Reconhecimento generalizado do extraordinário papel de proximidade aos cidadãos dos órgãos de poder local

Coronavírus | Aprovado aumento extraordinário do endividamento de autarquias para apoio social e combate à Covid-19

Coronavírus | Aprovado aumento extraordinário do endividamento de autarquias para apoio social e combate à Covid-19

Pub

 

 

A Assembleia da República aprovou, esta quinta-feira, um regime excecional que permite às autarquias e entidades intermunicipais aumentarem as despesas com apoio social e no combate à Covid-19. A medida, ou conjunto de medidas, vinha a ser reclamado por diversos partidos, nomeadamente o Bloco de Esquerda e o CDS-PP como uma forma de conter danos sociais. Alexandra Leitão, ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, pelo lado do Governo, adianta no Público que esta é apenas “a primeira medida” que está a ser preparada no sentido de as apoiar.

Este regime excecional vigora apenas quando estejam em causa despesas destinadas à promoção de apoios sociais aos munícipes afetados pelo surto da Covid-19, no âmbito dos respetivos regulamentos municipais de atribuição de apoios sociais, à aquisição de bens e serviços relativos à proteção da saúde pública, bem como a outras medidas de combate aos efeitos da pandemia da Covid-19, desde que devidamente fundamentados.

Bloco destaca trabalho positivo das autarquias

Pedro Filipe Soares, do Bloco de Esquerda, destacou no debate o trabalho que as autarquias têm feito no combate à Covid-19. “As autarquias, num momento como este, estão na linha da frente da resposta à pandemia. (…) Exceto alguns casos pontuais que não correram tão bem, na generalidade, quer os autarcas, quer as autarquias, responderam bem a este surto epidémico e estão a capacitar as populações para responder a estas dificuldades”.

Estas despesas incluem, por exemplo, a criação ou reforço de fundos sociais de emergência, a isenção ou aplicação de descontos nas tarifas de água e saneamento, ou a redefinição de prazos de pagamento das rendas mensais de habitação social.

Sobre estas despesas, o Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda apresentou mais cinco possibilidades, que acabaram por ser aprovadas, permitindo às autarquias responder com mais eficácia à crise:

  1. Criação de redes solidárias para apoio à população em situações práticas como a realização de compras, entrega de refeições, recolha e entrega de medicamentos ou passeio de animais domésticos;
  2. Reforço da higienização dos transportes coletivos e garantia de estacionamento gratuito os seus utilizadores;
  3. Criação de Linhas locais para apoio psicológico;
  4. Proporcionar condições para a efetivação do ensino à distância para todos os alunos, sem restrições materiais ou de cobertura de rede; e
  5. Apoio social aos grupos mais vulneráveis ou que ficaram sem nenhum rendimento.

CDS considera que setor social deve ser mais apoiado

“As autarquias locais estão a dar uma demonstração claríssima da importância da proximidade com os cidadãos”, salientou o deputado centrista João Almeida, referiu o Público. Mas, para os centristas, a proposta de lei falha na omissão dos apoios ao sector social que “está a ser o principal parceiro das autarquias nesta resposta ao nível do terreno”.

“Em tempos de Estado de Emergência como os que vivemos, estas instituições [do setor social e solidário], não só são um parceiro imprescindível, como também estão numa situação se especial vulnerabilidade devido aos serviços que prestam, nomeadamente no apoio a idosos, particularmente quando se traduz na institucionalização”, considera o grupo parlamentar do CDS-PP, num projeto de resolução entregue no Parlamento”, reclamando mais apoios para o setor.

 

Fontes: CDS-PP, Esquerda, Público; Imagem: Município de Braga

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Pub

Categorias: Política

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.