de clubes grandes do Brasil, mas quis a Europa. Depois veio esse caso e percebi que ia ter de jogar na III Divisão. Fizemos um pacto com os adeptos e a direção e continuámos com a mesma equipa. Repare, era uma equipa montada para a I Liga a jogar na III! Fomos campeões e depois o clube foi recolocado na I Liga”, contou ao Maisfutebol em fevereiro de 2014.

“Nem sequer conhecia Portugal, quando mais Famalicão. Disseram-me que era uma cidade pequena, perto do Porto. Fui com mais dois brasileiros. O que me interessava era jogar na Europa”, acrescentou o defesa, que tinha pai português.

Alto (1,87 m), duro e com um bigode cuidado, fez dupla com Fernando Couto no terceiro escalão, mas foi ao lado de Ben-Hur já entre os grandes do futebol português que se celebrizou.

Na temporada de estreia na I Divisão, em 1990-91, disputou 28 jogos (todos como titular) e apontou quatro golos, frente a Tirsense, Marítimo, Salgueiros e Boavista. Na época seguinte atuou em 30 partidas (todas a titular) e marcou ao Desp. Chaves. Em ambas as vezes, contribuiu para que o Vila Nova assegurasse a permanência.

Entretanto voltou ao Brasil para representar os poderosos São Paulo e Santos, tendo ajudado o tricolor paulista a vencer a Taça Libertadores em 1993. No ano seguinte voltou a Portugal, inicialmente com o intuito de reforçar o Sporting, mas o limite de estrangeiros levou-o a mudar-se para a União de Leiria, tendo depois passado por BelenensesFC Porto e Paços de Ferreira.

6. Ben-Hur (63 jogos)

Central brasileiro impetuoso e com grande parte da carreira feita em Portugal, trocou o Marialvas pelo Famalicão no verão de 1989 e logo na temporada de estreia contribuiu para a promoção à I Divisão.

Na época seguinte, a primeira entre a elite do futebol português, disputou um total de 32 jogos (todos a titular) e apontou dois golos, diante de Farense e Desp. Chaves. Em 1991-92 atuou em 31 partidas (todas a titular) e marcou um golo ao Torreense. Em ambas as temporadas contribuiu para que o emblema famalicense assegurasse a permanência.

Em 1992-93 fez uma pausa na carreira e depois prosseguiu o seu trajeto no futebol no Lusitânia Lourosa.

Mais tarde, em 1997-98, voltou ao Famalicão, então na II Divisão B.

5. Lila (65 jogos)

Lateral esquerdo natural de Barcelos e com toda uma carreira forte no norte do país, passou por Gil Vicente, Esposende, Vianense, Desp. Aves e Desp. Chaves antes de reforçar o Famalicão no verão de 1992.

Já com experiência de I Divisão adquirida ao serviço dos transmontanos, só não foi totalista do campeonato em 1992-93 porque foi expulso aos 80 minutos na visita ao Paços de Ferreira. Na época seguinte também foi titular indiscutível, tendo atuado em 31 jogos (todos a titular), sem evitar a despromoção à II Liga.

Depois voltou ao clube da terra, o Gil Vicente.

4. Lito (66 jogos)

Médio defensivo natural da Póvoa do Varzim e com grande ligação ao Varzim, cortou o cordão umbilical com a casa-mãe no verão de 1991, quando rumou a Vila Nova de Famalicão.

Titular indiscutível no meio-campo famalicense, atuou em 32 jogos (todos a titular) em 1991-92. Na época seguinte marcou presença nas 34 jornadas (33 a titular) do campeonato e voltou a ajudar o Vila Nova a assegurar a permanência.

Após dois anos no clube, rumou ao Gil Vicente no verão de 1993.

3. Tanta (67 jogos)

Defesa brasileiro polivalente, capaz de atuar no eixo defensivo ou como lateral esquerdo, reforçou o Famalicão no verão de 1990, proveniente do Santa Cruz, numa transferência de 100 mil dólares.

Na temporada de estreia na I Divisão participou nas 38 jornadas do campeonato, todas na condição de titular, e apontou três golos, frente a Estrela da Amadora, União da Madeira e Beira-Mar.

Em 1991-92 foi novamente bastante utilizado, tendo atuado em 29 partidas e marcado um golo ao Vitória de Guimarães.

Por falar em Vitória de Guimarães, esse foi precisamente o destino de Tanta, que sujava sempre os calções de tanta luta, quando saiu do Vila Nova, no verão de 1992.

2. Carlos Fonseca (75 jogos)

Não podia faltar um filho da terra nesta lista. Lateral direito natural de Vila Nova de Famalicão, ingressou na equipa principal em 1983-84, viu o caso da invasão de campo no jogo com o Macedo de Cavaleiros negar-lhe a subida à I Divisão em 1988, mas continuou no clube apesar da descida à III Divisão.

Curiosamente, na temporada de regresso dos famalicenses à elite do futebol português, em 1990-91, Carlos Fonseca esteve ao serviço da União de Leiria na II Liga. Mas depois regressou aos azuis e brancos e foi a tempo de atuar em 75 jogos (73 a titular) no primeiro escalão durante três épocas, não evitando a despromoção em 1994.

Depois continuou no clube após a despromoção, tendo passado dois anos na II Liga entre 1994 e 1996. Em 1996-97 jogou pelo Ribeirão na III Divisão, mas em 1997-98 regressou ao Vila Nova, então na II Divisão B, terminando aí definitivamente a ligação ao clube de (quase) sempre.

“Comecei com 17 anos nos seniores e terminei com 34, tendo estado fora apenas um ano. Tive chances de sair, para boas equipas. Mas os clubes tinham um certo poder sobre os jogadores, ainda era antes da Lei Bosman. O Famalicão gostava de mim como jogador, queria que continuasse, mandava-me a carta um mês antes de acabar o meu contrato, alegando que gostavam do meu serviço e renovando com um aumento de 10% do meu ordenado. E éramos obrigados a ficar. Na altura, as transferências de jogadores eram diferentes”, recordou ao portal Gestão Empresarial em março de 2019.

“Não era daqueles jogadores que fazia jogos brilhantes, nem daqueles que fazia jogos fracos, era sempre aquela bitola, um pouco à semelhança do André Almeida. Sempre eficiente”, confessou.

Também conhecido pela alcunha “Talocha”, é pai de Talocha, lateral esquerdo que jogou na formação e na equipa principal do Famalicão, além de ter passado por Vizela e Boavista.

1. Luís Vasco (75 jogos)

Disputou 75 jogos tal como Carlos Fonseca, mas amealhou mais 331 minutos em campo – 6667 contra 6336.

Guarda-redes natural da Nazaré e que vinha a fazer carreira nas divisões secundária ao serviço de clubes da região oeste, reforçou o Famalicão no verão de 1991, proveniente do Ginásio de Alcobaça, e com a missão de suceder ao titular da época anterior, Figueiredo, que tinha rumado ao Belenenses.

“Certo dia, lembro-me que foi num domingo, em julho de 1991, peguei na mala e disseram-me para ir ter à loja do vice-presidente do Famalicão, para me apresentar e que depois ele dava-me a chave do apartamento onde ia ficar. Entrei na loja e estava lá o pai do vice-presidente. Aproximei-me e ele ‘desculpe lá, é você que é o terceiro guarda-redes do Famalicão?’. Respondi-lhe ‘hoje sou o terceiro, mas amanhã sou o primeiro’”, contou ao relato.pt.

Apesar da concorrência de Tó Ferreira, guardião com trajeto nas seleções jovens, estabeleceu-se como titular à 2.ª jornada do campeonato de 1991-92, depois de as coisas terem corrido mal ao concorrente na jornada inaugural, marcada por uma derrota caseira às mãos do Vitória de Guimarães (1-4). Até ao final da época disputou 31 jogos e sofreu 29 golos.

Na temporada seguinte, já também com a concorrência de Tozé, foi menos utilizado, tendo atuado em 21 encontros e sofreu 23 golos. E em 1993-94, na terceira e última época, atuou em 23 partidas (22 a titular) e sofreu 52 golos, não evitando a despromoção.

Após a descida de divisão deu o salto para o Sporting, onde esteve tapado por Costinha.

Imagens: DR

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

*

Gratos pela sua colaboração.

*

 

 

Pub

Categorias: Desporto

About Author

David Pereira

Jornalista.

Write a Comment

Only registered users can comment.