António Costa: Covid-19 impõe existência de confiança por parte dos cidadãos

Pandemia | Medidas de apoio do Estado à economia estão a produzir resultados seguros

Pandemia | Medidas de apoio do Estado à economia estão a produzir resultados seguros

Pub

 

 

O Governo concedeu até ao momento garantias em linhas de crédito no valor de cinco mil milhões de euros para mitigar os prejuízos económicos e sociais causados pela pandemia de covid-19, anunciou ontem, 12 de maio, António Costa, o primeiro-ministro.

O primeiro-ministro defendeu, no final da cerimónia de compromisso dos parceiros sociais para a retoma económica e da assinatura de um protocolo de cooperação entre a AHRESP (Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal) e a Direção-Geral de Saúde (DGS), que as medidas adotadas pelo Governo, designadamente ao nível do ‘lay-off’ simplificado, “estão a ter efeitos seguros”, assim atenuando os prejuízos económicos e sociais da pandemia junto de trabalhadores e empresas.

Especificamente em relação aos pagamentos do regime de ‘lay-off’, António Costa deixou a garantia de que foram pagos até ao final do passado mês de abril “todos os requerimentos válidos que entraram até ao primeiro dia desse mês”, reiterando o compromisso de pagar igualmente até ao “final desta semana” a totalidade dos requerimentos válidos que entraram até ao final de abril. Lembrando que todo este processo tem exigido da parte da Segurança Social um “esforço gigantesco”, o líder do Executivo apelou à banca para que também assuma em todo este processo “um papel ativo” de intermediação na concessão de crédito às empresas, sustentando que os bancos “são os veículos de transmissão desse dinheiro à economia”.

Depois de referir apoiar o Simplex, António Costa, ainda assim, reconhece que este processo de concessão de garantias por parte do Estado tem as suas dificuldades burocráticas, que se justificam, como salientou, por se tratar de garantias que os “contribuintes estão a dar aos empréstimos concedidos”, voltando a enaltecer a importância do primado da confiança que “todos temos de ter no destino do dinheiro público”, na certeza de que este dinheiro dos contribuintes,“não é um empréstimo ou dinheiro distribuído, mas, antes, dinheiro contratado”.

Ou seja, como fez questão de aludir, trata-se de viabilizar empresas com futuro, para o que é preciso ter uma radiografia o mais exata possível em relação à sua real viabilidade económica e financeira, porque o apoio financeiro, voltou a defender o também líder socialista, “tem de ser distribuído com critério”.

Enfrentar constrangimentos

A doença impõe a existência de “confiança por parte dos cidadãos“. O primeiro-ministro reconhece também, por isso, as dificuldades acrescidas para a retoma da atividade económica que as limitações acrescidas de mais higiene e de mais segurança vão gerar, nomeadamente ao nível da restauração, mas também num conjunto de outras atividades, como os barbeiros, cabeleireiros ou mesmo “dos jogadores de futebol”.

 

Fone e Imagem: AS

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Pub

Categories: Sociedade

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.