Agenda 2020 prevê atividades em torno da viagem de circum-navegação de de Magalhães e da arqueologia subaquática

Passado | Esposende expõe ‘Identidade(s): O homem e o território’ na época da cultura castreja

Passado | Esposende expõe ‘Identidade(s): O homem e o território’ na época da cultura castreja

Pub

 

 

Identidade(s): o Homem e o Território – Esposende nas origens da Cultura Castreja‘ é o mote para a exposição que foi inaugurada hoje, 18 de outubro, no Centro Interpretativo de S. Lourenço. Esta iniciativa pretende alertar para a importância do património e da cultura castreja nas origens de Esposende, incentivando, ainda, a participação da comunidade local.

“Com esta exposição podemos tomar contacto com as exemplares formas ancestrais de ocupação do território, descobrindo elementos determinantes para o ordenamento territorial do concelho de Esposende”, referiu o presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira.

Por seu turno, o historiador Brochado de Almeida destacou a projeção internacional do Castro de S. Lourenço, sustentado no “excelente trabalho que é desenvolvido no Centro Interpretativo“.

A fixação dos nossos antepassados em povoados situados em pontos elevados e estratégicos do vasto território que compõe o Noroeste Peninsular remonta ao período entre o final do III milénio e o final do I milénio a.C.

No atual território de Esposende, foram identificados sete castros, com origens e percursos diferentes, cuja cultura material presente em cada um deles permite catalogá-los, genericamente, como pertencentes ao universo dos castros do Noroeste Peninsular.

Com base nesta realidade, a exposição Identidade(s): o Homem e o Território – Esposende nas origens da Cultura Castreja aborda questões de gestão e de ocupação do território, indissociáveis do potencial da sua envolvente, designadamente da aquisição e produção de meios de subsistência, da existência de espaços com recursos naturais, das condições de controlo e defesa dos respetivos territórios, das passagens terrestres e fluviais, bem como da navegação fluvial e marítima.

Entre 2014 e 2018 foram registados cerca de 57 mil visitantes, incluindo alunos e participantes em atividades de Serviço Educativo, crescimento resultante do investimento que o Município de Esposende tem feito no Castro de S. Lourenço. A aquisição de terrenos permitiu requalificar o espaço envolvente à segunda linha de muralhas, com a criação de área de merendas e circuito pedonal, zonas de estacionamento, reflorestação com espécies autóctones, recuperação do muro de pedra solta para delimitação do recinto, criação de espaço informal de anfiteatro naturalizado, instalações sanitárias e ilha ecológica.

“No próximo ano, no âmbito do 5.º Centenário da 1.ª viagem de circum-navegação por Fernão de Magalhães e Sebastián del Cano, acolheremos a Conferência «Nos Passos de Magalhães» com o viajante e escritor de viagens Gonçalo Cadilhe, na Biblioteca Municipal de Esposende”, anunciou Benjamim Pereira.

No âmbito de um conjunto de atividades agendadas pela Direção Regional de Cultura do Norte, sob o tema “Circum-navegando… Do local ao global“, Esposende abordará a temática “Patrimónios emersos e submersos: explorar a arqueologia subaquática”, tendo como ponto de partida os trabalhos de investigação e de conservação sobre o naufrágio quinhentista de Belinho.

Na agenda dos serviços de Arqueologia e Património Cultural, para 2020, estão previstas atividades de Serviço Educativo relativas ao Património Cultural do concelho, será monitorizada a manutenção dos sítios arqueológicos do concelho, será dado novo impulso para a requalificação do Castro do Senhor dos Desamparados (Palmeira de Faro), será criado o Circuito Megalítico do Planalto de Vila Chã e valorizado o Cemitério Medieval das Barreiras (Fão), entre muitas atividades como o apoio e formação a docentes e a edição de publicações científicas.

Fonte: Município de Esposende; Imagens: (0, 2) Município de Esposende, (1) Stéphanie da Silva Jesus

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Cultura, Política

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.