‘A visão redutora dos gabinetes economicistas de Lisboa, sem auscultação de ninguém e somente pelo corte cego da despesa para mostrar serviço, não se pode sobrepor à visão social do serviço público’

O encerramento do balcão da CGD de Arcozelo

O encerramento do balcão da CGD de Arcozelo

Pub

 

 

Começo por manifestar total indignação pela opção de gestão administrativa da Caixa Geral de Depósitos (CGD) em encerrar 75 agências.

Uma das obrigações da CGD, enquanto banco público, reside precisamente na manutenção de uma rede de agências que garantam o acesso a serviços bancários em todo o país, tendo por obrigação a sua presença de cobertura geográfica numa relação de proximidade com as populações e de regulação do mercado bancário. Se precisamos de ter uma Caixa Geral de Depósitos forte e recapitalizada é precisamente para esta instituição estar ao serviço da economia local e das pessoas. Por outro lado, a CGD tem de ser um referencial de transparência e de irrepreensível relação com os seus trabalhadores e não ser um bastião de despedimentos e de encerramentos para que o presidente da comissão executiva seja galardoado com méritos financeiros.

Não se põe em causa a necessidade de uma gestão cuidada e eficiente, desde que essa seja compatível com os desígnios de uma instituição pública com responsabilidades sociais e com princípios de regulamentação de mercado não permissíveis à selvajaria especulativa.

O fecho da agência da CGD em Arcozelo

Numa visão mais localista, contesto veementemente o encerramento da agência de Arcozelo. Esta dependência bancária abrange uma extensa área de cobertura – tanto de clientes individuais como de empresas; desempenha um papel social relevante – quantas pessoas levantam aqui a sua reforma; desanuvia o serviço prestado à população do concelho – imagine-se a concentração na agência central de Barcelos; movimenta um conjunto de atividades à sua volta – repare-se no comércio que depende da afluência das pessoas a este serviço; emprega trabalhadores que ficam sujeitos a deslocalizações ou despedimento. Na verdade, esta agência, desempenha um serviço público muito procurado pela população e não se vislumbra qualquer razão que justifique esta absurda decisão. A não ser que haja interesses estranhos de manobras de bastidores, até porque os CTT têm um posto em frente e sabe-se a voracidade pela banca que esta privada instituição tem.

Visão economicista redutora não se pode sobrepor à visão social de serviço público

A Junta de Freguesia de Arcozelo fez saber que está contra esta decisão e já tem um abaixo-assinado no terreno a ser subscrito por todos quantos assim o entendam fazer. O Presidente da Câmara de Barcelos, estranhamente, diz que a situação é irreversível, como que aceitando que assim seja. A população afetada não desiste da luta e marcou para esta sexta-feira uma concentração como ato de cidadania e repúdio por esta absurda decisão. A visão redutora dos gabinetes economicistas de Lisboa, sem auscultação de ninguém e somente pelo corte cego da despesa para mostrar serviço, não se pode sobrepor à visão social do serviço público.

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - 1ª página - notícias - informação - jornal - diário digital generalista de âmbito regional

Novo hospital de Barcelos, uma velha reivindicação

VILA NOVA, o seu diário digital. Conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

VILA NOVA é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a VILA NOVA é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a VILA NOVA tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade, entre outros.

Para lá disso, a VILA NOVA pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta. A melhor forma de o fazermos é dispormos de independência financeira.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking, multibanco ou paypal.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Envie-nos os seus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Gratos pela sua colaboração.

Publicidade | VILA NOVA: deixe aqui a sua Marca

Pub

Acerca do Autor

José Maria Cardoso

Professor. Deputado Municipal do Bloco de Esquerda.

Comente este artigo

Only registered users can comment.