António Fernandes

PS | Eleições na Federação de Braga do Partido Socialista: um voto político – os passos e as pegadas

PS | Eleições na Federação de Braga do Partido Socialista: um voto político – os passos e as pegadas

Pub

 

 

Os passos de cada um deixam pegada, ou não, consoante a dimensão pessoal.

Se há quem, caminhando, se limite a espezinhar o terreno que o suporta, também há quem, caminhando, contribua para o bem da comunidade e, por essa via, deixe pegada que marca com profundidade positiva todo o seu, e o dos outros, percurso de vida.

Depois, há os que por mais que “toquem a nora” não conseguem içar água nem sequer impedir que no fosso que criaram ao longo da vida em redor da nora que tanto calcorrearam germine planta.

Porque essas, as plantas, mantém a persistência que só a vontade em viver assegura.

Porque, mais do que a marca deixada pelos sapatos ou pelos pés, as pegadas de cada um são as marcas deixadas em prol do interesse coletivo.

Uns fazem-no.

Outros, não.

Uns gabam-se que o fazem sem que nunca o tenham feito nem mostrado, ao longo do seu percurso, vontade firme em o fazer.

Outros não precisam de dizer o que quer que seja sobre a intenção porque esse é um reconhecimento público que emana sempre do legado em trânsito.

Tudo o resto é conversa fiada.

O voto para o cargo de Presidente da Federação é um voto político em defesa de políticas-mestras estruturantes do futuro coletivo com pendor de influência nacional na defesa dos direitos de todos aqueles a quem os mais elementares direitos humanos são recusados ou o direito a lutar é manipulado ou inquinado.

O poder é algo que deve estar ao alcance de todos por via democrática, desde a sua estrutura ao seu fim libertador do indivíduo em contexto social e ambiental do meio em articulação com a biodiversidade sustentável das sociedades civilizadas, como sendo a plataforma da sua coexistência pacífica sempre justa.

Não é algo que sirva para ajustes diretos e indiretos de interesses confinados a mentes fechadas em torno de um, para um.

A esse poder nacional o 25 de Abril pôs termo em 1974.

Em 1975 o Partido Socialista deu forma e conteúdo a uma bandeira em torno da qual milhares de Portugueses deram as mãos e lutaram: uma sociedade mais justa; mais igualitária; mais solidária; os seus desígnios de então não mudaram porque a era que vivemos é mais exigente.

Essa luta continua!

Hoje, mais do que nunca, os valores estatutários e de princípio, estão na Ordem do Dia.

Claudicar é coisa que não pode estar no horizonte de uma Federação Distrital do Partido Socialista.

Olhar para o partido circunscrevendo a sua ação ao interesse do umbigo é um erro demasiado caro que os Portugueses terão de pagar tão só porque a orientação política Distrital pode mudar o rumo das políticas nacionais, influindo em sérios revezes do foro ideológico de um Partido Socialista, que se quer de esquerda, a dialogar com a esquerda, para que as políticas gerais sejam de esquerda e resultem em favor dos interesses comuns da sociedade Portuguesa, e não no despudor de claudicar perante a direita nacional e internacional.

Importa, por isso, que do ato a realizar no dia 18 do corrente mês de julho resulte um Órgão Distrital Federativo que congregue em si a vontade dos socialistas em representação de todos aqueles que com o Partido Socialista se identificam na luta pela estruturação de uma nova sociedade com horizontes de futuro.

 

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Crónica, Política

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

António Fernandes

António da Silva Fernandes nasceu em 1954, em S. José de S. Lázaro e reside atualmente em S. Mamede de Este, em Braga. É chefe de serviços da Alcatel. Como dirigente associativo, esteve e/ou está envolvido com: ACARE; GETA; Academia Salgado Zenha; Academia Sénior Dr. Egas; Associação de Pais da Escola Dr. Francisco Sanches; APD - Associação Portuguesa de Deficientes; Associação de Solidariedade Social de Este S. Mamede. Ao longo da sua vida, desenvolveu atividade política no MDP/CDE; JCP; PCP; LIESM-Lista Independente de Este S. Mamede; Comissão Política do Partido Socialista - Secção de Braga; Clube Político do Partido Socialista - Secção de Braga. Na política autárquica, desempenhou funções na Assembleia de Freguesia e no Executivo da Junta de Freguesia de Este S. Mamede. Desenvolve atividade na escrita: Poesia em antologias nacionais e plataformas digitais; Artigos de Opinião em Órgãos de Comunicação Social local e nacional, em suporte de papel e digital quer em blogues quer em Órgãos da Comunicação Social escrita. Colaborador na Rádio: R.T.M. (Solidariedade); Antena Minho (Cumplicidades).

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.