Declarações proferidas em Braga em sessão pública com Claire Tour, ativista da independência política catalã

Bloco | Isabel Pires critica silêncio da comunidade internacional sobre a Catalunha

Bloco | Isabel Pires critica silêncio da comunidade internacional sobre a Catalunha

Pub

 

 

O Bloco de Esquerda promoveu, na tarde de ontem, 19 de novembro, uma sessão pública sobre a situação política na Catalunha, com a presença de Isabel Pires, deputada do Bloco de Esquerda à Assembleia da República, Claire Tour, representante da Assembleia Nacional Catalã, e moderação de Carlos Machado, mestrando em Relações Internacionais na Universidade do Minho.

Na sessão que decorreu no Bar Pão de Forma, em Braga, Isabel Pires referiu o comprometimento do Bloco de Esquerda no apoio à autodeterminação dos povos e em dar visibilidade internacional à situação Catalã, tendo proposto um voto de condenação à violência policial ocorrida na Assembleia Catalã, que foi aprovado.

A deputada denuncia o “silêncio da comunidade internacional” em relação à violência exercida sobre manifestantes, que já causou vários feridos , alguns com sequelas graves, como cegueira. “Se aqueles acontecimentos fossem fora do território europeu, seriam condenáveis por toda a gente, como não é, os líderes europeus dizem que é um problema interno de Espanha”, acrescenta.

Para a bloquista, o julgamento dos líderes políticos catalãos e as respetivas condenações foram possíveis pelo atropelo dos direitos humanos e pelo Código Penal espanhol que prevê condenações por sedição, ao contrário dos restantes códigos penais a nível europeu. “A existência do crime de sedição permite a condenação de opositores políticos e, no limite, não permite nenhuma revolução popular que objetive o progresso das sociedades”, refere a deputada.

Claire Tour, representante da Assemblea Nacional Catalana – também conhecida por Moviment per la Independència – afirma que, em Espanha, apesar da Constituição prever várias nacionalidades, desde a fundação, “há tentativas de unificar e eliminar as regiões“, lamentando o comportamento dos serviços policiais que promovem “invasões e buscas sem mandato a sedes de associações, partidos e casas de ativistas da causa independentista”.

Claire Tour esclareceu que o catalanismo tem muitos anos e que o Dia Nacional da Catalunha é comemorado a 11 de Setembro, recordando a resistência catalã durante o Cerco de Barcelona, terminado a 11 de setembro de 1714. Relembrou também que, em 2005, foram criados os Estatutos de Autonomia da Catalunha, aprovados na assembleia catalã e na assembleia nacional, tendo sido, em 2010, chumbados pelo Tribunal Constitucional a pedido do Partido Popular. “Sentiu-se uma quebra enorme na confiança da população nas instituições”, refere.

“Se tivesse havido um referendo em 2010, o não teria ganho, mas a vontade de independência tem aumentado devido à ausência de negociação por parte do estado central”, afirma Claire, e acrescenta que “neste momento não são possíveis soluções bilaterais porque não há diálogo”.

A ativista acompanha ainda a Amnistia Internacional, que considera ilegal a prisão de Jordi Sànchez e Jordi Cuixart, líderes de associações cívicas catalãs, uma vez que esta condenação “viola a liberdade de expressão e de reunião pacífica”.

Recorde-se que a Assembleia Nacional Catalã é uma organização popular, unitária, plural e democrática que tem como objetivo recuperar a independência política da Catalunha mediante a constituição de um estado de direito, democrático e social.

 

Fonte e Imagens: BE

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Política

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.