Zelar | E quando a família não é cuidada?

Zelar | E quando a família não é cuidada?

Pub

 

 

Perante a tendência crescente de haver mais pessoas idosas com possibilidade de virem a padecer de algum tipo de incapacidade, as famílias (cuidadoras) são cada vez mais confrontadas com a responsabilidade de tomar conta de elementos da família. Os cuidadores são, na sua maioria, cônjuges ou filhos, mulheres que coabitam ou vivem próximo da residência do familiar e estão, por norma, numa situação económica vulnerável.

Embora muitos cuidadores desejem continuar a cuidar dos familiares dependentes, na verdade, nem todos estão adequadamente preparados para prestar ajuda aos seus familiares, sobretudo quando a dependência é inesperada. Uma vez dependente, cabe à instituição família assumir a responsabilidade de cuidar do familiar idoso. Muita da investigação realizada tem demonstrado que os cuidadores de pessoas idosas com dependência física experienciam muitas dificuldades, devendo, por isso, merecer a atenção de mais e melhores políticas de saúde, dado constituírem um grupo vulnerável pelo diminuído potencial de saúde física e psicológica e de outras restrições designadamente de ordem económica.

Reconhecer o cuidador como um parceiro é a condição primeira para valorizar a importância do seu papel na tomada de decisão e no planeamento dos cuidados aos idosos. É importante disponibilizar informação sobre recursos e serviços disponíveis, e educar os cuidadores sobre a prática quotidiana de cuidados. São necessários, por isso, espaços potenciadores de aprendizagem, de partilha das suas dificuldades e das experiências relacionadas com a doença e a dependência. As famílias precisam de ser ajudadas na gestão dos sintomas, das complicações associadas, no treino da resolução de problemas, e encorajadas a usufruir dos recursos disponíveis, mas também serem reconhecidas e recompensadas pelo cuidado. Precisam, igualmente, de ajuda para aprender a lidar com as significativas e frequentemente difíceis mudanças físicas, emocionais e sociais, necessárias a adaptar a cada contexto. Capacitar as famílias e mais concretamente os cuidadores é reconhecer a importância do seu papel ininterrupto ao longo dos 365 dias do ano, melhorando desta forma a sua confiança, muitas vezes perdida.

Negligenciar a família como parceiro e intermediário na prestação de cuidados de saúde aos idosos é potenciar situações limite quer para os cuidadores, levando-os à exaustação, quer para os mais velhos, que recebem cuidados negligenciados, frequentemente causadores de institucionalização precoce.

A partilha e colaboração entre cuidadores e profissionais / equipas multidisciplinares requerem urgentemente novas configurações, necessárias à compreensão de novas realidades. Pensa-se especificamente na problemática do envelhecimento que, dada a sua complexidade, emerge, desde logo, uma responsabilidade que não deve ser exclusiva do sistema familiar.

Só desta forma poderemos prevenir situações de mau trato/abuso aos mais velhos. Quando o abuso acontece significa que todas as respostas falharam, a Família falhou, a Sociedade falhou e o Estado falhou! E quando isto acontece, e porque a culpa não pode “morrer solteira” culpabilizam-se os cuidadores e protegem-se os mais velhos com mais uma agressão retirando-os das suas casas (porque o contexto é de abuso), institucionalizando-os temporária ou definitivamente e ficamos coletivamente a acreditar que resolvemos o problema.

É, portando, necessário que os programas de saúde de ajuda às famílias sejam mais preventivos e menos assistenciais. Só uma intervenção precoce e ajustada pode evitar que a instituição família se desagregue e propicie uma ajuda que quando chega, muitas vezes, é tarde demais.

É importante prevenir, é importante agir.

 

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo. Pode fazê-lo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking ou multibanco.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Crónica, Sociedade

Acerca do Autor

Odete Araújo

Licenciada em Enfermagem pela Universidade do Minho e Especialista em Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiátrica pela Escola Superior de Enfermagem do Porto. Mestre em Gerontologia Social pela Universidade Católica Portuguesa e Doutora em Enfermagem pela Universidade de Lisboa. É Professora Adjunta na Escola Superior de Enfermagem da Universidade do Minho. É Membro Integrado na Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem / UICISA: E e participa em vários projetos de investigação internacionais e nacionais. É autora de publicações no âmbito do envelhecimento, cuidado informal e saúde mental. É Membro da European Academy of Nursing Science e da Sociedade Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental.

Comente este artigo

Only registered users can comment.