Coronavírus: desesperadamente à espera de um Conselho de Estado

Coronavírus: desesperadamente à espera de um Conselho de Estado

Pub

 

 

A curva de propagação do novo coronavírus, causador da Covid-19, deixa Portugal em situação crítica em função da sua evolução, mas também dependente da falta de perspetiva futura e decisão dos nossos governantes.

Não houve ainda mortes, o que todos folgamos saber, mas todos sabemos que elas vão acontecer. O pico da pandemia, no nosso país, está ainda longe, devendo ocorrer apenas entre finais de abril e meados de maio.

Apesar disso, depois de um primeiro período de uma certa inação, e até mesmo pouco crédito em relação à desgraça que estava para nos cair em cima, e consenso entre Governo e partidos políticos em torno das dificuldades que se faziam sentir até ao encerramento das escolas, algumas vozes – raríssimas, e entre as quais nos colocamos – exigiam desde há dias a instauração do estado de emergência. Infelizmente, só depois de o Governo se decidir pelo fecho das escolas aconteceu o ‘estado de alerta’, aquele em que estamos agora; e começam a fazer-se ouvir as primeiras vozes contra a forma como a situação tem sido lidada. Ouça-se Francisco Rodrigues dos Santos: “Amanhã lamentaremos tudo o que não tivermos sido capazes de fazer hoje“.

Costa entrou agora em contacto com o seu homólogo Pedro Sanchez e decidiu-se pela limitação parcial de circulação de pessoas, impedindo a entrada de turistas no país, em mais uma ação reativa de mitigação à pandemia.

No seguimento deste contacto, e atendendo à muito difícil situação em que se encontra a Espanha, e toda a Europa, em boa verdade, António Costa remeteu para Marcelo Rebelo de Sousa, com quem teve também uma reunião, a possibilidade de ser decretado em Portugal o ‘estado de emergência’.

Ora, quando ouvimos Costa falar sobre esta possibilidade, pensámos que Marcelo, à noite, resolvesse a situação de imediato. Mas não.

“Temos de manter o País em funcionamento (…) garantindo o nível de atividade que é essencial para a nossa sobrevivência”, citamos Costa. Assim é nos países que vivem em estado de guerra. E estamos em guerra; mas parece que não. A situação, a falar verdade, é provavelmente até bem mais grave, uma vez que ainda não se conhece bem o inimigo.

Afirma António Costa: “É necessário continuarmos a acompanhar a situação, para que os portugueses tenham a certeza de que faremos tudo o necessário, mas não faremos nada em excesso na restrição dos seus direitos e das suas liberdades“.

Em nosso entender, a circulação de pessoas já deveria ter sido limitada há muito mais tempo, em Portugal e noutros países europeus, para se poder conter a propagação da doença provocada pelo coronavírus.

Se estivéssemos em guerra com outro país e porventura fôssemos invadidos por um qualquer país estrangeiro, o Conselho de Estado só se reuniria daí a 3 dias para decidir se haveria de usar a melhor arma de que Portugal poderia dispor para se defender? Estará mesmo tudo a ser feito? Ou, pelo menos, com a velocidade que se impunha? A ser assim, quando o Conselho de Estado se reunisse, o país estaria já completamente rendido.

Em função do exposto, a possibilidade de Portugal passar a viver em ‘estado de emergência’ será discutida apenas na quarta-feira, 18 de março, talvez já muito tarde. Esperemos que não e que, pelo menos nessa altura, o ‘estado de emergência’ seja decretado de imediato.

Que acontecerá daqui até lá?

8/3/2020 | Coronavírus: Para quando o estado de emergência em Portugal?

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.

VILA NOVA, o seu diário digital. Conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

VILA NOVA é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a VILA NOVA é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a VILA NOVA tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a VILA NOVA pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking, multibanco ou paypal.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Obs: envie-nos os seus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Gratos pela sua colaboração.

Publicidade | VILA NOVA: deixe aqui a sua Marca

Pub

Categorias: Editorial

Acerca do Autor

Pedro Costa

Diretor e editor.

Comente este artigo

Only registered users can comment.