Ana Catarina Mendes: A fragilidade dos contratos de trabalho coloca em causa a vida das pessoas

Trabalho | PS avança com regulamentação do teletrabalho

Trabalho | PS avança com regulamentação do teletrabalho

Pub

 

 

“Este é um momento histórico e uma oportunidade para se olhar para as relações laborais e perceber-se o que vai mudar”, defendeu a presidente do Grupo Parlamentar do Partido Socialista, Ana Catarina Mendes, que avançou que a bancada do PS vai apresentar em setembro iniciativas legislativas para regular o teletrabalho.

A líder parlamentar socialista asseverou, no podcast do PS ‘Política com Palavra’, que o atual contexto da pandemia “é o momento histórico” para se continuar o “combate à precariedade”, mas é igualmente uma oportunidade para se olhar “para as novas formas de nos relacionarmos no trabalho, como é exemplo o teletrabalho”.

A Covid-19 demonstrou “como a fragilidade dos contratos de trabalho coloca em causa a vida das pessoas e o posto de trabalho”, frisou Ana Catarina Mendes, que aproveitou para anunciar que o Partido Socialista vai apresentar em setembro propostas na área do teletrabalho, tendo em vista regulá-lo.

E alertou que as mudanças na área laboral devem ser feitas em diálogo social, que é realizado na concertação social: “A legislação laboral constrói-se num triângulo, com o Governo, com a Assembleia da República e com a concertação social”.

Sobre o discurso do primeiro-ministro no último debate parlamentar sobre o estado da nação, em que António Costa pediu aos partidos da esquerda um acordo “sólido e duradouro” de médio prazo, Ana Catarina Mendes explicou que o chefe do Governo está a propor que “continuemos a trilhar este caminho em conjunto, à esquerda, que reforce o Estado social, a manutenção do emprego, a capacidade das empresas e que reforce o crescimento da economia”.

“Estou absolutamente convencida de que o PCP, o PEV e o BE continuam a partilhar connosco a necessidade de reforçarmos o Estado Social, reforçarmos o papel do Estado e reforçarmos a nossa economia”, acrescentou.

 

Fonte: PS; Imagem: Jorge Ferreira

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Política

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.