Disseminar o cinema, dando a conhecer novos modos de sentir e viajar através do ecrã

Porto/Post/Doc, o incontornável do cinema contemporâneo chega até nós

Porto/Post/Doc, o incontornável do cinema contemporâneo chega até nós

Pub

 

 

Começa já hoje o Porto/Post/Doc, festival cinematográfico contemporâneo, que se prolonga até ao dia 2 de Dezembro. Tem como principal objetivo a disseminação do cinema, trazendo-nos a cada ano novos modos de sentir e viajar através do ecrã. É-nos dada a hipótese de nos aventurarmos em múltiplas salas de cinema na cidade do Porto, como o Teatro Rivoli, o Cinema Trindade, o Planetário do Porto, o Cinema Passos Manuel, a Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto e  a Escola das Artes.

‘Ficções do Real’ no Porto/Post/Doc coloca em discussão reality tv

Sendo o foco do Porto/Post/Doc o cinema contemporâneo, desde a sua primeira realização em 2014, esta edição dedica-se às “Ficções do Real” e, segundo a organização, “testemunhará como o cinema contemporâneo incorporou o real nos filmes de ficção”. Colocará, assim, em discussão a força que a reality tv exerce sobre a atual produção cinematográfica, que, como sabemos, é cada vez maior.

Porto/Post/Doc integra competição internacional e concertos em vídeo

Para além da seleção de filmes, o festival Porto/Post/Doc integra também uma competição internacional, que consiste em vários prémios: Grande Prémio by Vinhos Verdes, Prémio Companhia das Culturas/ Fundação Pereira Monteiro, Prémio Cinema Novo by Canal 180, Prémio Teenage e Prémio Arché by Companhia das Culturas/ Fundação Pereira Monteiro, aos quais concorrem filmes da Bélgica, Suécia e tantos outros países – 14 filmes no total, dos quais dois são portugueses. Inclui também um espaço dedicado à música, com concertos em vídeo.

Nesta edição, destaque para filmes de Daniel Blaufuks, Rui Pregal da Cunha e Leonor Teles

Podemos contar neste Porto/Post/Doc com uma estreia mundial de Levantados do Chão, de Daniel Blaufuks, em que retrata o papel das memórias na luta contra o esquecimento, ao mostrar uma banda filarmónica percorrendo um lugar abandonado nos Açores, para ilustrar o vazio de um passado que ainda é presente. Destaque também nesta edição do festival Porto/Post/Doc para a estreia de Portugal Tem Lata, documentário de Rui Pregal da Cunha sobre a indústria das conservas de peixe, retrato de um país e de um povo ligado ao mar, e para Terra Franca, de Leonor Teles, que toma Vila Franca de Xira, e em particular uma comunidade piscatória junto ao Tejo, como pano de fundo.

Imagens: DR

VILA NOVA, o seu diário digital. Conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

VILA NOVA é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a VILA NOVA é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a VILA NOVA tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade, entre outros.

Para lá disso, a VILA NOVA pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta. A melhor forma de o fazermos é dispormos de independência financeira.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking, multibanco ou paypal.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Envie-nos os seus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Visite também os nossos anunciantes.

Gratos pela sua colaboração.

Publicidade | VILA NOVA: deixe aqui a sua Marca

Pub

Categorias: Agenda, Cinema, Cultura, Porto

Acerca do Autor

Rita Vidal

Rita Vidal, 21 anos, nasceu no Porto e vive até hoje a sua vida em Matosinhos, entre a cidade e o mar. Licenciou-se em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, e desde muito cedo se encantou pelos livros e pela poesia. Publicou o seu primeiro livro “poemas colhidos das árvores” em setembro de 2018.

Comente este artigo

Only registered users can comment.