Ambiente | ‘Portugal sem Plásticos, Estás interessado?’ é nome de campanha lançada pela Quercus

Ambiente | ‘Portugal sem Plásticos, Estás interessado?’ é nome de campanha lançada pela Quercus

 

Hoje, 3 de julho, é o Dia Internacional Sem Sacos de Plástico. Por essa razão a maior e mais relevante associação de proteção ambiental em Portugal, a Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza, promove uma Campanha em parceria com as organizações não-governamentais EEB – European Environmental Bureau e a MAVA – Fondation por la Nature, para desafiar os Portugueses com o slogan – “Portugal Sem Plásticos, estás interessado?”.

 

 

Portugal tem-se posicionado por forma a responder às exigências europeias de redução do uso de sacos de plástico leves para metade até 2017 e em 80% até 2019.

Em inícios de 2015, a lei da reforma da fiscalidade verde introduzida no Orçamento de Estado desse ano, introduziu uma taxa de 0,10€ por cada saco de asas em plástico. Embora a Quercus refira que tal facto “provocou uma forte mudança dos hábitos dos portugueses que começaram a levar os seus sacos de casa [para as compras] e a reutilizá-los”. Com esse facto, ter-se-ia verificado “uma redução em cerca de 50% da compra de sacos de plástico nos supermercados”. Fica, contudo, também a impressão que tal mudança ter-se-á ficado a dever à não disponibilização de sacos plásticos de baixa gramagem nas lojas e supermercados uma vez que os sacos que passaram a ser disponibilizados são de alta gramagem e, no fundo, pagos pelo consumidor quando antes eram oferecidos. A redução significativa dos valores cobrados por este imposto é hoje quase insignificante, devido

“No nosso país a sensibilidade das pessoas sobre o impacto das escolhas individuais no meio ambiente está a aumentar”, salienta Carmen Lima, coordenadora de resíduos da Quercus. ”Nos últimos dois anos, o uso de sacos de plástico leves (com espessura menor do que 5 mm) tem diminuído substancialmente com a aplicação da Legislação Europeia, aplicando-se uma taxa adicional sobre a sua utilização, mas ainda há muito a fazer, quer ao nível da educação ambiental quer ao nível da reciclagem deste tipo de materiais”, conclui.

De facto, constata-se que a população portuguesa, em geral, tem sido sensível a esta problemática, com muitos cidadãos a  procurarem alternativas aos plásticos. A Quercus estima que 96% da população portuguesa está familiarizada com o problema da poluição por plástico, mas que 65% não sabe identificar quando os plásticos são recicláveis.

Para tentar mobilizar a opinião pública para este problema, a Quercus tem realizado diversas campanhas e já desafiou os Portugueses a tentarem viver 40 dias sem plástico. Agora, neste Dia Internacional Sem Sacos de Plástico, desafia os portugueses a levarem o próprio saco de compras de casa.

A utilização de materiais em plástico descartável e de curta utilização tem aumentado a um ritmo alucinante nas últimas décadas. A sociedade tem substituído os seus hábitos de consumo pela aquisição de cada vez mais produtos embalados ou materiais em plástico cuja utilização dura segundos de vida (exemplo as palhinhas ou os cotonetes) sem grande preocupação em dar-lhes um destino de reciclagem.

Esta atitude tem transformado o plástico num dos maiores problemas que o Planeta tem que resolver no século XXI – a poluição marinha pelo plástico. Se prosseguirmos na mesma direção, estima-se que em 2050 haja mais plástico nos Oceanos do que peixes. O Homem não ficará certamente imune a este desastre ambiental, acabando por absorver toda esta poluição através da sua alimentação.

Segundo a Quercus, “Portugal não pode ficar indiferente a este problema, até pela dimensão de costa que possui! É fundamental apostar na sensibilização para a redução do uso de descartáveis, aliada a políticas ambientais que limitem a utilização destes materiais, uma maior diferenciação dos produtos cuja conceção promova a incorporação de matérias-primas recicladas e a promoção da separação e reciclagem dos lixos, sem as quais não haverá Economia Circular em Portugal.”

 

Pub

Categorias: Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.