Médico de Braga, na RTP2, diz que ‘a quarentena deverá durar 8 a 12 semanas na melhor das hipóteses’

Coronavírus | Bruno Arroja alerta para necessidade de quarentena obrigatória

Coronavírus | Bruno Arroja alerta para necessidade de quarentena obrigatória

 

 

Bruno Arroja, médico especialista em Gastroenterologia no Hospital de Braga, analisou,este domingo, 15 de março, à noite, no Jornal 2, da RTP, a situação em Portugal do novo coronavírus, que provoca a doença Covid-19.

Na ocasião deixou importantes alertas e preocupações, entre as quais, e a mais importante, a necessidade de “quarentena obrigatória” que, em seu entender, já “deveria estar há muito decretada”, considerando que “temos que nos preparar para viver nessa situação ao longo de meses”.

Para lá de toda uma série de críticas à ação política, nomeadamente ao Governo e ao Presidente da República, Bruno Arroja deixa uma série de avisos e desafios para todos nós.

O “SNS não tem condições para respoder, claramente não tem” aos milhares de infetados que surgirão até ao pico da curva de Covid-19.

“Vamos entrar em quarentena. Só há duas formas de nós conseguirmos dominar este problema: a vacina, que ainda não está disponível, e a única solução [verdadeiramente disponível], a quarentena obrigatória.

“Não haverá mais escolas este ano, não haverá Euro 2020, não haverá Jogos Olímpicos, não haverá Dia do Pai, Dia da Mãe. Não haverá nada disso. As pessoas têm que se mentalizar que nada disso irá haver.”

“Se 2.000 doentes portugueses precisarem de assistência em UCI, os ventiladores existentes são insuficientes. Dispomos de 1.400”.

“A quarentena deverá durar 8 a 12 semanas no mínimo, na melhor das hipóteses”.

“Recorram aos cuidados de saúde apenas se estiverem (mesmo) mal”.

Imagem: PC/RTP2

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Categories: Ciência, Sociedade

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.