José Ilídio Torres

Crónicas de Bem Viver | A felicidade que existe na infelicidade

Crónicas de Bem Viver | A felicidade que existe na infelicidade

Pub

 

 

Não há pachorra para gente que, experimentando a espaços a infelicidade, curva os ombros, baixa os olhos, e espera dos outros uma espécie de comiseração pela sua má sorte.

Ser infeliz é uma excelente oportunidade para deixar de o ser, com a vantagem de se evitarem os mesmos erros no futuro, sejam eles quais forem.

Claro que se alguém é do género “sofredor” ou “desgraçadinho”, ser infeliz é então um ideal de vida, e nunca experimentará, por opção própria, o oposto desse estado.

Ser infeliz, uma, dez, cem, mil vezes, deve ser encarado como uma felicidade.

É sinal, em primeiro lugar, que estamos vivos, uma vez que estar morto deve ser um enorme aborrecimento. Digo eu, que nunca morri, mas ouço histórias bastante reais de espíritos, que não tendo nada de original para fazer, aparecem aos vivos com a mania disto e daquilo, como se a moralidade fosse apanágio das almas penadas.

Ora eu vejo por aí muita alma “depenada” em vida que, devido a um estreitamento do intestino, desculpem, do cérebro, procura arregimentar os outros para a sua causa. A causa dos tipos ou tipas incapazes de gerar mudança.

Em segundo lugar, a infelicidade tem também um lado muito positivo, que é o facto de não durar para sempre – só dura enquanto quisermos.

Mudar de vida pode ser solução.

Deixar, por exemplo, de ser um(a) compulsivo(a) consumista e começar a ler uns livros, fazer desporto, e principalmente exercitar a mente. Só com uma boa ginástica mental é possível distinguir entre o que nos é imposto e aquilo que verdadeiramente precisamos – e é tão pouco.

Em terceiro lugar, qualquer coisa que agora não me ocorre, mas que não deve ser importante porque senão lembrava-me… (relativiza os teus problemas, pensa que quaisquer que sejam, são muito menores que o aquecimento global, que a extinção das espécies…)

Resumindo, ser infeliz faz muito bem a quem não tenha hipotecado definitivamente a sua vida à alienação que existe na incessante procura da felicidade.

A felicidade está na pedra quente de um dia ensolarado de inverno, no barulho da água do riacho após a chuva, no murmúrio das folhas no vento outonal, num sem número de coisas sem etiqueta de preço, e que nunca estarão em saldo, porque são gratuitas e só precisam de ser fruídas.

Se te sentes infeliz, respira fundo, mete mãos à obra, e começa por dizer a ti mesmo que és forte. Deixa depois que os outros o descubram, não porque encontraste a fórmula, mas porque anseias pelo próximo obstáculo, pela próxima dificuldade para te superares.

A vida é um desafio e tu nunca tiveste jeito para ser árbitro.

Tu és um jogador. Arrisca!

 

Imagem: Elisa Queiroz

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking ou multibanco.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Crónica, Destaque, Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

José Ilídio Torres

José Ilídio Torres nasceu em Barcelinhos em 1967. Estudou Direito e Arqueologia, mas acabou licenciado em ensino, variante de educação física, leccionando ao 1º e 2º ciclo do ensino básico. É formador em futebol há cerca de 20 anos. Trabalhou como jornalista na imprensa regional, em jornais como o Notícias de Barcelos e Primeiro de Janeiro, bem como na Rádio Cávado. É autor de 11 livros, em romance, conto, infanto-juvenil e poesia. Foi deputado municipal em Barcelos e candidato à Câmara Municipal pelo Bloco de Esquerda, tendo-se afastado recentemente da vida política activa.

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.