Portugal permanece racista 150 anos depois do fim da escravatura

Portugal permanece racista 150 anos depois do fim da escravatura

Pub

 

 

“Há racismo estrutural em Portugal”, assume Catarina Marcelino, a vice-presidente do Instituto de Segurança Social, na palestra integrada no programa da exposição ‘O Império do Medo’, patente ao público na Biblioteca Municipal Professor Machado Vilela, em Vila Verde, e proferida, este sábado, 20 de novembro. Este ‘racismo estrutural’ provoca discriminação de pessoas afro-descendentes, assim como de imigrantes, comunidades ciganas e até dos próprios portugueses vindos das antigas colónias – os ‘retornados’.

A denúncia foi efetuada numa palestra sobre “O Racismo na Sociedade Portuguesa no Século XXI” que teve como moderador João Delgado, professor e designer multimédia natural de Angola.

Ex-secretária de Estado para a Cidadania e para a Igualdade (no governo de 2015-2017), Catarina Marcelino sugeriu que Portugal, a caminho de celebrar os 50 anos da Revolução de Abril, deve aproveitar para “falar abertamente dos efeitos do colonialismo português e promover a reconciliação”.

Discriminações fazem-se sentir sob as mais diversas formas

De acordo com a antiga governante socialista e atual dirigente da Segurança Social, as discriminações que sentem os retornados e também os filhos, assim como os afro-descendentes e as novas comunidades imigrantes – muitas vezes estigmatizadas em bairros – têm impacto das mais diversas formas, designadamente na vida social, na escola e no acesso ao emprego.

A presidente da Câmara Municipal de Vila Verde, Júlia Fernandes, encerrou a sessão, inserida no contexto da exposição “Império do Medo”, patente na Biblioteca Municipal de Vila Verde até dia 3 de dezembro e que invoca a escravatura, rememorando o tráfico negreiro, a sua violência e circunstâncias, assim como a luta porfiada das vítimas e de quantos se lhe opunham.

maria josé fernandes - catarina marcelino - joão delgado - debate - racismo - portugal - vila verde - o império do medo

império do medo - escravatura - racismo - portugal- racista - vila verde - biblioteca municipal professor machado vilela

Nos 150 anos da abolição da escravatura em Portugal

Criada para o Fólio, festival literário de Óbidos, a exposição inicia em Vila Verde um périplo por alguns concelhos do Cávado, antes de se dirigir a Lisboa, onde será mostrada na Fundação José Saramago.

Sobre a exposição, explicam os curadores que “os registos para que a memória não se apague são determinantes no reforço dos factos e da história.

Os paradigmas que hoje vivemos exigem reflexão, pelo que esta exposição ganha oportunidade, dando um contributo sobre factos e circunstâncias: a ESCRAVATURA e o percurso na sua abolição em Portugal e no mundo.

Passados mais de 150 anos sobre a abolição em Portugal, esta exposição invoca a escravatura, rememorando o tráfico negreiro, a sua violência e circunstâncias, mas também a luta porfiada das vítimas e de quantos se lhe opunham. Verdadeiro império do medo, a escravatura causou a deportação para as Américas de cerca de 12,5 milhões de africanos.

Na sequência da escravatura, seguiram-se anos de colonialismo, descriminação ou segregação, que deixaram um rastro de racismo estrutural nos países que foram potências escravocratas e/ou colonizadoras.

Mas não esquecemos também as novas servidões do nosso tempo e as diferentes manifestações de racismo”.

“Os registos para que a memória não se apague são determinantes no reforço dos factos e da história.

Os paradigmas que hoje vivemos exigem reflexão, pelo que esta exposição ganha oportunidade, dando um contributo sobre factos e circunstâncias: a ESCRAVATURA e o percurso na sua abolição em Portugal e no mundo.

Passados mais de 150 anos sobre a abolição em Portugal, esta exposição invoca a escravatura, rememorando o tráfico negreiro, a sua violência e circunstâncias, mas também a luta porfiada das vítimas e de quantos se lhe opunham. Verdadeiro império do medo, a escravatura causou a deportação para as Américas de cerca de 12,5 milhões de africanos.

Na sequência da escravatura, seguiram-se anos de colonialismo, descriminação ou segregação, que deixaram um rastro de racismo estrutural nos países que foram potências escravocratas e/ou colonizadoras.

Mas não esquecemos também as novas servidões do nosso tempo e as diferentes manifestações de racismo.”

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - 1ª página - finanças - europa - prr - joão leão - primeiro pagamento

CGD debate em Barcelos perspetivas para o futuro do País

Imagens: M VVD

VILA NOVA, o seu diário digital. Conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

VILA NOVA é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a VILA NOVA é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a VILA NOVA tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade, entre outros.

Para lá disso, a VILA NOVA pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta. A melhor forma de o fazermos é dispormos de independência financeira.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking, multibanco ou paypal.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Paypal: [email protected]

Envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Gratos pela sua colaboração.

Joias preciosas da atualidade com ‘look’ glamoroso e elegante

Valerá a pena preservar o Teixo (Taxus baccata)?

Pub

Acerca do Autor

Comente este artigo

Only registered users can comment.