15/4 a 12/5 Casa dos Crivos, Braga

Fotografia | Casa dos Crivos mostra a Páscoa sob o olhar de Artur Pastor

Fotografia | Casa dos Crivos mostra a Páscoa sob o olhar de Artur Pastor

Pub

 

 

A 15 de Abril, pelas 17h00, na Casa dos Crivos, em Braga, inaugura a exposição “Páscoa de Artur Pastor”. A mostra foi organizada e é promovida pelo Município de Braga. A iniciativa contará com a presença de Lídia Dias, Vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Braga.

 

 

A mostra fotográfica de Artur Pastor, que conta com o apoio do Arquivo Municipal de Lisboa, é constituída por 33 fotografias provenientes do Núcleo Fotográfico do Arquivo Municipal de Lisboa. Mais uma vez, o espólio de Artur Pastor (1922-1999) é apresentado publicamente em Braga, cidade à qual devotou um particular interesse.

‘Páscoa’ de Artur Pastor

A exposição fotográfica Páscoa de Artir Pastor resulta de uma selecção de obras contemporâneas, pictóricas e escultóricas, de carácter artístico, abstracto e figurativo, de evidente beleza e de uma singular expressividade e sensibilidade. Os instantes captados pela sua “rolleiflex” legaram-nos uma Braga desconhecida para muitos de nós, particularmente no contexto histórico e social das décadas de 1950 a 1970.

Nessa transposição para o passado, viajar-se-á pelas tradições pascais na cidade de Braga e seu entorno, onde se destacam as procissões, mas particularmente o compasso pascal. Partindo desta mostra fotográfica poderemos entender melhor a história e evolução das solenidades bracarenses da Semana Santa.

Esta mostra resulta de uma selecção de obras contemporâneas, pictóricas e escultóricas, de carácter artístico, abstracto e figurativo, de evidente beleza e de uma singular expressividade e sensibilidade, capaz de fundir-nos num silêncio cheio de vida.

No âmbito desta exposição estão agendadas visitas orientadas nos dias 23 e 30 de Abril e 7 e 14 de Maio, às 10h00.

A exposição estará patente ao público até ao dia 12 de Maio. A entrada é livre.

Quem foi Artur Pastor?

Artur Pastor descobriu o gosto pela fotografia, que o fascinaria até ao fim da sua vida, em 1942, quando fez o trabalho final para a sua tese de final de curso. O primeiro trabalho de fotografia que faz foi para ilustrar a sua tese final.

Em Évora, onde viveu por esse tempo, envolveu-se em inúmeros projetos e começou a apresentar os trabalhos fotográficos em publicações ilustradas, postais, selos e cartazes. No início dos anos 50 muda-se para Montalegre. Em 1953 muda-se definitivamente para Lisboa, onde integra o Foto Clube 6×6.

Trabalhando como Engenheiro Técnico Agrário, ao longo dos anos foi responsável pela obtenção e organização das mais de 10 000 fotos que compõem a Fototeca da Direcção Geral dos Serviços Agrícolas. Colaborou, em simultâneo, com outros organismos relacionados com a agricultura, como as Juntas Nacionais do Azeite, do Vinho, das Frutas e a Federação Nacional dos Produtores de Trigo, entre outros.

Durante esse tempo, registou milhares de fotografias por solicitação dos mais diversos organismos oficiais mas também de grandes empresas, sobretudo no campo da agricultura e turismo. Tendo em conta o largo espólio e o seu interesse pela arte, participou, com centenas de fotografias, em exposições oficiais e feiras, no país e no estrangeiro e em Salões Nacionais e Internacionais de Fotografia. Nos Salões Nacionais, obteve, em diversas ocasiões, os primeiros prémios.

Recorde-se que, em 2016, o Município de Braga promoveu já uma outra iniciativa de divulgação deste histórico fotógrafo português. Esta foi a primeira vez que o espólio de Artur Pastor (1922-1999) foi apresentado publicamente em Braga, cidade à qual devotou um particular interesse.

Na altura, a mostra foi dividida em dois polos. No Museu da Imagem foi possível ver ‘Os Lugares da Memória’, enquanto na Casa dos Crivos esteve patente ‘A Alma e as Gentes’.

 

Imagens: (0) Artur Pastor, (1) Artur Pastor, por Artur Pastor, Filho

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos associados à sua manutenção e desenvolvimento na rede. Só o conseguiremos fazer com capacidade financeira.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo.

MBWay: 919983484

Multibanco ou Netbanking:

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

 

Pub

Categorias: Agenda, Arte, Cultura

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.