Legislação entrada em vigor nessa altura simplifica processos e atribui à Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial a receção de queixas, denúncias e participações

Racismo | Reclamações relativas a discriminação racial mais do que duplicam desde 2017

Racismo | Reclamações relativas a discriminação racial mais do que duplicam desde 2017

 

 

O número de queixas, denúncias e participações de discriminação racional mais do que duplicou desde que entrou em vigor o novo regime jurídico de prevenção, da proibição e do combate à discriminação, em razão da origem racial e étnica, cor, nacionalidade, ascendência e território de origem.

A lei n.º 93/2017 de 23 de agosto, que entrou em vigor  a 1 de setembro desse ano, simplificou os processos de contraordenação, concentrou a instrução de processos numa única entidade, e acrescentou a ascendência e território de origem ao conjunto de fatores protegidos.

A proibição da discriminação abrange todas as pessoas singulares e coletivas, públicas e privadas e aplica-se: ao acesso a bens e serviços e seu fornecimento; à proteção social, segurança social e saúde; aos benefícios sociais, à educação e à cultura.

Em 2017, no ano em que a nova lei entrou em vigor, nos últimos quatro meses, houve um total de 179 queixas, denúncias ou participações. Esse número tem vindo a aumentar desde então: para 346 em 2018 e 436 em 2019.

“Discriminação é crime”, reitera o Governo, e sempre que a Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial (CICDR) recebe uma queixa ou tenha conhecimento de situações de discriminação, estas devem ser remetidas para o Ministério Público.

«É punido com pena de prisão quem fundar ou constituir organização ou desenvolver atividades de propaganda organizada que incitem à discriminação, ao ódio ou à violência contra pessoa ou grupo de pessoas por causa da sua raça, cor, origem étnica ou nacional, ascendência, religião, sexo, orientação sexual, identidade de género ou deficiência física ou psíquica, ou que encorajem; ou quem participar ou prestar assistência a estas atividades, incluindo o seu financiamento», refere o n.º 1 do artigo 240.º do Código Penal no que diz respeito ao crime de discriminação e incitamento ao ódio e à violência.

O n.º 2 acrescenta que «é punido com pena de prisão quem, publicamente, por qualquer meio destinado a divulgação, provocar atos de violência, difamar ou injuriar, ameaçar, ou incitar à violência ou ao ódio contra pessoa ou grupo de pessoas por causa da sua raça, cor, origem étnica ou nacional, ascendência, religião, sexo, orientação sexual, identidade de género ou deficiência física ou psíquica».

Qualquer pessoa que considere ter sido discriminada ou que tenha conhecimento de uma situação de discriminação pode apresentar queixa, denunciar ou participar à Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial.

Caso a discriminação seja na área de trabalho e do emprego, a CICDR encaminha a queixa, denúncia ou participação para a Autoridade para as Condições do Trabalho. O Governo destaca ainda que situações de discriminação podem surgir também no acesso ao arrendamento, cuidados de saúde, locais públicos ou abertos ao público.

Desde 2017, a CICDR deu formação na área da prevenção e combate à discriminação racial e étnica a mais de 3000 pessoas, incluindo profissionais das forças de segurança e dos serviços prisionais, técnicos de autarquias locais, membros de associações de imigrantes e das comunidades ciganas, e junto das escolas.

 

Fonte e Imagem: Governo

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho comunitário que temos vindo a desenvolver.

Cidadania e serviço público, a Vila Nova é uma publicação diária digital generalista de âmbito regional, independente e plural. É também gratuita para os leitores porque acreditamos que a Informação e Opinião de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, receba publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Categories: Sociedade

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.