Marcharemos pela Escola Pública

Marcharemos pela Escola Pública

Pub

 

 

Sou subscritora, com mais de duas dezenas de escritores, intelectuais, artistas, professores universitários e da escola secundária, dirigentes sindicais e sindicatos, editores, poetas, em suma, trabalhadores de vários quadrantes, deste apoio público à luta dos professores e à marcha que se vai realizar em Lisboa dia 14, Sábado, onde estarei presente porque acredito que não pode haver um país decente sem uma escola pública muito boa para todos.

Entre os nomes que assinam a carta estão António Pinho Vargas, António Carlos Cortez, António Garcia Pereira, Galopim de Carvalho, Baptista Lopes, Elísio Summavielle, Manuela Gonzaga, Maria Cantinho, Elisa Costa Pinto, Miguel Real e muitos outros.

Sou subscritora porque este apelo faz uma crítica – que nunca vi fazer – à degradação da escola pública, defendendo um ensino

integral para todos, a qualidade e a excelência para todos. E uma crítica às políticas educativas e salários do país. Em baixo o curto texto, onde me revejo. Saúdo também a assinatura de dirigentes sindicais e sindicatos do sector automóvel ou call centre, num raro e decente apoio de outros quadrantes à luta dos professores.

À marcha pública de Sábado juntaram-se, segundo escutei hoje nas notícias na Antena 1, sectores da cultura e da saúde. O link para assinar a petição está aberto a todos, no fim do texto. Até Sábado.

“Marcharemos pela escola pública no dia 14 de Janeiro de 2023, em Lisboa

Como trabalhadores, de vários quadrantes e formações distintas, consideramos que a escola pública deve ser de excelente qualidade e para todos.

A degradação a que temos assistido – pese embora, nós trabalhadores, seja de que área for, pagarmos cada vez mais impostos –, tem levado muitos daqueles que ainda podem a estratégias como o recurso a explicações privadas, auxiliarem os filhos no fim de um dia de trabalho intenso, colégios privados e ATLs e centros de estudo.

Crianças e jovens a quem deveria estar garantido um ensino excelente numa parte do dia, para poderem também brincar e socializar, são obrigadas a prolongar o dia de estudo. As cada vez mais deficientes condições de trabalho impostas aos professores contribuem não só para que os alunos fiquem 8 horas na escola, mas também para deficiências na aquisição de conhecimentos essenciais e para a degradação óbvia e geral de um serviço – a educação pública, gratuita e de qualidade – constitucionalmente garantido, que pagamos, mas a que perdemos acesso.

Muitos dos nossos filhos abandonam (mesmo que passem administrativamente) as aprendizagens científicas, filosóficas e artísticas, desistem de ser mais, de sonhar, de conquistar saberes que deveriam ser de acesso democrático a todos, trocando-os por cursos sem valor, de formação medíocre, ou por um ensino, dito profissional, que leva os nossos filhos para profissões mal qualificadas e mal pagas e os aparta do acesso ao saber humanizado.

Temos consciência de que não existe boa escola pública sem segurança e qualidade de trabalho dos professores e, por isso, dia 14 marchamos ao seu lado, ao lado dos professores e funcionários das escolas, pela segurança na contratação, escolha livre da escola e lugar onde pretendem trabalhar, acesso a uma carreira que lhes forneça sentido de percurso, justiça sem avaliações “falsas” que apenas pretendem cortar a progressão e que hoje são comuns a todos os trabalhadores, em sistemas de trabalho antidemocráticos, de gestão tóxica e autoritária, que a todos nós desmotiva e mesmo desgasta e adoece, como é frequente no caso dos professores.

É urgente que os nossos impostos sirvam para pagar salários dignos que lhes permitam uma vida com qualidade. Não toleramos assistir ao pagamento obsceno de gestores da res publica ao mesmo tempo que se paga vergonhosamente mal aos professores, uma profissão essencial.

Temos, finalmente, consciência, que os problemas da escola não se resolvem só na escola. Sem trabalho digno e seguro para os nossos filhos e netos, impedindo-os de ter acesso a uma vida independente, casa própria, vida conjugal e afectiva livre, qualidade na alimentação e no lazer, o resultado é a crescente dependência familiar ou a emigração e eles deixarem de ver sentido na escola.

Por isso lutamos ao lado dos professores, e marcharemos com eles no dia 14 de Janeiro em Lisboa (Marquês de Pombal), às 14h, por um país que invista na riqueza social, na democracia, na qualidade de vida, com salários decentes.

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - jornal diário digital generalista - solidariedade social - voluntariado - dar-as-mãos - reffod - famalicão - mário passos - chma - raquel varela - escola - escola pública - docência - docentes - professores - escolas privadas - retrocesso social - reformas - classe social - liberdade - amor - gays - lésbicas - direito à diferença - migrantes - migrações - cgtp-in - nações unidas - antónio guterres- famalicão - unicef - cidade amiga das crianças - infância

Abílio Bernardo Rezende, associação luso-santomense

Anabela Mendes, professora aposentada da ESBAL

Ana Benavente, socióloga

António Baptista Lopes, editor

António Carlos Cortez, professor, poeta, ensaísta

António Garcia Pereira, advogado e professor associado aposentado

António Luís Silva, jurista, advogado

António Pinho Vargas, compositor e professor aposentado da ESML

Cláudia Biscaya Fraga, professora aposentada

Eduardo Rêgo, professor aposentado matemática, FCUP

Elisa Costa Pinto, professora, escritora

Elísio Summavielle, gestor cultural

Fabiane Santana Previtali, professora titular da Universidade Federal de Uberlândia – UFU/Brasil

Filomena Oliveira, dramaturga, escritora

Francisco São Bento, dirigente do sindicato de motoristas de matérias perigosas, SIMMPER

Guadalupe Portelinha, professora, vice-presidente da Associação José Afonso

João Areosa, professor Instituo Politécnico de Setúbal

João Reis, dirigente sindical STASA, Membro CT VW Autoeuropa

José António Antunes, Médico

José Fanha, poeta

Manuela Gonzaga, escritora, jornalista

João Pascoal, bancário, Mudar Bancários

Maria Jorgete Teixeira, professora aposentada

Maria Cantinho, professora, filósofa

Miguel Real, ensaísta, escritor

Pamela Peres Cabreira, professora, historiadora

Raquel Varela, historiadora, professora FCSH/UNL

Roberto della Santa, professor convidado Uni Aveiro, investigador

Rita Garcia Pereira, advogada e docente universitária

Victor Pinto, linguista, Porto

Pedro Vicente, arquitecto

José Santana Henriques, activista sindical CGTP

José Luís Teixeira, ativista laboral e social, eleito à Comissão de Trabalhadores da SPdH S.A, Groundforce Portugal, Solidários

Álvaro Sampaio, conservador reformado, activista associativo

Américo Duarte, operário, deputado constituinte

Jaime Pereira, reformado, activista pelos direitos digitais e do software livre

Adriano Zilhão, economista, Solidários

Mário Tomé, coronel e capitão da revolução de Abril

José Casimiro, activista sindical e laboral, Solidários

Isabel Roque – Investigadora CES-UC e activista social

Isabel Louçã, professora aposentada

Gil Garcia, professor, dirigente do MAS

Fernando Bessa, professor

Carlos Marques, activista social, Solidários

João Mota, funcionário aposentado da saúde

Nuno Geraldes, dirigente sindical do STCC

Sindicato dos Trabalhadores do Sector Automóvel (STASA)

Sindicato dos Trabalhadores dos Call Centers (STCC)

http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT114919https://ionline.sapo.pt/…/carta-aberta-pela-escola-p…

https://ionline.sapo.pt/%E2%80%A6/carta-aberta-pela-escola-p&#8230

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - jornal diário digital generalista - solidariedade social - voluntariado - dar-as-mãos - reffod - famalicão - mário passos - chma - raquel varela - escola - escola pública - docência - docentes - professores - escolas privadas - retrocesso social - reformas - classe social - liberdade - amor - gays - lésbicas - direito à diferença - migrantes - migrações - cgtp-in - nações unidas - antónio guterres- famalicão - unicef - cidade amiga das crianças - infância

Pub

Categorias: Mais recentes

Acerca do Autor

Raquel Varela

Raquel Varela é Historiadora, Investigadora e professora universitária da FCSH da Universidade Nova de Lisboa / IHC / Socialdata Nova4Globe, Fellow do International Institute for Social History (Amsterdam) e membro do Observatório para as Condições de Vida e Trabalho. Foi Professora-visitante internacional da Universidade Federal Fluminense. É coordenadora do projeto internacional de história global do trabalho In The Same Boat? Shipbuilding industry, a global labour history no ISSH Amsterdam / Holanda. Autora e coordenadora de mais de 2 dezenas de livros sobre história do trabalho, do movimento operário, história global. Publicou como autora mais de 5 dezenas de artigos em revistas com arbitragem científica, na área da sociologia, história, serviço social e ciência política. Foi responsável científica das comemorações oficiais dos 40 anos do 25 de Abril (2014). Em 2013 recebeu o Santander Prize for Internationalization of Scientific Production. É editora convidada da Editora de História do Movimento Operário Pluto Press/London e comentadora residente do programa semanal de debate público O Último Apaga a Luz na RTP. Entre outros, autora do livro Breve História da Europa (Bertrand, 2018).

Comente este artigo

Only registered users can comment.