Dez erros frequentes na utilização de máscaras

Dez erros frequentes na utilização de máscaras

Pub

 

 

Estamos neste momento a viver sob um plano de desconfinamento da Covid-19, que tem vindo a ser implementado desde 4 de maio e cujas últimas regras estipuladas para aplicação se encontra previsto entrarem em vigor no próximo dia 1 junho. A passagem do Estado de Emergência para a situação de calamidade tem vindo a ser posta em prática de forma suave e, até agora, sem imprevistas surpresas e alterações ao previsto.

Essas fases correspondem a um desconfinamento cada vez maior, que se irá traduzir na abertura e disponibilização de cada vez mais serviços e espaços à comunidade.

Porém, as medidas de higiene, segurança e contenção que conhecemos e aplicámos até agora devem e têm de continuar a ser postas em prática, de modo a evitar um aumento da transmissão do novo coronavírus. Entre essas medidas de proteção está o uso de máscara que, apesar de múltiplas informações, muitos de nós continuam a utilizar ou, pelo menos, colocar de forma indevida.

Erros na utilização de máscaras: o que não deve mesmo fazer

De acordo com as medidas gerais do plano de desconfinamento, desde o dia 4 de maio, é obrigatório o uso de máscara em transportes públicos; escolas; comércio e outros locais fechados com múltiplas pessoas.

Isso significa que todos nós devemos habituar a utilizar este acessório, a pô-lo e a retirá-lo da forma mais correta, de maneira a que ele seja seguro e eficaz para nós e para os outros.

Independentemente de serem máscaras cirúrgicas ou comunitárias, a forma de colocação e remoção das máscaras é semelhante e deve ser rigorosamente cumprida, de forma a que estejamos, realmente, a proteger-nos de uma possível contaminação pelo novo coronavírus.

Se, à primeira vista, pôr e tirar uma máscara possa parecer uma tarefa fácil, isso pode não ser exatamente assim, caso tenhamos em consideração o facto de que essa máscara pode estar contaminada com o novo coronavírus.

Portanto, atente nos erros que deve mesmo evitar e perceba como usar a máscara de proteção corretamente. Só assim poderá limitar ou evitar de todo a proparagação da doença.

Guia Medicare Portugal para utilização correta de máscaras

1. Usar a máscara apenas a tapar a boca

Uma máscara que só cubra a boca não é eficaz, pois não o protege nem a si, nem aos outros, visto que o nariz também é um possível canal de entrada e saída de partículas virais. Além disso, tocar com o nariz na própria máscara, pode ser uma forma de contaminação, se a máscara possuir germes ou outras gotículas.

2. Deixar que a máscara contacte com outras partes do nosso corpo ou objetos

Basicamente, se a parte interna da máscara (que vai estar em contacto com o nosso nariz e boca) tocar numa zona do nosso corpo contaminada pelo vírus (como o cabelo, a testa, o queixo, o pescoço, as mãos,…), isso significa que o interior da máscara irá levar ao nariz e à boca gotículas virais, potenciando a infeção.

Logo, andar com a máscara pendurada ao pescoço ou fixa no queixo (ainda que por pouco tempo) não é seguro.

3. Ter uma máscara demasiado larga

Independentemente do tipo (cirúrgica ou comunitária), a máscara não deve ficar demasiado larga, de modo a dificultar a entrada de bactérias e germes pelas folgas laterais ou mesmo pela zona do nariz.

Assim, ela não deve apertar, mas também não deve ficar folgada ao ponto de escorregar ou cair. Deve sentir-se confortável, sem subestimar as questões de segurança.

4. Tapar só a ponta do nariz com a máscara

Como já referimos, é importante que a máscara cubra não só a boca como uma parte significativa do nariz (não apenas a sua extremidade). Ela deve tapar a própria cana do nariz, caso contrário irá permitir a entrada de ar, impurezas e gotículas virais.

5. Não cobrir o queixo

Para uma proteção mais eficaz e uma melhor fixação da máscara ao rosto, ela deve terminar na zona do queixo, formando uma espécie de zona de encaixe, evitando as folgas que permitem a entrada de gotículas.

6. Não limpar a máscara reutilizável

O facto de uma máscara ser reutilizável, não significa que não a deva higienizar correta e regularmente.

As máscaras de tecido podem ser lavadas na máquina de lavar a roupa (de preferência a 60ºC) ou numa bacia com água a ferver e um pouco de detergente ou sabão.

Contudo, o mais prudente é seguir sempre as recomendações do fabricante de cada tipo de máscara.

7. Não pousar a máscara sobre superfícies que não estejam descontaminadas

Para lavar os dentes, beber água ou comer, é natural que tenha de retirar a máscara e pousá-la em algum local.

Contudo, o ideal é que tenha sempre consigo um saco de transporte, devidamente esterilizado, para a colocar. Caso contrário, deve sempre pousá-la ou guardá-la numa superfície que tenha a certeza que foi devidamente desinfetada.

8. Não trocar a máscara com a devida frequência

Dependendo do nível de humidade da zona interna da máscara, este acessório deve ser trocado após 2 a 6 horas de uso. Por isso, por exemplo, caso tenha de enfrentar um dia de trabalho de máscara, deve considerar usar 2 a 4 máscaras.

9. Tocar no exterior da máscara com as mãos

Um dos erros mais graves, mas também mais comuns, é mesmo o de tocar com as mãos na zona exterior da máscara e é fácil perceber por que é um erro crasso. Se a parte externa da máscara estiver contaminada, ao tocar nela, as nossas mãos vão também ficar imediatamente contaminadas.

A partir daí o processo de contágio torna-se muito mais provável para nós e para os outros.

10. Não pôr nem tirar corretamente a máscara

Não lavar as mãos antes e depois de pôr a máscara e de a tirar são alguns dos erros que, habitualmente, são cometidos no momento de proceder à colocação ou remoção da máscara.

Além disso, trocar o lado interno pelo externo também é um erro regular e que deve ser evitado.

Finalmente, apesar das máscaras cirúrgicas e comunitárias se colocarem do mesmo modo, o seu fim deve ser distinto. É que enquanto as primeiras são descartáveis, as segundas podem ser laváveis. Mas, sobre isto, falaremos mais em pormenor de seguida.

Como colocar e retirar corretamente a máscara

Apontados os erros na colocação, manuseamento e remoção da máscara, importa explicar como, então, deve ser levado a cabo todo este processo que, para muitos, passou a ser uma rotina diária. Importa lembrar que, segundo a Organização Mundial da Saúde, o uso incorreto da máscara pode acarretar mais riscos para a saúde do que não a usar de todo.

Para que ela seja segura, protetora e eficaz, desde que a coloca até que a retira, deve seguir os próximos passos:

  1. Lavar bem as mãos, antes de pôr a máscara.
  2. Colocar o lado branco (interno) da máscara virado para a cara e ajustar bem, tapando tanto a boca como o nariz, ajustando a máscara acima ao nível dos ossos nasais e por baixo 1. do queixo.
  3. Quando quiser retirar, deve novamente lavar bem as mãos.
  4. Remover a máscara, segurando apenas os elásticos.
  5. Descartar a máscara (se for descartável) ou lavá-la (se for reutilizável).
  6. Finalizar, lavando novamente as mãos.

Segundo a Direção-Geral da Saúde, a máscara pode promover uma falsa sensação de segurança em quem a usa. Isto é, há pessoas que, utilizando máscara, não cumprem o distanciamento social, por exemplo, o que é um erro que deve ser evitado ao máximo.

 

Fonte: Medicare; Imagem: Anastasiia Chepinska

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categorias: Pandemia, Saúde

Acerca do Autor

Comente este artigo

Only registered users can comment.