Sandra Pimenta

Ambiente | O bem comum

Ambiente | O bem comum

 

 

Celebram-se dias, fazem-se protocolos em Quioto, Acordos em Paris, Cimeiras em Espanha, Leis do Clima em Portugal e continuo a imaginar o planeta em modo apneia, lutando para, num último esforço, vir à tona e respirar, sobrevivendo assim por mais algum tempo às consequências da ação humana.

Nunca falamos tanto do ambiente e ainda assim, enquanto sociedade, somos incapazes de reconhecer a nossa incapacidade ou relutância de, efetivamente, o defender.

Apesar de a nossa sobrevivência estar em causa, temos tendência a esquecer que são as nossas escolhas diárias que ditam a maneira como o mundo se apresenta. Isto é, as mesmas têm repercussões a nível local e global, disso não tenhamos dúvidas.

Gases com efeito estufa, políticas de extrativismo desenfreado dos recursos naturais, a desflorestação – como o caso da Amazónia -, a forma como produzimos os nossos alimentos promovendo culturas intensivas no Alentejo ou o incentivo de uma alimentação poluente e baseada em proteína animal constituem, definitivamente, um conjunto demasiado alargado de comportamentos que inviabilizam uma efetiva proteção da biodiversidade e da nossa própria vida.

A nível local, a ausência de políticas integradas na gestão dos recursos hídricos e ambientais também deixam a desejar: temos o exemplo do nosso rio Pelhe, um rio famalicense completamente esquecido no seu valor intrínseco e de contributo fundamental para a manutenção de ecossistemas. Mas também o Ave, o Pele e o Este, que atravessam o concelho e que tanto poderiam contribuir para uma riqueza ambiental e todos os benefícios que daí advêm.

Vivemos um excecional contexto em que, inequivocamente, tivemos a prova cabal do impacto das nossas ações. Condicionadas e condicionados por um vírus que entrou nas nossas vidas sem ser convidado, fomos obrigados a parar.

Várias foram as notícias – como esta, a título de exemplo, ‘O vírus que limpa o ar e abafa o ruído das cidades‘ – que nos deram conta de uma surpreendente redução das emissões de dióxido de azoto para a atmosfera, valores históricos como 80% em Lisboa e 60% no Porto, segundo informação do Laboratório de Observação da Terra do AIR Centre.

Mas sabemos que, com um regresso sem um Plano de Transição Económico e Social verdadeiramente sustentável, não tardará e estaremos novamente a travar os mesmos problemas ambientais.

A utopia última seria uma mudança drástica de paradigma no âmbito económico de forma a que se pugnasse por verdadeiras políticas ambientais. Independentemente do que temos ao dispor, são os nossos comportamentos, fazendo estes parte de um todo, que condicionam o nosso futuro.

Que as leis e acordos e protocolos nos sirvam de base legal e institucional para forçar metas e compromissos, mas nunca esqueçamos que cada um e cada uma de nós tem o dever cívico e a obrigação de não se demitir das suas responsabilidades, com vista a  salvaguardar o futuro das gerações vindouras.

 

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Categories: Política

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.