Iniciativa da InvestBraga debate contratação pública ecológica

Ambiente | ‘Empresas verdes para regiões verdes e cidades verdes’ dá a conhecer boas práticas empresariais

Ambiente | ‘Empresas verdes para regiões verdes e cidades verdes’ dá a conhecer boas práticas empresariais

Pub

 

 

A Invest Braga e a Associação Europeia de Agências de Desenvolvimento (EURADA) reuniram hoje, 21 de fevereiro, no Altice Forum Braga, representantes de empresas municipais, empresas verdes inovadoras e investigadores e especialistas europeus num workshop subordinado ao tema “Empresas Verdes para regiões verdes e cidades verdes“.

A Invest Braga e a Associação Europeia de Agências de Desenvolvimento (EURADA) organizaram, esta sexta-feira, um workshop subordinado ao tema: “Empresas Verdes para regiões verdes e cidades verdes“, cujo objetivo passou pela apresentação e análise das regras de contratação pública europeias e portuguesas que promovam compras públicas ecológicas inovadoras; dos resultados mais recentes da investigação internacional sobre fornecimento verde; da análise das barreiras e soluções para as autoridades regionais promoverem a contratação pública ecológica e do debate sobre as barreiras e soluções para as PME concorrerem no âmbito da contratação pública ecológica.

Após a abertura, cujo início de sessão ficou a cargo de Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga e InvestBraga, perante uma plateia de mais 25 inscritos, logo no seu início o workshop deu a conhecer o Projeto XPress, com Riccardo Colletta, coordenador do projeto, Paola Zerilli, coordenadora científica do projeto e Giacomo Frisanco, parceiro Eurada.

Pedro Salomé, do Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia apresentou a forma como a Nanociência e a Nanotecnologia podem contribuir para as Energias Renováveis.

O workshop teve também uma componente de partilha de soluções ecológicas em curso neste momento por diversas empresas e entidades de Braga. Depois de Carlos Silva, Administrador Executivo da InvestBraga, ter dado o mote para a sessão “Apresente as suas Soluções Ecológicas“, com a apresentação da InvestBraga e as suas áreas de atividade, assim como as perspetivas reais para que as mesmas implementem sistemas e formas de sustentabilidade, seguiu-se a apresentação de Rui Carvalho, da empresa Cartonagem São Tiago, sobre o compromisso e as ações tomadas perante a conservação e proteção ambiental. Motivada pelas preocupações Ambientais, a CST implementou e certificou já em 2010, um Sistema de Gestão Ambiental de acordo com os requisitos do referencial normativo NP EN ISO 14001:2004. Paula Campos, administradora da AGERE demonstrou as boas práticas ambientais daquela empresa pública municipal, enquadrada na Estratégia Europeia e Nacional no que diz respeito à área das compras verdes, tendo terminado com a apresentação dos principais desafios na incorporação de critérios ambientais na contratação pública. A vertente das energias renováveis foi trazida a debate por Catarina Marques, da empresa AmpereEnergy do Grupo Casais. Igualmente importante foi a abordagem do Grupo Casais, onde Maria Ramalho teve a oportunidade de apresentar as boas práticas do grupo em matéria de sustentabilidade. Sandra Cerqueira, da TUB – Transportes Urbanos de Braga trouxe também a debate o tema das compras verdes e sustentáveis daquela empresa municipal. As evidências de algumas tendências verdes e sustentáveis, a mobilidade sustentável, assim como as barreiras e soluções para as autoridades públicas locais para promover o GPP. Sandro Louro apresentou, por sua vez, a prática de compras verdes do Município de Braga.

No final do workshop, realizou-se uma dinâmica de grupo, com orientação da Paola Zerilli, coordenadora científica do projeto XPress, e consequente apresentação dos resultados dos trabalhos de grupo e do próprio workshop. Este projeto estuda as Compras Públicas Verdes (GPP) – um sistema em que as organizações do setor público usam o seu poder de compra para escolher bens e serviços ambientalmente amigáveis – e investiga como esse tipo de compras pode criar novos mercados e fornecer apoio financeiro às inovações na área das energias renováveis.

Fonte e Imagens: IB

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Sociedade

Acerca do Autor

Comente este artigo

Only registered users can comment.