Vítor Pereira

Racismo | Homo homini lupus

Racismo | Homo homini lupus

 

 

Contra o racismo não existe cor, nem raça, nem credo, nem poema pequeno o suficiente que não possa erguer-se para ser maior que as muralhas do ódio. Ser “anti” alguma coisa acarreta sempre sentidos dentro do Homem, que o Homem não deveria precisar de sentir. Não obstante, chega um tempo em que não ser “anti” é ser parte integrante de uma guerra em que a neutralidade dá armas ao opressor e em que abster-se é quase o mesmo que votar a favor.

A velha escola das palavras peca muitas vezes por ser insuficiente perante a necessidade dos atos, mas a consequência imediata do silêncio é uma sentença aos pilares da liberdade de ter voz e não querer gritar. Em alternativa ao silêncio, há também os que tentam unificar através da deturpação do conceito da igualdade. Dizer que “todas as vidas importam” em resposta ao “as vidas dos negros importam” é querer apagar a fogueira com gasolina e desprezar uma dor que nunca nos foi dada a provar.

Todas as formas de luta são imperfeitas, pelo simples facto de que, por si só, o ato de lutar põe à vista a trágica condição de ser necessário combater por um ideal para alcançar uma meta que deveria ser ganha à partida. Não sendo esta meta ainda possível, é preciso hierarquizar as nossas imperfeições. Tudo isto para dizer que criticar um movimento que marcha pelo direito à vida, com o argumento de que no meio de cada batalha exista quem a use para roubar e pilhar em proveito próprio, é o mesmo que dizer que o capitalismo importa mais que a vida e que o materialismo vale mais que a morte.

Há mais de cinquenta mil anos que usámos as palavras para comunicar, já o grito – de alerta, de perigo, de atenção – é tão antigo quanto os primeiros homens. É hora de gritar.

A única cor que fica mal num ser humano é o fascismo vestido por dentro da pele.

 

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Categories: Crónica, Sociedade

About Author

Vítor Pereira

Poeta cosmológico. De luto por todas as causas perdidas do universo.

Write a Comment

Only registered users can comment.