Duarte Cordeiro: Posição do Bloco é ‘incompreensível’

OE2021| Partido Socialista considera haver condições para um bom Orçamento

OE2021| Partido Socialista considera haver condições para um bom Orçamento

Pub

 

 

Havendo condições para o país “ter um bom orçamento”, esta segunda-feira, Duarte Cordeiro, o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, classificou como “incompreensível” a decisão do Bloco de Esquerda votar contra a proposta de OE2021, deixando ainda a ideia de este partido se estar a afastar das negociações com o Governo.

“A posição do Bloco de Esquerda é de quem sai do processo de negociação, de quem se afasta, e não temos mais informação para além daquela que o BE transmitiu”, disse Duarte Cordeiro durante uma conferência de imprensa, na residência oficial do primeiro-ministro, em São Bento.

“O Bloco de Esquerda, ao decidir votar contra, decidiu também colocar-se do lado de quem não quer este orçamento viabilizado. Não vai ser pelo Bloco de Esquerda que as respostas que estão neste Orçamento do Estado vão ser discutidas na especialidade. Essa é uma decisão que o próprio Bloco terá de tomar se quer ou não alterar a sua posição e continuar o diálogo”, defendeu o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares.

Governo fez “esforço grande” de aproximação na área da Saúde…

“Houve um esforço grande da nossa parte [do Governo] no sentido de procurar um ponto intermédio, mas sentimos que em várias matérias as aproximações não aconteceram do lado do Bloco de Esquerda”, acrescentou também Duarte Cordeiro. E referiu “alguns exemplos”, tais como a “calendarização da contratação de profissionais para o SNS”, bem como “a formação médica especializada” e o “aumento em 50% de vagas em zonas carenciadas” de profissionais de saúde.

…mas talvez ainda maior na área do Trabalho

Relativamente ao valor do novo apoio social, o secretário de Estado salientou que essa nova prestação se encontra inscrita na proposta de lei do Orçamento do Estado. O Governo garante que, “no próximo ano, todos os trabalhadores que terminam atividade, ou vejam chegar ao fim o seu subsídio de desemprego ou subsídio social de desemprego, não ficam sem nada”. Ainda assim, este domingo o Governo reiterou o seu interesse em aperfeiçoar a medida e “mostrou-se disponível para alargar a abrangência do apoio”.

“É muito diferente a situação dos trabalhadores independentes que não conseguem exercer atividade daqueles que, neste momento, a podem exercer. Procurámos criar apoio para quem precisa com condição de recursos, mas também não nos furtámos à possibilidade de, perante uma situação de impedimento do trabalho, esses trabalhadores estarem dispensados de condição de recursos”, esclareceu o governante.

Quanto ao subsídio de desemprego, Duarte Cordeiro referiu que a proposta rejeitada pelos bloquistas prevê que, “quem termine o subsídio de desemprego em 2021, possa aceder ao novo apoio social também sem condição de recursos”.

“Assegurámos que quem termina o subsídio social de desemprego pode aceder à nova prestação e que existirá um complemento extraordinário que permita que o valor do rendimento chegue ao limiar da pobreza. O Governo não falhou e não falhará à emergência social neste período de crise”, garantiu o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares.

Em matéria de leis laborais, apesar de não ter intenção de negociar alterações às leis do trabalho no quadro do Orçamento do Estado para 2021, o Governo “decidiu avançar com um documento que contém diversos compromissos em matéria laboral”. Um deles é a moratória que impede a caducidade dos contratos coletivos de trabalho nos próximos dois anos e outro o prolongamento, em 2021, da proibição de despedimentos em empresas abrangidas por apoios públicos associados à pandemia.

Duarte Cordeiro avançou, ainda, como exemplo do esforço de aproximação às posições do Bloco de Esquerda, a disponibilidade do Governo em “alargar a cobertura da negociação coletiva aos trabalhadores em ‘outsourcing’ e havia disponibilidade para alterar a legislação de forma a reconhecer todos os direitos dos trabalhadores que prestam trabalho através de plataformas digitais”, indicou o governante.

António Costa realça condições para o país “ter um bom orçamento”

António Costa, o Secretário-geral do PS e primeiro-ministro, afirmou este sábado que a abstenção anunciada pelo PCP, a que se juntou idêntica indicação, no domingo, pelo PAN, é um “excelente indicador” das condições criadas para que o país possa ter um “bom orçamento” em 2021.

Perante a “crise muito profunda” provocada pela pandemia de Covid-19, António Costa e o Partido Socialista consideram “fundamental” um Orçamento do Estado capaz de “reforçar o Serviço Nacional de Saúde”, “aumentar o investimento” e “proteger os rendimentos das famílias”.

O primeiro-ministro afirmou que, no plano das negociações parlamentares, nomeadamente com a esquerda e o PAN, foi feito “um bom caminho” e houve “avanços importantes para os cidadãos”. Estes foram, em especial, valorizados pelo PCP para justificar a sua abstenção na generalidade, como seja o facto de o Governo ter aceitado “antecipar” de agosto “para janeiro um aumento das pensões mais baixas em 10 euros”.

 

Imagem: PS

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categories: Política

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.