Tag "Nuno Leão"

Voltar à homepage
Agenda Cultura

Performance | Terceira Pessoa estreia ‘Um Lugar sem Coordenadas’ em Torres Vedras

    A Terceira Pessoa vai estrear, em Torres Vedras, a performance “Um lugar sem coordenadas”, criada por Maria Fonseca e Miguel Moreira no contexto do projeto pluridisciplinar “Rastro, Margem,

Crónica Cultura

Dar Coisas aos Nomes | Criar relações pela arte: livros e fotografia, um projecto da Terceira Pessoa

    No dia 6 de Novembro, a Casa Amarela – Galeria Municipal de Castelo Branco abriu as portas ao público para inaugurar a exposição de três criações fotográficas integradas

Agenda Cultura

Performance | Terceira Pessoa estreia nova criação multidisciplinar no Teatro Municipal da Guarda

  A Terceira Pessoa vai estrear a performance “Querer-se morrer confortavelmente na dor”, criada por Filipa Matta e Óscar Silva no contexto do projeto pluridisciplinar “Rastro, Margem, Clarão“. A estreia

Cultura

Dar Coisas aos Nomes | Um osso exposto fractura quem o vê (Caderno da Residência, nº 3)

    2 de Agosto, Montemor-o-Novo / 5 de Agosto, Nine (15:16)   A explosão nuclear na cidade de Beirute impressiona-nos por um terrível efeito de corroboração: a imagem do

Crónica Cultura

Dar Coisas aos Nomes | Deita o livro fora e lê

    1. Foi há quase seis anos. Numa daquelas errâncias pela biblioteca de Castelo Branco, dei de caras com um surpreendente gesto de indeterminação literária. Um livro de Rui

Crónica Cultura

Dar Coisas aos Nomes | Sombras de sombras de sombras

  Luz e sombras no ‘adeus às coisas’ da fotografia de Nuno Leão     Há um ano, na primeira apresentação do livro dizer adeus às coisas, refugiei-me numa formulação

Cultura

Entrevista | Diogo Martins e Nuno Leão. ‘dizer adeus às coisas’ é projetar a performance do mundo (também amanhã)

    dizer adeus às coisas seguido de uma teoria da imagem (ou a performance do mundo) é um título que, só por si, deixa qualquer um curioso acerca de

Crónica

Dar coisas aos nomes | Dizer adeus às coisas

Tanta coisa depende daquilo que decidimos escrever no início de um texto. Houve alturas em que uma folha em branco me deixava em pânico. Um pânico absoluto, paralisante: levantava-me da