Posts From Luís Filipe Sarmento

Voltar à homepage
Ensaio Escrita Literatura

O nascer da escrita e as volutas sem destino de um cigarro longínquo

    Quando lhe acenava com uma palavra inesperada, o seu efeito estrangulava o tempo e deixava-se perder nas volutas sem destino de um cigarro longínquo. (quando se deixa de

Cultura Literatura Livros

Anoitece e oiço o mar: ignorância, transfiguração, humanidade, conhecimento

Ignorância A ignorância apela a deus, o inexistente, a justificação da desgraça, aniquilando assim o passo seguinte para a expressão da ciência; ou, pelo menos, atrasando-a ou retrasando-a para a

Cultura

O texto alarma

    O texto alarma. Não pré-estabelece convénios. Grita. O que exige ao tempo e o tempo lhe dá. A observação de eventos estimula o pensamento revolucionário e inovador. Exige-se

Crónica Cultura Sociedade

Fé | Dormir para nos alhearmos do mundo

    Dormirmos para nos alhearmos do mundo. Dormimos para não esquecermos o nosso instinto de defesa. Durante o sono somos ninguém rodeado de fantasmas que nos são distantes no

Crónica Cultura

Já ninguém mora em Auschwitz

    O mito é um conforto intelectual primitivo. As causas longínquas diabolizam, por vezes, o continente efémero do presente. Negá-las é uma prova de existência no plano futuro, o

Crónica Sociedade

Caminho | Pedi tempo emprestado ao impossível

    Hoje, pedi tempo emprestado ao impossível para me poder recostar, com a tranquilidade que se exige, na juventude e penetrar com a magia da demora no centro das

Cultura Literatura Sociedade

A libertação do livro e a libertação dos leitores

    Tudo o que se poderá dizer sobre a escrita correrá o risco de cair no abismo do lugar-comum, um pântano de clichés e de banalidades. A escrita não

Crónica Redes Sociais Sociedade

Comentar é…

    Comentar é bom. Um comentário a um texto mostra o interesse de quem lê. Por vezes concordando, por vezes discordando. Um comentário não é um insulto. Mas por

Cultura

Afinal onde está o meu berço?

    Se digo mãe, digo Itália; se digo avó, digo ilha, se digo bisavô, digo Galiza; se digo trisavó, digo França um tetravô na Grécia outro em Damasco; um

Crónica Economia Sociedade Turismo

No Turismo o rei vai nu

    Se o sentimento de pertença pode gerar confrontos obsoletos entre grupos rivais – que a extrema-direita explora até à exaustão – o desejo de conhecimento pelo aparente espaço

Crónica Sociedade

Hipertexto: sedução pela superfície, atração da pele

    A sedução pela superfície é, também, a atracção da pele. A intervenção do traço no plano tem o mesmo sentido da penetração do olhar no corpo. Escrevo quando

Crónica Cultura Sociedade

Indignação | Presente e futuro da cultura em Portugal

    Sucedem-se os apelos a favor da cultura e dos seus profissionais. E estes apelos fazem todo o sentido. Sem cultura não há civilização. E, contudo, as verbas destinadas

Crónica Sociedade

Paradoxos da pandemia: esperança e espera

    Creio – posso estar redondamente enganado – que, a propósito da pandemia, nos chegam diariamente dois tipos de notícias: as que nos dão esperança de que tudo se

Cultura Literatura Poesia

As mais belas transparências das estações

    As mais belas transparências das estações surgem nas manhãs obsoletas de Inverno, ainda que seja Verão ou Primavera em fim de estação. O que mostram está na transmutação

Cultura

Poesia | A que se pode atribuir o sensível toque da mão

    A que se pode atribuir o sensível toque da mão no corpo? Na verdade, não se sabe se a realidade do que se intui é a justeza do

Cultura

Raias poéticas, 7ª ed – 2018 | Poesia: Não é dos horizontes que se espera mistérios

    Não é dos horizontes que se espera mistérios – talvez danças crepusculares – mas do lugar presente, à hora do inferno, o inesperado enigma do sangue que se