Miguel Matos

Comunidade | Fazermos todos mais uns pelos outros

Comunidade | Fazermos todos mais uns pelos outros

Pub

 

 

No seguimento da pandemia de Covid-19, a queda brutal do Produto Interno Bruto – em Portugal, na Europa e no mundo -, é uma realidade incontornável, expectável e até já mesmo verificável.

Para relançar a actividade económica, é incontornável o recurso ao crédito pela esmagadora maioria das empresas.

É também incontornável para o estado português e para uma grande parte dos estados europeus, mas não só, recorrer a um aumento muito substancial da dívida pública.

A austeridade que se segue a um processo de recurso generalizado e colossal ao crédito é uma realidade inevitável.

Resta-nos desta vez a esperança de que a máxima dos adeptos do neoliberalismo, ainda presente na memória de todos nós portugueses, segundo a qual na ressaca da última crise económica e financeira internacional, havia que “fazer mais que a Troika”, isto é, fazer mais do que nos era exigido, seja agora substituída por uma nova máxima:

“Há que fazermos todos mais uns pelos outros”.

Todos: as Pessoas, as empresas, os países, os blocos económicos. Todos nós e não apenas alguns de nós.

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

Como qualquer outra, a Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de mbway, netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Pub

Categorias: Crónica, Economia

About Author

Miguel Matos

Miguel Matos nasceu em Lousado, Vila Nova de Famalicão e reside em Vila Nova de Famalicão. Licenciado em Economia pela Faculdade de Economia do Porto. Pós-Graduação: MBA Executivo pela Porto Business School. Consultor de gestão e desenvolvimento de negócios, especialista em planeamento estratégico e avaliação económica e financeira de projetos de investimento. Fundador e CEO da APAMM Consultores de Gestão, empresa onde desde 1997 aplica o seu método de transformação de Empreendedores em Donos de Um Negócio. Autor do livro Seja Livre, Sendo Dono De Um Negócio (2017). Foi Presidente da Direção do Clube de Ténis Clube de Famalicão entre 2008 e 2016.

Write a Comment

Only registered users can comment.