António Fernandes

Pandemia | ComVida encapelada na crista das ondas

Pandemia | ComVida encapelada na crista das ondas

Pub

 

 

Narra a História, mesmo na abordagem aos diversos níveis e eras da Pré-História, os recuos que determinaram sempre os avanços das civilizações no que toca à sua organização e melhoria da sua qualidade de vida de forma a superarem com eficácia todas as dificuldades encontradas e, sucessivamente vencidas.

Os surtos pandémicos varrem todos os estádios da Humanidade em diversos patamares da vida em sociedade infringindo danos irreparáveis desde o início das civilizações, mas que lhe permitem acumular saber sobre a melhor forma de os combater, a saber:

  • Paz;
  • Pão;
  • Saúde;
  • Educação;
  • Formação académica;
  • Emprego;
  • Ambiente;
  • Evolução da organização social;
  • Futuro das Civilizações;

O coronavírus Covid-19, para além da devastação que já fez, está a fazer e do estado de alerta em que colocou a Humanidade, veio por a nu um vasto leque de confissões matriciais de suporte intelectual com a mestria de que só os surtos pandémicos são capazes. Tanto na ação como na interação, mas também na rejeição das diversas variáveis inerentes aos factos.

Desde logo a origem de uma “onda solidária” com contornos estranhos relegando para segundo plano, já habitual, as causas; os motivos; os efeitos; assim como a verdadeira solidariedade que se refugia na ação comedida e nos acompanha no dia a dia. Aquela solidariedade se que dá sem nada receber em troca: que não se vende nem se compra. Solidariedade de uns para com os outros, simplesmente.

Uma “outra onda” é a da inteligência racional que surge por atacado nos tecelões de opinião geral seletiva, conhecedores de todos os domínios: das linhas, números e outros apetrechos com que se confecionam os gráficos em que o ‘Dr. Google’, previamente informado por canais diversos é o mentor preferido para a pesquisa a bases de dados formatadas por interesses diversos, dando azo a ocasião singular de tiradas ensaiadas para que surtam o efeito pretendido no espaço temporal pelos seus mentores.

O espaço temporal atual, depois de um confinamento coletivo em estado de emergência, aliviou as medidas para o estado de calamidade pública, com as devidas alterações comportamentais coletivas na relação interpessoal. Os mutáveis “sabichões” aparecem com notoriedade projetada pelos média e opinam, sobre tudo e sobre nada, em tudo o que veicule comunicação interativa, capazes das tiradas mais rocambolescas imagináveis e que só uma pandemia consegue pôr a nu.

Há outras situações similares à medida da interpretação que se tem de um efeito pandémico: um efeito de contaminação em grande escala, de emissão-receção e retransmissão que não se circunscreve ao efeito viral na saúde das pessoas em todo mundo, mas também pela aceitação generalizada de um dito ou efeito, entre outros, e a sua retransmissão, também ela generalizada, com as consequência pretendidas pelo emissor, de todo imprevisíveis no recetor final.

Há também uma “onda articulada” por sequente e não consequente, alavancada  pelas bem preparadas máquinas financeiras nacionais, com ramificação tentacular internacional, especializadas em esvaziar os Estados de todos os seus recursos naturais e de serviços sem olhar a meios para atingir fins óbvios: uma moeda que tem na face o aumento do pecúlio a arrecadar e o exercício franqueado dos diversos poderes e, na contra face, o aumento dos índices de pobreza da Nação com o medo associado a servir de garantia de contenção da revolta popular, por liberdade e democracia conducentes a um Estado Social: liberdade; fraternidade; igualdade.

Notoriamente, em “todas estas ondas”, sobressai o seguinte:

a “onda” da solidariedade é tanta quanto a destreza subtil na sua implementação confunde o cidadão comum;

em outras “ondas”, raia a difamação e o perjúrio;

e, na sua “maior vaga”, empurra o mundo dos Homens para o abismo através do caos que geram.

Os cenários explanados, tecidos do lado de fora da “caixa institucional” sem qualquer base sólida de sustentação que não seja a da constatação de evidências são, em teoria, a especulação racional de milhões de cidadãos. À solta, risível sem motivo de riso que não seja o caricato, em alguns Continentes há líderes políticos com responsabilidade no equilíbrio geoestratégico, geoeconómico e outros com consequências hipotéticas na geografia miliar no mundo, de quem é suposto o exemplo, que desvalorizam publicamente o essencial: a vida. Fazem-no para enaltecerem o acessório: a economia. Vida e economia, variáveis que se complementam por serem interdependentes. Com diferenças tipificadas: a vida é uma condição natural; a economia é a articulação dos elos da transação de bens entre pessoas.

As restantes formas de vida existentes não têm articulação económica entre si e são as vítimas finais dos modelos económicos implementados pelos Homens.

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Pub

Categorias: Crónica, Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

António Fernandes

António da Silva Fernandes nasceu em 1954, em S. José de S. Lázaro e reside atualmente em S. Mamede de Este, em Braga. É chefe de serviços da Alcatel. Como dirigente associativo, esteve e/ou está envolvido com: ACARE; GETA; Academia Salgado Zenha; Academia Sénior Dr. Egas; Associação de Pais da Escola Dr. Francisco Sanches; APD - Associação Portuguesa de Deficientes; Associação de Solidariedade Social de Este S. Mamede. Ao longo da sua vida, desenvolveu atividade política no MDP/CDE; JCP; PCP; LIESM-Lista Independente de Este S. Mamede; Comissão Política do Partido Socialista - Secção de Braga; Clube Político do Partido Socialista - Secção de Braga. Na política autárquica, desempenhou funções na Assembleia de Freguesia e no Executivo da Junta de Freguesia de Este S. Mamede. Desenvolve atividade na escrita: Poesia em antologias nacionais e plataformas digitais; Artigos de Opinião em Órgãos de Comunicação Social local e nacional, em suporte de papel e digital quer em blogues quer em Órgãos da Comunicação Social escrita. Colaborador na Rádio: R.T.M. (Solidariedade); Antena Minho (Cumplicidades).

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.