‘Querer-se morrer confortavelmente na dor’ é a segunda de três intervenções artísticas em torno da obra poética de Rui Nunes a ser desenvolvida pela companhia albicastrense

Performance | Terceira Pessoa estreia nova criação multidisciplinar no Teatro Municipal da Guarda

Performance | Terceira Pessoa estreia nova criação multidisciplinar no Teatro Municipal da Guarda

Pub

 

A Terceira Pessoa vai estrear a performance “Querer-se morrer confortavelmente na dor”, criada por Filipa Matta e Óscar Silva no contexto do projeto pluridisciplinar “Rastro, Margem, Clarão“. A estreia está marcada para o dia 8 de Outubro, pelas 14h30, no Teatro Municipal da Guarda.

Esta é a segunda criação artística, de um conjunto de 3 performances, do projeto pluridisciplinar em torno do universo da escrita de Rui Nunes, que envolve criadores em artes performativas, artes visuais e ensaio teórico. A equipa artística do projeto “Rastro, Margem, Clarão” conta com uma equipa pluridisciplinar composta por:

– Ana Gil e Nuno Leão; Maria Fonseca e Miguel Moreira; Filipa Matta e Óscar Silva (performance)

– Rui Dias Monteiro e Vítor Ferreira; Susana Paiva e Diogo Martins; Valter Vinagre e Eunice Ribeiro (fotografia e ensaio)

Ao longo do projeto serão criadas 3 performances, 3 livros de fotografia e ensaio e 1 exposição coletiva de fotografia, que resultarão em várias apresentações um pouco por todo o país: Guarda, Elvas, Torres Vedras, Coimbra, Guimarães, Lisboa, Castelo Branco, entre outras localidades a confirmar.

Sobre “Querer-se morrer confortavelmente na dor”

Querer-se morrer confortavelmente na dor é uma performance de Filipa Matta e Óscar Silva, criada no contexto do projeto pluridisciplinar “Rastro, Margem, Clarão”, que envolve criadores em artes performativas, artes visuais e ensaio teórico em torno do universo da escrita de Rui Nunes.

Sinopse

Ele – Ela está em casa, cheia de um outro mundo que não este. Está suja. Nunca parou de me olhar. Está e carrega uma energia febril. Enoja-me.

Ela – Ele é tudo o que invento. Ele vem de um tempo arrastado como um cabrito morto. O que há nele é podre. A morte prolonga-o cruelmente. Ou seja, só o invento a ele. Um corpo em decomposição que me contamina. Tenho nojo.

(excerto do texto)

[Ficha artística e técnica]

Criação e interpretação_ Filipa Matta e Óscar Silva

Direção técnica luz, som e operação/construção espaço cénico_ Pedro Fonseca / Colectivo, ac

Texto_ Filipa Matta e Óscar Silva, a partir da escrita de Rui Nunes

Design de comunicação_ Cátia Santos

Fotografia e vídeo de cena_ Tiago Moura

Fotografia de cena_ Tiago Moura, Valter Vinagre

Produção executiva_ Bruno Esteves

Produção_ Terceira Pessoa – Associação

Financiamento_ Direção-Geral das Artes / República Portuguesa – Cultura, Cine-Teatro Avenida Castelo Branco Residências de criação_ Fábrica da Criatividade Castelo Branco, Devir/CaPA Centro de Artes Performativas do Algarve, O Espaço Do Tempo Agradecimentos_ Teatro Artimanha, Funceramics, Olaria Nova de Setúbal

Imagens: (0) Nuno Leão, (1) Tiago Moura, (2) Valter Vinagre, (3) Filipa Matta e Óscar Silva

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo. Pode fazê-lo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking ou multibanco.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categories: Agenda, Cultura

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.