Quebrar barreiras abrindo acesso a lugares de espanto e reflexão

Identidade | CIAGJ assinala Dia Internacional dos Museus com lançamento de três vídeos nas redes sociais

Identidade | CIAGJ assinala Dia Internacional dos Museus com lançamento de três vídeos nas redes sociais

Pub

 

 

A 18 de maio, em coincidência instigante com o Dia Internacional dos Museus, o Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG), em Guimarães, lança uma mini-série constituída por três vídeos que espelham uma tríade à volta deste museu. Afirma-se, assim, o CIAGJ enquanto lugar de coleção (que alberga, acolhe, protege e dá a conhecer coleções), enquanto lugar curatorial (de conceção, organização e visão de exposições) e enquanto projeto de mediação, num processo de aproximação que quebra barreiras entre todos e, especialmente, entre o público muito jovem.

Os vídeos têm lançamento programado para as 11h00, 18h00 e 21h00 deste dia através das redes sociais facebook e instagram, como que abrindo uma janela com vista para este lugar de espanto e reflexão, ao mesmo tempo que se aguarda pela desejada reabertura das portas, em segurança.

Neste Dia Internacional dos Museus, 18 de maio, é lançado pelas 11h00 um primeiro vídeo em torno da exposição permanente do CIAJG que dá a conhecer as grandes coleções que José de Guimarães vem reunindo há mais de cinco décadas – Arte Africana, Arte Pré-Colombiana (México, Peru, Guatemala, e Costa Rica) e Arte Antiga Chinesa – e obras do próprio artista. No vídeo lançado às 18h00, as atenções recaem sobre a atmosfera da mostra temporária que dá nome ao presente ciclo expositivo, ‘Caos e Ritmo #1’, uma exposição-estrutura que reúne um grande número de artistas com diferentes linguagens estéticas e serve de lugar para a fundação de discursos, reflexões e práticas transversais às disciplinas, às geografias e às culturas. ‘Caos e Ritmo #1‘ reúne obras de Hugo Canoilas, Mariana Caló e Francisco Queimadela, Augusto Mesquitela Lima por André Príncipe, Susana Chiocca, SKREI, objetos da coleção de Arte Popular de Agostinho Santos, Franklin Vilas Boas, entre outros artistas, desenhando um círculo que enuncia um regresso a ‘Para Além da História’, exposição que fundou o Centro Internacional das Artes José de Guimarães em 2012.

Sendo este um equipamento e um projeto cultural que junta e expõe um vasto conjunto de peças e programa uma diversidade de propostas, é ao mesmo tempo um espaço marcado (e vivido) por um intenso envolvimento do serviço de Educação e Mediação Cultural d’A Oficina. Embalado por esta realidade, mais ao cair do dia, pelas 21h00, é tempo de lançar um olhar às ‘Lições Iluminadas‘, um projeto educativo e artístico desenvolvido para o CIAJG num processo criativo contínuo com crianças do 3º ano do 1º ciclo do ensino básico, dos 14 agrupamentos escolares do concelho de Guimarães. Este projeto procura unir e colocar em diálogo o lugar da Escola com o lugar do Museu, gerando neste intercâmbio novos espaços de pensamento e aprendizagem.

Neste dia 18 de maio, comemora-se em todo o mundo o Dia Internacional dos Museus. Em 2020, com o tema “Museus para a Igualdade: Diversidade e Inclusão“, este dia tem como objetivo tornar-se um ponto de encontro para celebrar a diversidade de perspetivas que compõem as comunidades e as pessoas dos museus, além de promover ferramentas para identificar e superar preconceitos através do que expõem e das histórias que contam. Todos os anos, desde 1977, o Conselho Internacional de Museus (ICOM) organiza o Dia Internacional dos Museus com o objetivo de chamar a atenção sobre o facto de que “os museus são um importante meio de intercâmbio cultural, enriquecimento de culturas e desenvolvimento de entendimento mútuo, cooperação e paz entre os povos”.

Fonte e Imagem: CIAGJ

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Pub

Categorias: Agenda, Cultura

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.