Performance da coreógrafa Joana Castro revela uma visão do ‘fim do mundo como uma metáfora para a nossa própria degradação’

‘Rite of Decay’ ‘dança-se com os pés’ no Theatro Circo

‘Rite of Decay’ ‘dança-se com os pés’ no Theatro Circo

Pub

 

 

Após uma primeira edição em 2015-2016, o ciclo A Dança Dança-se com os Pés que trouxe a Braga alguns dos nomes de maior destaque da atualidade da dança contemporânea está de volta ao Theatro Circo com identidade e personalidade próprias, numa perspetiva de que venha a ser menos um projeto casuístico e mais uma identidade constante na programação da principal sala de espetáculos de Braga. O primeiro espetáculo do novo ciclo A Dança Dança-se com os PésRite of Decay / Rito de Decadência, de Joana Castro – acontece esta sexta-feira, 21 de janeiro, pelas 21h30.

Rite of Decay ‘dança-se’ em torno do corpo e da sua decadência

Projeto a solo de Joana Castro, Rite of Decay é uma dança sobre a morte, ou várias mortes. Nele, a artista parte da ideia da destruição de crenças, de poder, de amor, onde o corpo se cinge à sua própria insignificância e se torna matéria sem alma, entregando-se à gravidade em direção à decomposição e à poeira. Trata-se, por isso, de evidenciar a gestão de um corpo que se desmultiplica noutros, já extintos ou por vir, mas em que, num último discurso, a morte antes de morrer se transforma num lugar de lamento. Em decadência, o corpo expõe-se e falha. No corpo, o tudo e o nada, a persistência e a renúncia, a presença e a ausência, defrontam-se, até ao último momento, na tentativa de reconciliação com o fim e em que o fim do mundo é, assim, representado como uma metáfora para a nossa própria degradação.

Esta «é uma ‘peça-luto’, o lugar onde eu acho que me encontro enquanto pessoa, enquanto artista, e acho que é o lugar onde a dança também deve estar neste momento, não só a dança, mas a arte e a cultura no geral, nestes momentos conturbados que vivemos em Portugal, em que a arte e a cultura passam momentos um bocado complicados», explica a coreógrafa.

Rite fo Decay teve estreia no Guidance, em Guimarães, em 2020, após ter começado a ser pensado cerca de 2 anos antes.

Joana Castro, coreógrafa do ‘próprio tempo’ e do ‘micromundo’

Aquando, ainda, da preparação de Rite of Decay, Joana Castro referiu-se à “luta constante” que tem vindo a travar, no esforço de criar as suas peças no seu “próprio tempo”, dentro das suas “necessidades e urgências, e não refém de um produto acabado e pronto a ser consumido”, apontando o questionamento que coloca no seu “micromundo”, mas também na “macro escala” da sua relação com os outros e da sua visão do mundo.

Esta sua sua nova criação acaba por ser um “lugar de manifesto e de luto, pensando a morte enquanto reestruturação” e “reformulação de existências”.

Trabalho internacional e colaborativo de Joana Castro

Joana Castro desenvolve o seu trabalho entre a dança, a performance e o som, apresentando os seus projetos em Portugal, Bélgica, França e Alemanha.

Como performer colaborou com Carlota Lagido, Joclécio Azevedo, Né Barros, Joana Providência, Victor Hugo Pontes, Trisha Brown Dance Company em Early Works, Juliana Snapper, Ana Borralho e João Galante, Bruno Alexandre entre outras.

Bilheteira: 

M16 – 12,00€ (desconto de 50% para alunos de Escolas de Dança ou Artes Performativas)

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - 1ª página - jornal diário digital generalista de âmbito regional

Companhia Olga Roriz celebra 25 anos na Casa das Artes

Aulas de Dança ‘online’? É possível e na maioria dos casos é grátis

Imagem de destaque: Pedro Pinheiro

VILA NOVA, o seu diário digital. Conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

VILA NOVA é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a VILA NOVA é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a VILA NOVA tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade, entre outros.

Para lá disso, a VILA NOVA pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta. A melhor forma de o fazermos é dispormos de independência financeira.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking, multibanco ou paypal.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Envie-nos os seus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Poderá ainda visitar os nossos anunciantes.

Gratos pelo seu apoio e colaboração.

Imagiologia, a radiologia do Século XXI

Brinquedos sexuais podem ajudar a intimidade do casal

Pub

Categorias: Agenda, Braga, Cultura, Dança

Acerca do Autor

Comente este artigo

Only registered users can comment.