Medida só será adotada se deixar de beneficiar empresas e não prejudicar trabalhadores

Fundos | PS quer proibir apoios futuros a empresas sediadas em paraísos fiscais

Fundos | PS quer proibir apoios futuros a empresas sediadas em paraísos fiscais

Pub

 

 

O PS quer proibir as empresas com sede em paraísos fiscais de acederem a apoios futuros criados pelo Governo. Contudo, os detalhes da medida poderão ser um entrave no entendimento com PCP e BE. Esta posição foi dada a conhecer por João Tiago Correia, vice-presidente do grupo parlamentar do Partido Socialista.

À semelhança do que exigem BE e PCP, também o PS quer impedir as empresas com sede em offshores de beneficiarem de apoios públicos no futuro, destaca Tiago Varzim, do Eco – Economia Online, após entrevista que este concedeu à publicação. Porém, dada a complexidade do assunto, e apesar da forte corrente de opinião favorável a semelhantes medidas, não está garantido que as propostas em cima da mesa passem na votação na especialidade do Orçamento Suplementar uma vez que “dependerá muito do desenho da medida”.

No caso das propostas que foram apresentadas para proibir apoios públicos a empresas com sedes em paraísos fiscais, no essencial as ideias “vão ao encontro daquilo que é o pensamento do PS sobre a matéria, mas [a sua aprovação] dependerá muito da forma como elas são apresentadas e formuladas“, refere o deputado socialista.

Interromper o lay-off para “esse tipo de empresas, de um dia para o outro, só iria sacrificar os trabalhadores”, considera o parlamentar. O Governo defendeu que essa medida colocaria “constrangimentos”  a empresas que – mesmo tendo as suas sedes em paraídos fiscais – exercem “a sua atividade económica em Portugal e empregam trabalhadores no território nacional”.

As empresas que atuam em território nacional têm acesso a todo o tipo de apoios públicos, independentemente de terem as suas sedes estabelecidas em Portugal ou noutro qualquer país, inclusive aqueles criados para socorro excecional na sequência da pandemia, como o lay-off simplificado, as linhas de crédito ou o diferimento de impostos. Portugal, ao contrário de países como a Dinamarca, França, Bélgica, Itália, Áustria e Polónia, optou por não colocar quaisquer restrições a essas empresas.

 

Fonte e Imagem: ECO

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais.

*

Pub

Categories: Política

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.