António Fernandes

Estratégias | A tática da direita em Portugal

Estratégias | A tática da direita em Portugal

Pub

 

 

 

A direita política, em Portugal, ainda não se conseguiu livrar do estigma transitado do “Estado Novo” de António de Oliveira Salazar e, posteriormente, Marcelo Caetano a que a Revolução de Abril colocou termo.

A Assembleia Nacional foi a escola de alguns proeminentes dirigentes que ainda se mantêm ativos nos círculos do poder efetivo com ascendente ideológico e da organização social do Estado, com incidência sobre as novas gerações que não viveram período da História conturbado, conseguindo “branquear” essa vivência em que a tirania era imposta e socialmente aceite por uns, contestada por outros, e combatida pelos seus opositores políticos de então, na clandestinidade ou no exílio.

Neste contexto, a aspiração da direita em Portugal está circunscrita a táticas pontuais utilizadas para conseguir um determinado fim sem uma estratégia definida e suficientemente clara para a conquista desse fim. O que lhe dificulta o caminho, o rumo e o norte!

Assunção Cristas percebeu que o seu CDS-PP, com o aparecimento de um novo partido político, o ALIANÇA –“um partido personalista, europeísta, liberalista e solidário” –, liderado por Santana Lopes, corre um sério risco de perder a sua base social de apoio que é o seu eleitorado tradicional, mas, e também, o seu espaço de raiz ideológica da democracia cristã, um espaço do eleitorado agregador de toda a direita convencional onde os valores que regem o indivíduo são comuns e se centram na coesão económica e articulação da circulação do capital financeiro em domínio privado em detrimento do coletivo organizado, o Estado.

Assim sendo, tomou a dianteira política da afronta Parlamentar para marcar posição, ao apresentar uma moção de censura ao Governo e assim fixar o eleitorado do centro direita no seu espaço político, de forma a que este não se deixe “convencer” pelas derivas populistas de Rui Rio secundadas por Santana Lopes na campanha eleitoral para as Eleições Legislativas que se avizinham.

Trata-se de uma tática política de sobrevivência no arco do poder:

  • Político;
  • Económico;
  • Social.

A direita apresenta soluções gastas, já caducas, e desajustadas aos novos tempos em que as mudanças de paradigmas são incontornáveis e a maior e mais equitativa distribuição da riqueza produzida é um facto a que urge fazer face por motivos óbvios:

  • O aumento demográfico desmesurado;
  • O ordenamento administrativo regional e nacional dos povos;
  • O novo ordenamento geoestratégico continental e intercontinental;
  • O domínio do conhecimento;
  • A inovação tecnológica;
  • A precariedade laboral;
  • A globalização;
  • Outros.

A esta nova realidade sociopolítica a direita, em Portugal, procura responder em consonância com a direita política internacional que já deu prova de ser eficaz nesta vertente do panorama político partidário e em sintonia com fenómenos sociológicos correntes.

A moção de censura acima referida só tem razão de ser se a considerarmos neste contexto e, em Portugal, até pode resultar uma vez que o PPD/PSD não tem eleitorado ideológico e o ALIANÇA ainda não se mostrou verdadeiramente.

Desta forma o espaço ideológico da direita e do centro a que acrescem os radicais populistas pode convergir no CDS/PP e assim capitalizar os votos de todos os indecisos mais os descontentes do centro-direita.

 

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos associados à sua manutenção e desenvolvimento na rede.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de transferência bancária.

MB Way: 919983404

Netbanking ou Multibanco:

NiB: 0065 0922 00017890002 91
IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91
BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Crónica, Política

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

António Fernandes

António da Silva Fernandes nasceu em 1954, em S. José de S. Lázaro e reside atualmente em S. Mamede de Este, em Braga. É chefe de serviços da Alcatel. Como dirigente associativo, esteve e/ou está envolvido com: ACARE; GETA; Academia Salgado Zenha; Academia Sénior Dr. Egas; Associação de Pais da Escola Dr. Francisco Sanches; APD - Associação Portuguesa de Deficientes; Associação de Solidariedade Social de Este S. Mamede. Ao longo da sua vida, desenvolveu atividade política no MDP/CDE; JCP; PCP; LIESM-Lista Independente de Este S. Mamede; Comissão Política do Partido Socialista - Secção de Braga; Clube Político do Partido Socialista - Secção de Braga. Na política autárquica, desempenhou funções na Assembleia de Freguesia e no Executivo da Junta de Freguesia de Este S. Mamede. Desenvolve atividade na escrita: Poesia em antologias nacionais e plataformas digitais; Artigos de Opinião em Órgãos de Comunicação Social local e nacional, em suporte de papel e digital quer em blogues quer em Órgãos da Comunicação Social escrita. Colaborador na Rádio: R.T.M. (Solidariedade); Antena Minho (Cumplicidades).

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.