Esposende reivindica também intervenção global nas vias nacionais do concelho de forma a garantir as adequadas condições de segurança

Mobilidade | Infraestruturas de Portugal anuncia para 2021 intervenção na Ponte D. Luís Filipe

Mobilidade | Infraestruturas de Portugal anuncia para 2021 intervenção na Ponte D. Luís Filipe

 

 

A Infraestruturas de Portugal acaba de pôr em curso o projeto de reabilitação geral da ponte D. Luís Filipe, entre Gandra e Fão, prevendo-se a sua conclusão em 2021, . Tratando-se de uma obra classificada como imóvel de interesse público, o projeto terá de ser remetido à Direção-Geral do Património Cultural para o competente parecer.

O Município de Esposende tem vindo a solicitar, inicialmente junto da Estradas de Portugal e, posteriormente, à Infraestruturas de Portugal, para que a Estrada Nacional 13 seja alvo de uma intervenção de fundo, eliminando locais de perigosidade comprovada e renovando o piso de circulação e as bermas. Nessas solicitações insere-se a vistoria e manutenção da ponte D. Luís Filipe.

A intervenção na Estrada Nacional 13 estava integrada no Plano de Proximidade/Médio Prazo 2015-2019, da EP – Estradas de Portugal, que tinha previsão de arranque em finais de 2015 e, inclusivamente, chegou a publicitar um orçamento um milhão, oitenta e quatro mil, quinhentos e trinta e nove euros (1 084 539 €).

Recentemente, foram efetuadas intervenções pontuais, quer no piso da EN 13, quer na ponte D. Luís Filipe, mas a intervenção estruturante nesta travessia está agendada para o próximo ano, segundo informação transmitida ao Município de Esposende, pela Infraestruturas de Portugal.

“O concurso da empreitada de reabilitação geral está previsto que seja lançado em 2021, sendo que, face ao custo e prazo de execução (270 dias), o lançamento ficará condicionado a autorização de portaria de extensão de encargos plurianuais”, garante a Infraestruturas de Portugal que assume que esta ponte está “sob monitorização regular pela IP, com vistorias anuais, não se prevendo a necessidade de tomada de medidas adicionais, sendo a intervenção programada basicamente de cariz estético e não estrutural”.

A Infraestruturas de Portugal acrescenta que os passadiços pedonais da ponte têm sido alvo de “intervenções corretivas pontuais, a última das quais realizada em maio de 2020, de forma a garantir segurança total da circulação de peões, designadamente a melhoria das fixações dos módulos de chapa metálica que constituem o pavimento dos passeios”, mas a entidade responsável pela manutenção lembra que a intervenção visou “unicamente uma melhoria funcional”, garantindo que a patologia que afeta a estrutura “não interfere com a segurança estrutural da obra de arte”.

Desde a introdução de portagens na A28 que a EN 13 regista um aumento significativo da circulação automóvel, traduzindo-se no aumento da sinistralidade rodoviária.

Nas diversas comunicações endereçadas às entidades responsáveis, o Município de Esposende vem reivindicando uma intervenção global que garanta as adequadas condições de segurança, especificamente a colocação de passeios e passadeiras, o reforço da iluminação nas referidas passadeiras, a colocação de semáforos em determinados locais, nomeadamente nos cruzamentos de Antas, da Igreja de Belinho, da Igreja de Mar e em Esposende, no cruzamento da Avenida de Góios. Através de protocolo serão colocados semáforos na EN 103-1, em Palmeira de Faro Desde o início das reivindicações foi construída uma rotunda no cruzamento do Mini Preço, decorrendo diligências para idêntica construção no cruzamento da Cruz Vermelha, ambas na União das Freguesias de Esposende, Marinhas e Gandra.

Fonte e Imagem: Município de Esposende

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Categories: Sociedade

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.