Rita Vidal

Poesia | Poemas colhidos das árvores – XVI: Sempre ouvi dizer

Poesia | Poemas colhidos das árvores – XVI: Sempre ouvi dizer

 

 

 

Sempre ouvi dizer,

Não sei bem de onde

Não sei bem de quem,

Que os pensamentos são como raízes:

Arrancam-se os que não servem.

 

E eu,

Que sempre gostei de árvores, flores e fungos

Nunca arranquei nenhum,

Como não arranquei nunca

As flores silvestres do meu jardim.

(Admiro a coragem para florescer onde não é suposto)

 

Cresci, e comigo

O meu jardim selvagem,

Porque os anos não me roubaram o amor

Às trepadeiras e aos dentes-de-leão

E aos sonhos.

Por isso não os arranco.

Nem dele

Nem de mim.

 

E dão-me sombra e luz

E mar, e lagos

E bosques e prados.

Dão-me cidades inteiras.

Cresci e não corto o meu jardim.

 

 

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos associados à sua manutenção e desenvolvimento na rede.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de transferência bancária.

MB Way: 919983404

Netbanking ou Multibanco:

NiB: 0065 0922 00017890002 91
IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91
BIC/SWIFT: BESZ PT PL

 

Pub

Categorias: Mais recentes

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.