Catarina Marcelino (vice-presidente da Segurança Social), em Vila Verde: Impacto faz-se sentir das mais diversas formas, designadamente na vida social, na escola e no acesso ao emprego

Portugal permanece racista 150 anos depois do fim da escravatura

Portugal permanece racista 150 anos depois do fim da escravatura

Pub

 

 

“Há racismo estrutural em Portugal”, assume Catarina Marcelino, a vice-presidente do Instituto de Segurança Social, na palestra integrada no programa da exposição ‘O Império do Medo’, patente ao público na Biblioteca Municipal Professor Machado Vilela, em Vila Verde, e proferida, este sábado, 20 de novembro. Este ‘racismo estrutural’ provoca discriminação de pessoas afro-descendentes, assim como de imigrantes, comunidades ciganas e até dos próprios portugueses vindos das antigas colónias – os ‘retornados’.

A denúncia foi efetuada numa palestra sobre “O Racismo na Sociedade Portuguesa no Século XXI” que teve como moderador João Delgado, professor e designer multimédia natural de Angola.

Ex-secretária de Estado para a Cidadania e para a Igualdade (no governo de 2015-2017), Catarina Marcelino sugeriu que Portugal, a caminho de celebrar os 50 anos da Revolução de Abril, deve aproveitar para “falar abertamente dos efeitos do colonialismo português e promover a reconciliação”.

Discriminações fazem-se sentir sob as mais diversas formas

De acordo com a antiga governante socialista e atual dirigente da Segurança Social, as discriminações que sentem os retornados e também os filhos, assim como os afro-descendentes e as novas comunidades imigrantes – muitas vezes estigmatizadas em bairros – têm impacto das mais diversas formas, designadamente na vida social, na escola e no acesso ao emprego.

A presidente da Câmara Municipal de Vila Verde, Júlia Fernandes, encerrou a sessão, inserida no contexto da exposição “Império do Medo”, patente na Biblioteca Municipal de Vila Verde até dia 3 de dezembro e que invoca a escravatura, rememorando o tráfico negreiro, a sua violência e circunstâncias, assim como a luta porfiada das vítimas e de quantos se lhe opunham.

maria josé fernandes - catarina marcelino - joão delgado - debate - racismo - portugal - vila verde - o império do medo

império do medo - escravatura - racismo - portugal- racista - vila verde - biblioteca municipal professor machado vilela

Nos 150 anos da abolição da escravatura em Portugal

Criada para o Fólio, festival literário de Óbidos, a exposição inicia em Vila Verde um périplo por alguns concelhos do Cávado, antes de se dirigir a Lisboa, onde será mostrada na Fundação José Saramago.

Sobre a exposição, explicam os curadores que “os registos para que a memória não se apague são determinantes no reforço dos factos e da história.

Os paradigmas que hoje vivemos exigem reflexão, pelo que esta exposição ganha oportunidade, dando um contributo sobre factos e circunstâncias: a ESCRAVATURA e o percurso na sua abolição em Portugal e no mundo.

Passados mais de 150 anos sobre a abolição em Portugal, esta exposição invoca a escravatura, rememorando o tráfico negreiro, a sua violência e circunstâncias, mas também a luta porfiada das vítimas e de quantos se lhe opunham. Verdadeiro império do medo, a escravatura causou a deportação para as Américas de cerca de 12,5 milhões de africanos.

Na sequência da escravatura, seguiram-se anos de colonialismo, descriminação ou segregação, que deixaram um rastro de racismo estrutural nos países que foram potências escravocratas e/ou colonizadoras.

Mas não esquecemos também as novas servidões do nosso tempo e as diferentes manifestações de racismo”.

“Os registos para que a memória não se apague são determinantes no reforço dos factos e da história.

Os paradigmas que hoje vivemos exigem reflexão, pelo que esta exposição ganha oportunidade, dando um contributo sobre factos e circunstâncias: a ESCRAVATURA e o percurso na sua abolição em Portugal e no mundo.

Passados mais de 150 anos sobre a abolição em Portugal, esta exposição invoca a escravatura, rememorando o tráfico negreiro, a sua violência e circunstâncias, mas também a luta porfiada das vítimas e de quantos se lhe opunham. Verdadeiro império do medo, a escravatura causou a deportação para as Américas de cerca de 12,5 milhões de africanos.

Na sequência da escravatura, seguiram-se anos de colonialismo, descriminação ou segregação, que deixaram um rastro de racismo estrutural nos países que foram potências escravocratas e/ou colonizadoras.

Mas não esquecemos também as novas servidões do nosso tempo e as diferentes manifestações de racismo.”

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - 1ª página - finanças - europa - prr - joão leão - primeiro pagamento

CGD debate em Barcelos perspetivas para o futuro do País

Imagens: M VVD

VILA NOVA, o seu diário digital. Conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

VILA NOVA é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a VILA NOVA é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a VILA NOVA tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade, entre outros.

Para lá disso, a VILA NOVA pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta. A melhor forma de o fazermos é dispormos de independência financeira.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking, multibanco ou paypal.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Gratos pela sua colaboração.

Joias preciosas da atualidade com ‘look’ glamoroso e elegante

Valerá a pena preservar o Teixo (Taxus baccata)?

Pub

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.