Braga

ITV | Latino veste 20.000 agentes da PSP

ITV | Latino veste 20.000 agentes da PSP

 

 

 

Depois de ter produzido fatos de bombeiros interativos, a Latino vai agora equipar a PSP dos pés à cabeça durante os próximos cinco anos, nos termos de um acordo inovador assinado entre o Ministério da Administração Interna e a empresa de Adaúfe, em Braga, especializada em vestuário de trabalho, segurança e proteção, refere o Jornal T, órgão de comunicação da ATP – Associação Têxtil e de Vestuário de Portugal.

 

 

Sempre com o objetivo de aportar mais valor às soluções encontradas, mas também rentabilizar os investimentos realizados, a empresa especializada na produção de equipamentos de proteção e vestuário de trabalho tem vários projetos em curso no 2C2T – Centro de Ciência e Tecnologia Têxtil da Universidade do Minho.

Deste o início deste mês de janeiro, a Latino está a gerir uma plataforma de e-commerce, com acesso reservado em exclusivo aos 20 mil agentes da PSP. Nesta plataforma, os agentes podem aí encontrar e adquirir online todas as peças de fardamento de que necessitem.

“Trata-se de um desafio enorme em termos logísticos”, referiu Clementina Freitas, a CEO e fundadora do Latino Group à referida publicação. A empresa já fornecia os bombeiros franceses e os carabinieri italianos –  e tinha experiência de vendas personalizadas, mas não online, para os trabalhadores da EMEL, a quem enviam um kit com o equipamento nas medidas exatas para cada pessoa.

Com uma equipa de duas pessoas dedicada a tempo inteiro à plataforma, a Latino prepara ainda uma ampliação de instalações, que a dotará de um armazém semi-automático e facilitará a logística da nova operação.

Na sequência deste investimento, orçado em um milhão de euros e que também contempla um alargamento da secção de corte, a área coberta da fábrica de Braga da Latino quase duplicará, pois aos atuais três mil metros quadrados serão acrescentados mais 2 700 m2.

Fundada em 1986, a Latino Group é uma empresa têxtil bracarense, originalmente especializada na produção de uniformes e equipamentos tácticos para as forças militarizadas. No entanto, com a aquisição de conhecimentos técnicos avançados sobre a produção têxtil, a empresa depressa avançou para outras áreas como o vestuário técnico-profissional.

A Latino Group mantém com a Fibrenamics, da Universidade do Minho, uma profícua relação profícua que ainda hoje mantém com o Centro de Ciência e Tecnologia Têxtil (2C2T) da Universidade do Minho.

Assim,  a Latino Group pretende resolver os problemas dos seus clientes com soluções inovadoras de equipamento de proteção individual e uniformes personalizados, bem como continuar a quebrar barreiras no desenvolvimento de novos produtos que protejam os seus utilizadores, através do seu departamento de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico.

Com 50 trabalhadores, a Latino fechou 2018 com um volume de negócios de 3,6 milhões de euros que este ano, a exemplo do que vai acontecer com as instalações, quase duplicará para 6,4 milhões de euros.

 

Fonte: Jornal T

 

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver. 

Vila Nova é generalista, independente, plural e gratuita para os leitores e sempre será. 

No entanto, a Vila Nova tem custos associados à manutenção e desenvolvimento na rede. Só um jornalismo forte pode garantir qualidade no serviço oferecido aos leitores.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu contributo, ainda que simbólico, sob a forma de donativo.

MB Way: 919983484

Multibanco ou netbanking:

NiB: 0065 0922 00017890002 91
IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91
BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Economia

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.