Também como resposta à crise, empresa decide apostar na economia circular

ITV | H & M perde metade do volume de negócios com a pandemia

ITV | H & M perde metade do volume de negócios com a pandemia

Pub

 

 

No segundo trimestre de 2020, a retalhista sueca H & M, um dos grandes players internacionais do mundo da moda, registou uma queda de 50% nas vendas em comparação com igual período do ano passado. Apesar de tudo, o resultado é melhor do que o antecipado pelos analistas, que preveem uma recuperação gradual, numa altura em que a sustentabilidade ambiental volta a estar em foco.

As vendas nos meses de março, abril e maio desceram para 2,73 mil milhões de euros, aproximadamente, refere a publicação especializada em Indústria Têxtil e do Vestuário Portugal Têxtil.

A H&M encerrou cerca de 80% dos pontos de venda durante o confinamento e começou a abrir gradualmente as lojas no final de abril. “As reaberturas em cada mercado estão em linha com as restrições locais”, refere a empresa possuidora de mais de 5.000 estabelecimentos retalhistas.

Recuperação com sustentabilidade

A retalhista, que opera sob as marcas H&M, Weekday, COS, Arket, Monki, Afound e & Other Stories, pretende fazer parte de um movimento que tenta responder aos desafios mundiais das mudanças climáticas, resíduos e poluição, durante a recuperação da pandemia.

Para a moda, em particular, o plano é assegurar que as roupas são mais usadas, pensadas para serem reutilizadas e produzidas com materiais renováveis e seguros, reforça a PT, citando declarações de Cecilia Brännsten, diretora de sustentabilidade ambiental da retalhista sueca à just-style.com, publicação britânica da área de ITV. “A crise colocou um dedo na vulnerabilidade do atual sistema e enfatiza a importância de uma mudança sistemática”.

“A economia circular será uma das ferramentas mais importantes para fazer isto, tanto para responder à crise climática como para assegurar que criamos uma indústria onde os recursos são tratados de forma responsável e em que não geramos desperdício”.

Fonte: PT; Imagens: H & M

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

 

 

Pub

Categorias: Economia

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.