Vários anos de atraso depois, autarquia investe na reparação de uma infraestrutura que é imagem da cidade e do concelho

Urbanismo | Esposende repara passadiços da frente ribeirinha

Urbanismo | Esposende repara passadiços da frente ribeirinha

Pub

 

 

Com vários anos de atraso sobre muitos dos estragos surgidos na infraestrutura, Esposende começou a proceder à requalificação dos passadiços da Zona Ribeirinha. O investimento no arranjo urbanístico é de aproximadamente 110.000 euros e passa pela “substituição integral do piso das estruturas, garantindo a segurança e o asseio desejáveis a estes equipamentos”, acaba de divulgar a autarquia.

Segundo Benjamim Pereira, o presidente da Câmara Municipal de Esposende, “está em causa a manutenção e segurança destas estruturas, bem como a imagem do Município e do concelho”, não apenas zona residencial, mas também região de destino turístico.

Atendendo ao estado de degradação e desgaste do material destes circuitos, o Município de Esposende decidiu traçar um plano global de intervenção de todos os passadiços que são, efetivamente, da sua responsabilidade, tanto na sede do concelho, como nas demais freguesias, nomeadamente na frente marítima da Apúlia. Não se integram, portanto, neste plano os equipamentos afetos ao ICNF – Instituto de Conservação da Natureza e Florestas ou APA – Agência Portuguesa do Ambiente.

Considerando o desgaste próprio deste tipo de equipamentos e de materiais, onde muitas pessoas ocupam parte do seu tempo de lazer e recreio e praticam atividades desportivas, a Câmara Municipal esposendense entendeu proceder à substituição integral do piso, reabilitação que está a ser executada por equipas de intervenção da edilidade. Os trabalhos prolongar-se-ão ao longo de um período previsível de dois a três meses, dependendo das condições climatéricas.

“Estas intervenções configuram um esforço financeiro e um importante investimento do Município”, conclui o presidente da edilidade.

 

Imagem: Município de Esposende

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo. Pode fazê-lo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking ou multibanco.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categories: Sociedade

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.