‘Nestas eleições muito se decidirá pela eficácia desta narrativa perigosa para o PS de vitimização e ameaça’

A cassete e o cassetete de António Costa

A cassete e o cassetete de António Costa

Pub

 

 

A postura de António Costa nos debates prévios às Eleições Legislativas 2022 tem oscilado entre manifestações de ressentimento e juras de amor às políticas de esquerda. Se o ressentimento do secretário-geral do Partido Socialista (PS) e candidato a renovar o cargo de primeiro-ministro soa a falso, no que concerne ao amor fica evidente que não há uma réstia de paixão que o alimente. Tendo cedido menos do que podia na adoção de uma efetiva política de esquerda, nomeadamente em matéria laboral, Costa continua a afirmar, ainda assim, uma fidelidade de princípio a essa linha política. Afirmação de princípio a que corresponde uma substancialidade demasiado vaga para ser levada a sério. O que António Costa tem para oferecer é apenas a continuação de uma espécie de «compromisso histórico» entre o ciclone liberal, que se levantou nos já longínquos anos 80, e uma social-democracia tíbia, incapaz de o enfrentar. A este compromisso chamaram, em tempos, terceira via, sendo Tony Blair um dos mais conhecidos frequentadores desta via, que, como rapidamente se percebeu, não passa de uma vereda sem saída. O fracasso de Blair e seus amigos não impediu a perpetuação da ideia, que assenta, de forma sumária, na substituição de uma «concertação de classe progressista», que conduziu a uma atenuação real das desigualdades na era verdadeiramente social-democrata, por um modelo de «concertação regressiva», que vem ajudando a criar um fosso cada vez maior entre classes – veja-se o papel atual da Concertação Social, não por acaso coordenada por esse insigne representante da terceira via que dá pelo nome de Francisco Assis.

Concordância de António Costa e PS com parceiros de esquerda é capaz de ser mais retórica do que efetiva

Ouvimos António Costa e ficamos com a ideia de que concorda com o essencial do que é proposto por quem se situa à esquerda do PS. Diz-nos até que as políticas defendidas pelos seus antigos parceiros estão implementadas ou à vista de o estarem. António Costa nem sequer discordou da vantagem em fazer regressar à esfera pública empresas privatizadas, como a GALP ou os CTT, tal como Catarina Martins, a coordenadora do Bloco de Esquerda, propõe. A sua discordância não está no princípio mas na impossibilidade prática (leia-se financeira) de o fazer. Julgo que este caso ilustra o que o nosso primeiro-ministro pensa da vida e da governação: concorda com o que a esquerda defende mas encontra sempre forma de não levar as suas ideias à prática. Ou então, quando avança, como aconteceu com a legislação sobre os cuidadores informais, cuida de que as verbas fiquem cativadas ou inacessíveis. Ouvimos António Costa e ficamos convictos do seu assentimento às ideias de esquerda e da sua vontade de as implementar. A grande divergência parece reduzir-se a uma questão de timing, que sem ser um aspeto menos parece ser coisa que facilmente se resolveria com a assinatura de um acordo que calendarizasse as reformas com que as diferentes partes supostamente concordam. António Costa e o PS nunca quiseram assumir esse compromisso (o PCP também não, é verdade, mas aposto que não se deixaria ficar de fora se essa fosse a vontade de Costa), o que nos leva a pensar que a concordância é capaz de ser mais retórica que efetiva.

Narrativa de vitimização e ameaça pode ser perigosa para o Partido Socialista

Voltemos aos debates: sem assumir uma divergência clara com os seus antigos parceiros, resta a António Costa fazer o que tem feito: munido de uma cassete, repete até à náusea uma acusação de que foram os parceiros os únicos responsáveis pela interrupção da legislatura, dessa forma se descartando de uma culpa que também foi sua. Essa vitimização de António Costa, bastante pueril, de resto, não é suficiente. Com uma sonsice que foi cultivando ao longo destes anos, Costa troca as ideias políticas (banais e com pouco que se lhe diga) pela subtil ameaça. Nada de muito declarado, mas quem olhar com atenção verá o cassetete espreitando na manga do casaco: «Vejam como votam, pois se não votarem bem eu vou-me embora e ficam todos entregues à ingovernabilidade». Nestas eleições muito se decidirá pela eficácia desta narrativa que Costa não abandona. Composta de vitimização e ameaça, esta é, todavia, uma narrativa perigosa para o PS. É-o tanto pelas portas que vai fechando, como pela possibilidade de um efeito de ricochete, nada raro perante as ameaças de um cassetete, temperada com o enjoo de uma cassete que já toda a gente ouviu.

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - 1ª página - jornal diário digital generalista de âmbito regional

Nas eleições legislativas estão todos COVIDados a votar

’45 Anos de Eleições Autárquicas em Portugal’ divulga geometria eleitoral

Obs: este artigo foi previamente publicado na página pessoal de facebook de Luís Cunha, tendo sofrido ligeiras adequações na presente edição.

Imagem: RVM

VILA NOVA, o seu diário digital. Conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

VILA NOVA é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a VILA NOVA é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a VILA NOVA tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade, entre outros.

Para lá disso, a VILA NOVA pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta. A melhor forma de o fazermos é dispormos de independência financeira.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking, multibanco ou paypal.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Envie-nos os seus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Visite também os nossos anunciantes.

Gratos pelo apoio e colaboração.

Rui Rio e o serviço público

Serão as eleições legislativas de 2022 um ‘dejá vu’?

Publicidade | VILA NOVA: deixe aqui a sua Marca

Pub

Categorias: Crónica, Política

Acerca do Autor

Luís Cunha

Professor universitário. Braga.

Comente este artigo

Only registered users can comment.