‘Todos os grandes partidos não querem mudar para um sistema uninominal ou misto, através de círculos uninominais acrescido de um outro nacional’

Afinal em quem votamos nas eleições legislativas aqui na província?

Afinal em quem votamos nas eleições legislativas aqui na província?

Pub

 

 

Para a Assembleia da República, não votamos em Cristas, Costas ou Catarinas, votamos sim nas pessoas das listas do nosso Círculo Eleitoral, votamos em pessoas.

Nunca pressenti qualquer razão para ter um dia de escrever este artigo até ter tido num destes dias uma conversa de café com três jovens universitários. Nessa conversa notei espantado a falta de informação que um dos jovens mostrou tendo em conta a sua formação. O mesmo, a dada altura, disse que a Joacine Katar Moreira, merecia, por diversas razões que apontou, o seu voto. – “Sem dúvida que voto NELA! Já viram a música do Fado Bicha”? Brutal!” afirmou. A rapariga ao seu lado, sorrindo, perguntou-lhe: “Mas onde é que tu votas? – “Em S. Victor, em Braga, claro.” Ao que disse logo o outro amigo, enquanto eu me fui mantendo em silêncio: ­- “Mas então não votas na Joacine, pá!? O teu voto não aquece nem arrefece a eleição dela, tens de ver quem é o cabeça de lista por Braga. É nesse que votas, nunca nela! Nela votam os de Lisboa, daaaaa!“

Não sei se o voluntarioso votante na Joacine fez cara de espanto ou de ignorância, ainda alegou algo em sua defesa, mas a conversa mudou.

Este jovem, ao contrário de muitos, vota enganado, influenciado pela publicidade, não faz a minha ideia do programa do partido da Joacine ou para quem vai parar o seu voto, vota na “música” somente! Contudo, esta “inocência” é menos grave daquela que pessoas aparentemente mais atentas fazem: votar no “MENOS MAU”, votar naquele que à partida não fará pior que o anterior. Este é o voto mais perigoso, o voto menos corajoso, o voto útil (ou inútil) e indiferente, aquele que perpetua a situação de marasmo, corrupção e não crescimento em que nos mergulham há mais de 20 anos; é o voto que faz jeito à atual partidocracia.

Mas também há o “voto preguiçoso”, ou seja, a abstenção. Entre o anterior “votar no menos mau” e este de não votar, o diabo que escolha, ambos dão muito jeito ao sistema.

É por isto que a atual lei eleitoral e a constituição que a suporta não é mudada. Aonde está o voto eletrónico, por exemplo? Por isto, e em conluio, todos os grandes partidos não querem largar mão. Não querem mudar para um sistema uninominal ou misto, através de círculos uninominais acrescido de um outro nacional de compensação como tão bem propõe o Partido Iniciativa Liberal com a sua proposta de criação de 150 círculos distribuídos por todo o território compensados com mais 80 deputados selecionados entre aqueles que “perderam” (os segundos lugares) nos 150 círculos, seguindo um critério de maior votação.

Este sistema poderia abrir a porta à entrada de novas forças políticas no parlamento e garantiria a vontade do eleitor e a representatividade efetiva; por outro lado os deputados olhariam com muito mais cuidado para assuntos regionais sem nunca perderem de vista os assuntos nacionais; e por último, os eleitores poderiam castigar diretamente aqueles candidatos que achem que não os representam. Atualmente, um candidato de um grande partido colocado no topo da lista num grande círculo tem eleição garantida, mesmo com um mau resultado do seu partido. Esse candidato não obtém o seu cargo pela escolha do eleitorado, mas sim pela escolha do líder partidário que o colocou naquele lugar da lista. Com este sistema, um mau, mas famoso candidato, poderia não ser eleito, mesmo que o seu partido tivesse um bom resultado eleitoral global. Isto também obrigaria a um cuidado adicional na escolha de todos os candidatos pelo que aumentaria sem dúvida a qualidade e evitaria a eleição de caciques e jotas apenas por paga de serviços que fizeram ao partido. Quando votar pense nisto.

eleições legislativas - voto - deputados - partidos políticos - método

Cargos de vereação: para quando um controlo mais democrático?

farmácia de gavião, vila nova de famalicão

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - 1ª página - finanças - europa - prr - joão leão - primeiro pagamento

Famalicão abre Parque Canino em Sinçães

Imagens: DR

VILA NOVA, o seu diário digital. Conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

VILA NOVA é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a VILA NOVA é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a VILA NOVA tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a VILA NOVA pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking, multibanco ou paypal.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Gratos pela sua colaboração.

Publicidade | VILA NOVA: deixe aqui a sua Marca

Pub

About Author

Francisco Pimentel Torres

Francisco J.R. Pimentel Torres, Engenheiro, nasceu no Porto em 1958 e vive desde criança em Braga onde estudou no Liceu Sá de Miranda e posteriormente se licenciou em Engenharia de Produção e Sistemas pela Universidade Minho. Frequentou também uma pós-Graduação em Ciências Multimédia na Universidade Católica do Porto. Começou a sua vida profissional como Systems-Engineer na Sopsi-Bull, passando depois para um agente IBM, onde coordenou equipas de desenvolvimento de software. Posteriormente estabeleceu e geriu a filial de Braga. Estabeleceu-se depois como Empresário e é hoje CEO de duas pequenas empresas e business-angel de uma startup tecnológica. Foi o Criador e Gestor da Rede Alumni “Pioneiros da Universidade do Minho”, e foi mais recentemente Presidente da Associação do Antigos Estudantes da Universidade do Minho (AAEUM); foi também Membro do Conselho Alumni da Reitoria da Universidade do Minho. Escritor amador, autor de dois romances históricos: “1385 o Golpe dos Bastardos” e “1494 Tordesilhas”) e também de um Estudo Genealógico. É Colunista de Opinião em alguns Jornais regionais. É Desportista Veterano de Motociclismo (Enduro e Motocross) e de Golfe e foi enquanto jovem atleta de Andebol do ABC, sendo depois responsável pelas equipas dos escalões infantis. É sócio de diversas associações e membro do Partido Iniciativa Liberal. Gosta de Hard Rock e Blues, especialmente Beth Hart, White Buffalo, Metallica etc.., e tem como principais interesses o “e-government” Autárquico e Regional, a História Medieval, a leitura e viajar de moto.

Write a Comment

Only registered users can comment.