Tiago Simães

Talento Made in Guimarães | Samuel Martins Coelho

Talento Made in Guimarães | Samuel Martins Coelho

Pub

 

 

A pessoa

Se não fosse músico, talvez o Samuel Martins Coelho fosse um peixe de águas quentes.

Um amante da Natureza, uma das coisas que mais gosta de fazer é snorkling. A água é, definitivamente, o seu elemento.

Pessoa divertida e introspectiva, duma calma desarmante.

Aberto a todo o tipo de experiências sonoras e artísticas, não tem medo do “erro” e considera estar sempre a aprender.

O trabalho e a criação

O Samuel tem feito um percurso de descoberta e constante reinvenção da sua linguagem musical. Com raízes na música clássica (estudou violino na Artave – Escola Profissional Artística do Vale do Ave e na Academia Nacional Superior de Orquestra, em Lisboa) tem vindo a desenvolver uma linguagem muito própria, utilizando diversas fontes sonoras. O seu trabalho atravessa vários géneros, desde a música clássica à música conceptual, música experimental e improvisação. Sentiu desde cedo que a sua força criativa era demasiado forte para ficar preso a um único estilo e a uma vertente unicamente interpretativa.

Ainda assim, chegou a passar por orquestras profissionais como a Orquestra Metropolitana de Lisboa e a Orquestra do Norte, ao mesmo tempo que se foi envolvendo noutros projectos, e assim desenvolvendo a sua própria linguagem, que cruza muitos universos. Actualmente, para além dos projectos que integra, designadamente Samuel Martins Coelho, EL RUPE (trio de jazz fusion), Pata Física (música electrónica e spoken word), Estranhofone (esculturas sonoras), colabora também nos projectos Ondamarela, Space Ensemble, Mods Colective, Escola do Rock, Gnomon, Hot Air Baloon, NACO, Miguel Ramos e Atic, tendo diversos discos editados.

Nos últimos anos tem colaborado como diretor musical, compositor e instrumentista com companhias de teatro como o Teatro Experimental do Porto, Máquina Agradável, Teatro Bruto, Comédias do Minho e Teatro Oficina.

Desenvolve também actividades com comunidades, e lidera intervenções musicais criativas, dirigidas a crianças e ao público em geral, cooperando com vários protagonistas das áreas da dança, do teatro e da performance.

Em 2017 foi artista residente do AiR Programme, em Malta (Gozo), no âmbito do programa da Fondazzjoni Kreattivitá e Valletta 2018 (Capital Europeia da Cultura). Compõe música para teatro e para cinema, tendo colaborado recentemente com o compositor Normand Roger, na gravação da banda sonora para o novo filme de Regina Pessoa, “Tio Tomás – A Contabilidade dos Dias”, candidato às nomeações para os Óscares e vencedor do prémio de melhor banda sonora de curta-metragem no Festival Annecy.

Em 2019 lançou o seu primeiro disco a solo “Partita para violino solo”, um disco muito íntimo e reflexivo, cujo processo criativo foi uma espécie de catarse para alguns acontecimentos e experiências pessoais menos positivas. Para o Samuel, o mais banal fenómeno sonoro, tem potencial para se tornar objecto artístico.

#talentomadeinguimaraes #samuelmartinscoelho

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Sociedade

About Author

Tiago Simães

Tiago Simães é natural de Guimarães, onde nasceu em 1980. Após frequentar o Conservatório Regional de Guimarães e a Academia Valentim Moreira de Sá, ingressa na Escola Superior de Música e das Artes do Espectáculo do Porto, onde se graduou em Formação Musical Específica. Em Itália e Portugal, Estuda Regência Coral, Piano e Composição e Música - Teoria e Pedagogia, na Universidade de Aveiro. Tem participado em inúmeros projectos como artista integrante ou convidado, concertista ou maestro, a solo ou ensemble, tendo-se apresentado em diferentes palcos nacionais e internacionais e em vários estilos musicais e artísticos Lecciona Formação Musical e Classes de Conjunto no Conservatório de Música de Felgueiras desde 2005, tendo aí sido Director Pedagógico. Entre 2009 e 2014 exerce o cargo de Coordenador da Licenciatura em Educação Musical, no Instituto Superior de Ciências Educativas de Odivelas – Pólo de Felgueiras. Foi Director Artístico e Programador da Associação Círculo de Arte e Recreio, entre 2009 e 2013. Colaborou activamente na organização e execução do evento Guimarães 2012 – Capital Europeia da Cultura, tendo sido convidado a integrar o Projecto da Área de Comunidade “Outra Voz” como Regente Coral. Compõe o tema sinfónico “Guimarães 2012 – Obra para Orquestra e Coro” interpretado pela FOE sob a direção de Rui Massena. Foi ainda membro da Direcção do Projecto Tempos Cruzados. Enquanto membro directivo da Associação Convívio - entre 2011 e 2013 – é co-fundador e criador da Escola de Jazz do Convívio (Outubro de 2012), da qual foi docente e Director Pedagógico. É fundador do festival “O Verão é Jazz!”. Em 2013 cria o B-JAZZ: Convívio Jazz Choir, do qual é Maestro e Director Artístico até ao presente.. Colabora activamente com inúmeros projectos musicais de todas as áreas, enquanto produtor, músico de estúdio ou/e performer (Let the Jam Roll, José Malhoa, Azeitonas, etc...). É co-responsável pela componente musical do Festival Guimarães Noc Noc. Foi membro da Direcção Executiva e Coordenador do FMRG (Festival de Música Religiosa de Guimarães) desde a sua fundação até 2017 e exerceu as funções de coordenador do FIGG (Festival Internacional de Guitarra de Guimarães) entre 2016 e 2018. Foi co-regente e membro do projecto. Exerceu as funções de co-gestor e programador do São Mamede Centro de Artes e Espectáculos, Director Musical do espectáulo “Humanário Paralelamente à carreira de músico e pedagogo, é empresário, nomeadamente da MVJ e da Relógio de Ideias Produções. É programador do evento anual “Os Clássicos vão ao Interior”, divulgando música erudita pelo interior remoto. Escreve regularmente textos, crónicas e artigos de opinião para vários suportes e sobre os mais variados temas. Lançou o seu primeiro livro “Todos os dias ou não” em Março de 2020 pela Editora Astronauta e está previsto o lançamento do segundo ainda durante o mesmo ano.

Write a Comment

Only registered users can comment.