Impostos | IMI agravado em imóveis abandonados

Impostos | IMI agravado em imóveis abandonados

Pub

 

“Tendo em conta o papel central da habitação e da reabilitação para a melhoria da qualidade de vida das populações, para a revitalização e competitividade das cidades e para a coesão social e territorial“, com a entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 67/2019, tem início hoje, 22 de maio, a contagem do período de tempo para a verificação dos pressupostos que podem levar ao agravamento do imposto municipal sobre imóveis (IMI) desocupados que se encontrem localizados em zonas de pressão urbanística.

 

 

O diploma define zona de pressão urbanística como “aquela onde há dificuldades significativas de acesso à habitação, seja porque a procura é muito maior do que a oferta ou porque a capacidade financeira das pessoas está muito abaixo dos valores de mercado”, e classifica como desocupado um “imóvel que durante um ano não tenha contrato com empresas de telecomunicações e de fornecimento de água, gás e eletricidade ou que tenha consumos de água e eletricidade abaixo de um valor considerado mínimo”, o que dá azo a que um imóvel seja classificado como desocupado mesmo que apresente consumos superiores aos previstos na lei, desde que tal seja atestado por uma vistoria, refere o Eco – Economia Online.

O diploma indica que, com o presente decreto-lei, se cria a possibilidade de os municípios agravarem significativamente a elevação da taxa de imposto municipal sobre imóveis já existente para os imóveis devolutos localizados em zonas de pressão urbanística. Assim, as autarquias passam a poder agravar, a partir do segundo ano em que o imóvel está devoluto, até seis vezes mais o IMI corrente e, depois disso, aplicar a cada ano um agravamento de mais 10%.

Seja como for, esta situação não é de todo uma novidade, uma vez que a possibilidade de aplicar uma taxa agravada de IMI quando as casas se encontram devolutas ou em ruínas existe há vários anos, tendo ganho nova dinâmica em 2016. O Orçamento de Estado desse ano determinava já essa possibilidade e o número de autarquias que aplicam tais penalizações tem vindo a aumentar de ano para ano.

Relativamente à execução de obras coercivas, as autarquias passam a ter “um poder acrescido e mais célere” para atuar em prédios devolutos e em mau estado. Se não for efetuado o reembolso por parte dos proprietários relativamente às obras, a autarquia pode “arrendar de forma forçada até ser ressarcida daquilo que é o valor em dívida pelas próprias obras”.

“Em conclusão, disponibiliza-se aos municípios um instrumento complementar aos restantes já criados com vista ao aumento da oferta habitacional e à regulação do mercado de habitação, mediante a penalização da não disponibilização dos recursos construídos existentes”, refere-se no diploma.

 

Imagem: Js Rocha

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Economia, Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.