António Fernandes

Segredos | Lideranças com essência

Segredos | Lideranças com essência

Pub

 

 

A liderança é uma característica que se adquire e não algo que se compre se ganhe ou conquiste após “batalha” seja ela qual for.

A liderança resulta sempre da experiência de vida em que por circunstância diversa se exerce porque os pares a escolhem e por isso a aceitam. Seja na complexidade da exigência reivindicativa ou na orgânica simplificada da interação.

A liderança adquire forma de perfil por demarcação dos restantes que a aceitam.

Há, nos diversos perfis abordados pela sociologia, uma característica incontornável que marca de forma indelével o carisma que se exige a um líder. Um carisma de chefia.

Chefia que tem na génese da sua formatação os traços da envolvência social desde a relação interpessoal à disputa com maior ou menor eficácia porque depende sempre da aceitação do coletivo em que se insere.

Há duas fórmulas de estereótipos reconhecidos como liderantes: a liderança de envolvência; a liderança de imposição.

Na primeira há a preocupação de que os pares participem ativamente em todos os processos cabendo ao líder a coordenação e orientação geral; na segunda os pares não são tidos em conta e por isso não tem qualquer participação limitando-se a aceitar as imposições do líder a quem prestam vassalagem.

Resultam destas duas forma de liderar processos temporais mais ou menos longos e mais ou menos eficazes consoante os objetivos que visam. Assim como mais ou menos aceites pelos pares consoante a participação permitida.

A História mostra que os processos ditatoriais de liderança – liderança de imposição – têm produzido sociedades amorfas, vergadas, e sem qualquer espécie de dinâmica criativa.

No que toca às lideranças democráticas – liderança de envolvência – a História mostra níveis de desenvolvimento social, individual e coletivo.

No primeiro caso a duração temporal da liderança é condicionada pelos interesses associados. No segundo caso a duração temporal da liderança é definida pela legislação em vigor. Sendo que no primeiro caso há sempre um processo de rotura social, enquanto que no segundo caso há sempre a continuidade ou mudança da liderança por vontade expressa dos pares.

Reportar este procedimento ao organograma de uma organização política é de uma simplicidade basilar: basta ter a inteligência suficiente para aquilatar da melhor terapia a aplicar no momento tendo em atenção a oportunidade da
circunstância.

No caso, a circunstância impõe acutilância na metodologia e argúcia no estudo das diferenças de opinião e dos condicionalismos existentes.

Não ter em conta estas duas “traves mestras” do edifício social e sociológico em que assenta a organização é adiar a solução dando mostra da inexistência de capacidade liderante.

Importa por isso balizar o caminho e definir o que se pretende em sintonia com todos os interessados usando pedagogia elementar adequada e uma liderança de envolvência.

Um partido político é uma associação de cidadãos interessados e que por isso exigem participar nas atividades do movimento cívico assim como em todas as suas iniciativas. A escolha de um líder e dos elementos que constituirão os
Órgãos da organização não esgotam a participação coletiva. Antes pelo contrário. As escolhas feitas inserem-se em um processo comum de que auguram melhoria na organização expectando poderem ter voz ativa nos domínios a que se proporão e para os quais se empenharão em concretizar. Condicionalismo que dita a maior ou menor participação a que não é estranha a mobilização da sociedade em torno dos seus interesse específicos.

Este será sempre o “segredo” de uma boa liderança: ser capaz de gerir sensibilidades ouvindo com atenção os anseios e as sugestões de todos os envolvidos em plataformas multidisciplinares agregadoras da pluralidade de opinião e de conjunturas distintas em todos os domínios da vida: individual; familiar; coletiva e social.

Porque a liderança política nunca se esgota no cargo: a liderança política inicia-se sempre em cada cargo que se exerce.

 

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

Como qualquer outra, a Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

MB Way: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Pub

Categories: Crónica, Sociedade

About Author

António Fernandes

António da Silva Fernandes nasceu em 1954, em S. José de S. Lázaro e reside atualmente em S. Mamede de Este, em Braga. É chefe de serviços da Alcatel. Como dirigente associativo, esteve e/ou está envolvido com: ACARE; GETA; Academia Salgado Zenha; Academia Sénior Dr. Egas; Associação de Pais da Escola Dr. Francisco Sanches; APD - Associação Portuguesa de Deficientes; Associação de Solidariedade Social de Este S. Mamede. Ao longo da sua vida, desenvolveu atividade política no MDP/CDE; JCP; PCP; LIESM-Lista Independente de Este S. Mamede; Comissão Política do Partido Socialista - Secção de Braga; Clube Político do Partido Socialista - Secção de Braga. Na política autárquica, desempenhou funções na Assembleia de Freguesia e no Executivo da Junta de Freguesia de Este S. Mamede. Desenvolve atividade na escrita: Poesia em antologias nacionais e plataformas digitais; Artigos de Opinião em Órgãos de Comunicação Social local e nacional, em suporte de papel e digital quer em blogues quer em Órgãos da Comunicação Social escrita. Colaborador na Rádio: R.T.M. (Solidariedade); Antena Minho (Cumplicidades).

Write a Comment

Only registered users can comment.