Livros | Azulejo – O que é?, de Rosário Salema de Carvalho e Libório Manuel Silva apresentado ao público

Livros | Azulejo – O que é?, de Rosário Salema de Carvalho e Libório Manuel Silva apresentado ao público

 

 

 

Depois de ter recebido o prémio para o melhor livro sobre azulejaria em 2017, a Centro Atlântico regressa em 2018 à arte do azulejo. Em 30 de outubro, pelas 18h30, no auditório do Metropolitano de Lisboa no Alto dos Moinhos – Linha Azul, é apresentado ao público, em Lisboa, Azulejo – O que é / What is?, o novo volume da editora famalicense que tem vindo a ganhar destaque no plano nacional com a edição de livros de rara beleza e qualidade científica que, além do mais, se fazem acompanhar por preços de venda ao público bastante razoáveis quando comparados com edições semelhantes.

 

 

Azulejo – O que é / What is? tem a coordenação científica de Rosário Salema de Carvalho e apresenta um conjunto diversificado de reputados autores especialistas na matéria, tais como: Alexandra Gago da Câmara, Charters de Almeida, Dom Carlos de Azevedo, Dora Alcântara, Françoise Schein, José Berardo, José Meco, Rita e Catarina Almada Negreiros, Vitor Serrão, entre muitos outros, num total de 53 autores. A fotografia é de Libório Manuel Silva.

Segundo Rosário Salema de Carvalho, a coordenadora científica do projeto e investigadora integrada do ARTIS – Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, “o livro nasceu no seguimento de um dos seminários AzLab sobre estudos de azulejos” organizado pelo grupo de investigação a que pertence, a Rede de Investigação em Azulejo, do ARTIS – Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

“Partindo da ideia de que hoje existe um entendimento muito alargado do azulejo e que os artistas desafiam as fronteiras tradicionais deste material cerâmico, convidámos artistas, designers, arquitetos, historiadores de arte e outras pessoas ligadas ao universo do azulejo a responder à pergunta “o que é o azulejo?”, terminando numa sessão presencial, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (FLUL), em formato de mesa redonda.

Os resultados foram muito interessantes e a editora Centro Atlântico propôs-nos alargar esta perspetiva e organizar um livro com um leque de convidados mais extenso. Assim, e para além das questões mais técnicas que nos preocuparam numa fase inicial de definição efetiva do que se pode incluir ou não na categoria de “azulejo”, interessava-nos agora, no contexto do livro, uma visão ampla e sem preconceitos, que pudesse abranger as múltiplas dimensões que hoje se reconhecem ao azulejo – histórica, patrimonial, iconográfica, estética, material, técnica, funcional, arqueológica, etimológica, política, social, antropológica, afetiva…”

Rosário Salema de Carvalho destaca também a ampla visão proporcionada em ‘Azulejo – O que é?’ pelo trabalho fotográfico de Libório Manuel Silva, que “procurou incluir imagens, criadas exclusivamente, de revestimentos azulejares das mais variadas épocas, lugares e dimensões, alguns dos quais presença menos assídua em livros sobre estas matérias e que ganham aqui uma valorização significativa, enquanto testemunho deste património tão rico e diversificado que nos acompanha há mais de cinco séculos”.

O resultado final é um livro “em que textos e imagens de todo o país, mas também de Espanha e África, se cruzam e interligam numa teia de relações multidimensionais, não hierarquizadas, que partilham com o azulejo uma das suas características mais interessantes: é composto por unidades que ganham sentido quando integradas no conjunto e em contexto, motivando leituras mais vastas que ultrapassam em muito a soma das partes”.

Em referência aos autores incluídos nesta obra, Rosário Salema de Carvalho indica que todos eles, com perfil muito variado, “aceitaram com entusiasmo este desafio”. Do ponto de vista da História da Arte, este é um livro “diferente daqueles a que estamos habituados, e por isso o desafio de escrever estes textos era maior do que o habitual, mas creio que resultou muito bem, também na articulação com as imagens”.

Depois de um passado de esplendor, o azulejo continua a ser uma arte com futuro. Nesta última semana de outubro encerra-se o “Mês do Azulejo”, uma iniciativa promovida pelo Museu Nacional do Azulejo, pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil e pela Rede de Investigação em Azulejo (ARTIS-IHA/FLUL), no âmbito do Ano Europeu do Património. Rosário Salema de Carvalho assinala que “o volume e a diversidade de atividades a que assistimos ao longo deste mês mostra claramente a vitalidade do azulejo e que este é um património com e para o futuro. A investigação e os estudos desenvolvidos nos últimos anos, com publicações de cariz mais específico e outras de espetro mais alargado e de divulgação, como a que agora é lançada, constituem, sem dúvida, também importantes instrumentos de salvaguarda”.

Rosário salema de Carvalho é  investigadora integrada do ARTIS – Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, desenvolvendo atividade no Az – Rede de Investigação em Azulejo (grupo a que pertence desde 2007). Neste contexto coordena vários projetos, entre os quais o Az Infinitum – Sistema de Referência e Indexação de Azulejo, resultante de uma parceria com o Museu Nacional do Azulejo e a empresa Sistemas do Futuro. Tem desenvolvido investigação na área do património e, principalmente, na área da azulejaria portuguesa, com diversos livros e múltiplos artigos publicados. A sua dissertação de doutoramento em História da Arte foi dedicada a um dos períodos mais significativos da história do azulejo português, o designado “Ciclo dos Mestres” (1675-1725).

 

Sinopse:

Brilho, textura, cor, reflexão, forma, função, uso, técnica, matéria, ritmo, escala, geometria, pele, mensagem, experiência estética, memória… o azulejo é, desde há vários séculos, uma arte diferenciadora da paisagem cultural portuguesa.

Neste livro, conceituados investigadores, arquitectos, artistas, designers, antiquários, gestores de património ou coleccionadores respondem à pergunta “o que é o azulejo?”. Os textos, tão ricos como a expressão que procuram “definir”, revelam uma multiplicidade de olhares que, tal como as fotografias gerais e de pormenor, convidam a descobrir novas formas de entender esta arte. E não poderia ser de outro modo, uma vez que o livro partilha com o azulejo uma das suas características mais interessantes: é composto por unidades que ganham sentido quando integradas no conjunto e em contexto, motivando leituras mais vastas que ultrapassam em muito a soma das partes.

Depois de percorrer as “definições” propostas e de se deleitar com imagens muito sugestivas de revestimentos em azulejo, o leitor construirá a sua própria definição.

Ficha técnica:

Pág.s: 112 (a cores; capa dura, formato 21,4 * 21,6 cm)

Preço: 19,90 Eur

ISBN: 978-989-615-222-2

Idiomas: Português e Inglês

 

Fontes: CentroAtlântico e Artis

 

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver. 

A Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será. 

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

 

Pub

Categorias: Arte, Cultura

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.