José Ilídio Torres

Oportunidade | Uma crónica sem vírus

Oportunidade | Uma crónica sem vírus

 

 

Esta é uma crónica limpa, asseada.

Tem os parágrafos preenchidos de esperança, a que nos faz falta para nos pintarmos, nos esculpirmos por dentro.

Quantos de nós não passaram toda uma vida na procura do belo, tropeçando vezes demais na ilusão, na decepção da aparência?

Quantos ficaram pelo caminho, quantos tombaram, crendo estar no outro a razão da sua doença, incapazes de perceberem que era neles mesmos que estava a cura?

Vivemos dias de confronto com as nossas mentiras. Pequenas, grandes, assim-assim. E ainda bem.

Uma boa parte desta falsidade foi-nos implantada. Entra todos os dias pela nossa casa, pelos múltiplos ecrãs onde a nossa vida se espelha. Pela televisão, pelo computador, pelo smartphone.

Entra pelo induzido e subliminar impulso do consumo.

Perversamente, continuamos a ser alimentados pelo umbigo, mas os nutrientes já não são os do ventre materno.

Estes dias, que muitos acham estar carregados de drama e terror, são uma perfeita lição de vida. Depende apenas de cada um entender aquilo que a Natureza nos está a querer ensinar, mesmo que para isso tenha usado algo tão infinitamente pequeno e tão poderosamente devastador.

Passamos décadas e décadas a poluir o planeta. A industrialização cravou-se na terra como um cancro que foi espalhando os seus tentáculos, apodrecendo as florestas, o ar, extinguindo animais.

Sufocando, a Terra atacou-nos com as mesmas armas e não o faz, para nos castigar ou punir, mas para nos dizer claramente que chegou um tempo insustentável, e que a revolução começa na humanidade de cada um.

Neste tempo de recato, de regresso à família, mesmo quando esta está fisicamente afastada, a viagem é interior, limpa. Saiba cada um escutar a voz inaudível quando andávamos demasiado ocupados a fugir de nós.

Quantos caíram neste percurso por uma mão que não foi estendida, por um prato de comida que não foi partilhado? Pior que isso, quantos se finaram pela solidão?

E os artistas, e os poetas, e os criadores que não foram ouvidos? O que preenche as suas telas, as suas páginas, as suas obras, senão a esperança?

Ela é e será sempre a bandeira da humanidade. A arca que navegará no dilúvio, rumo a um novo paradigma.

O planeta respira agora melhor. O céu tem cor, o sol tem brilho. Avistam-se montanhas onde antes se cerravam cortinas de fumo.

Os pólos recuperam gelo, fecha-se um buraco aberto no peito da vida.

Nada disto será permanente se não tivermos a consciência do universo que representa cada um, se o pensamento crítico não substituir a crendice, os falsos profetas que todos os dias querem instaurar o medo como regime.

Esta é a oportunidade de não sermos apenas um número, um registo estatístico. Esta é a oportunidade de mudança que nos é oferecida para sermos melhores.

Melhores connosco, melhores com os outros.

Melhores em humildade, na consciência colectiva.

Não se pedem grandes gestos, grandes feitos. Uma coisa muito simples:

– AMOR.

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Categories: Crónica, Sociedade

About Author

José Ilídio Torres

José Ilídio Torres nasceu em Barcelinhos em 1967. Estudou Direito e Arqueologia, mas acabou licenciado em ensino, variante de educação física, leccionando ao 1º e 2º ciclo do ensino básico. É formador em futebol há cerca de 20 anos. Trabalhou como jornalista na imprensa regional, em jornais como o Notícias de Barcelos e Primeiro de Janeiro, bem como na Rádio Cávado. É autor de 11 livros, em romance, conto, infanto-juvenil e poesia. Foi deputado municipal em Barcelos e candidato à Câmara Municipal pelo Bloco de Esquerda, tendo-se afastado recentemente da vida política activa.

Write a Comment

Only registered users can comment.