Progressão rápida e imparável urge desenvolvimento de solução para a doença

Saúde | Estão a ser desenhadas 70 vacinas para combater a Covid-19

Saúde | Estão a ser desenhadas 70 vacinas para combater a Covid-19

Pub

 

 

Em todo o mundo, encontram-se, neste, em desenvolvimento, 7 dezenas de vacinas contra o coronavírus causador da Covid-19. Dessas 70 vacinas em investigação, há 3 que estão a ser testadas em  humanos, refere a Bloomberg citando a Organização Mundial da Saúde. Esta busca por uma forma de prevenção acontece em simultâneo com uma corrida contra o tempo da indústria farmacêutica em busca de uma cura para o pandémico e fatal vírus, o SARS-CoV-2.

Chinesa Cansino Biologics na linha da frente nos testes em humanos 

A CanSino Biologics, sedeada em Hong Kong, e o Instituto de Biotecnologia de Pequim, estão na linha da frente na procura de uma solução, neste momento.  A sua vacina – em etapa experimental – é aquela que se encontra no ponto mais avançado do processo clínico: a fase 2, desde 10 de abril. Nesta fase, indo bastante mais além do que a fase inicial, e prolongando-se por um período de tempo que poderá abranger meses, os estudos são de tipo terapêutico. Ainda que os estudos sejam desenvolvidos num número muito restrito de pessoas, têm já em vista uma avaliação da eficácia terapêutica, a determinação da dose e do regime terapêutico, a relação dose/resposta da substância ativa, o estabelecimento de um perfil de segurança a curto prazo, bem como uma avaliação da terapêutica (Fase IIa) e o estabelecimento de uma dose terapêutica adequada (Fase IIb).

Os outros dois tratamentos referidos como encontrando-se em fase mais avançada, e que estão a ser testados também em seres humanos, estão a ser trabalhados separadamente pelas farmacêuticas americanas Moderna e Inovio Pharmaceuticals, de acordo com informação divulgada pela OMS.

Progressão rápida e imparável

Tal como a doença, o progresso no desenvolvimento de vacinas está a acontecer a uma velocidade sem precedentes, uma vez que é altamente improvável que o patógeno infecioso consiga ser eliminado apenas através de medidas de contenção. A indústria farmacêutica espera por isso reduzir o tempo necessário para começar a comercializar uma nova vacina, que geralmente é de 10 a 15 anos, e conseguir tê-la pronta em 2021.

Grandes e pequenos fabricantes de medicamentos entraram em cena para tentar desenvolver uma vacina, pois esta será provavelmente a maneira mais eficaz de conter o vírus.

A CanSino informou ainda em março que recebeu a aprovação das entidades regulatórias chinesas para iniciar testes em humanos com a sua vacina. A norte-americana Moderna – que até hoje nunca lançou um produto, apesar de se encontrar na vanguarda dos estudos de imunologia – recebeu também aprovação regulatória para avançar rapidamente para testes em humanos em março, saltando anos de testes em animais que são a norma no desenvolvimento de vacinas. Já a Inovio começou seus testes em humanos na semana passada.

Outros gigantes da indústria farmacêutica, como a Pfizer e a Sanofi, estão também a desenvolver produtos candidatos a vacina mas encontram-se ainda em estágios pré-clínicos, de acordo com o referido documento divulgado pela OMS.

Vacina indispensável para limitar perdas irreparáveis

A maioria das pessoas infetadas com o coronavírus causador da Covid-19 experimenta apenas doença respiratória leve a moderada e recupera-se sem a necessidade de tratamento especial. Os idosos e aqueles com problemas médicos subjacentes, como doenças cardiovasculares, diabetes, doenças respiratórias crónicas e cancro, têm mais probabilidade de desenvolver doenças graves e, por vezes mesmo, fatais.

Fontes: Bloomberg, OMS, Roche; Imagem: Markus Spiske

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

Como qualquer outra, a Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de mbway, netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Pub

Categorias: Ciência

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.