Espetáculo performativo encerra Centenário da poetisa Maria Ondina Braga

Espetáculo performativo encerra Centenário da poetisa Maria Ondina Braga

Pub

 

 

Na data em que se completaram 100 anos sobre a data de nascimento da escritora bracarense Maria Ondina Braga – 13 de Janeiro -, o município bracarense reconheceu o seu papel de “embaixadora da Cidade e da língua portuguesa no mundo” através de declarações de compromisso assumido assumido pelo vereador João Rodrigues, na sessão de encerramento das Comemorações do Centenário da poetisa cuja obra continua a ser lida e estudada não só em Portugal, mas também em muitos outros países.

“A herança cultural e literária que nos deixou merece que continuemos este trabalho de divulgação e promoção da sua vida e obra”, afirmou.

A sessão de encerramento das Comemorações do Centenário de Maria Ondina Braga (1922 – 2022), que contou com o espetáculo performativo “Eu Vim para Ver a Terra: Viagens com Maria Ondina Braga”, teve ainda as intervenções do presidente da CCDR-N, António Cunha, e da representante da Direção Regional de Cultura do Norte, Laura Castro, que saudaram o trabalho desenvolvido ao longo do último ano em prol da obra de Maria Ondina Braga. Através de um trabalho institucional, que envolveu uma rede profícua de parcerias, conseguiu-se promover, divulgar e valorizar a relevância literária da escritora a nível regional e nacional.

A dia 13 de janeiro de 2022 completaram-se 100 anos sobre a data de nascimento da escritora bracarense Maria Ondina Braga. Ao longo do último ano, decorreram múltiplas iniciativas, com destaque para o lançamento do I Volume das Obras Completas da escritora, a produção do documentário “O que vêem os Anjos”; o apoio à produção de uma biografia infantojuvenil “Maria Ondina Braga. Quero encontrar-me comigo”; exposições, entre outras atividades.

Theatro Circo recebe espectáculo performativo no encerramento do Centenário de Maria Ondina Braga

Na passada Sexta-feira, a sala do Theatro Circo encheu-se para assistir a um espetáculo único onde a palavra de Ondina e a voz de António Durães se fundiram, com a estreia absoluta de uma composição para piano do pianista Luís Pipa, a partir das peças homónimas de Ravel e Debussy.

“Eu Vim Para Ver a Terra: Viagens com Maria Ondina Braga” é o título do espectáculo performativo e interartístico concebido no âmbito das Comemorações do Centenário da escritora portuguesa mais cosmopolita do século XX. Através do diálogo entre a sua palavra, os sons do piano e de outros instrumentos musicais, de imagens e fotografias, o espectador é convidado a viajar por diferentes geografias, culturas, ambientes, vozes e sonoridades, acompanhando a escritora no seu percurso pelo mundo.

Com entrada livre, o evento contou com direcção artística e voz de António Durães; Luís Pipa ao piano; Lu Yanan no Guzheng; Performance Visual de João Alexandrino; Design de Luz de Mariana Figueiroa e selecção de textos de Isabel Cristina Mateus e Cândido Oliveira Martins.

Maria Ondina Braga – vocação para a viagem intercultural

Nascida em Braga, a escritora Maria Ondina Braga tornou-se uma cidadã do mundo, face à sua vocação cosmopolita, viajando e trabalhando em vários continentes e países – da Europa (França, Inglaterra), passando pelo Brasil, por Angola e por Goa, com destaque para Macau e para a China. A sua obra multifacetada (contos, romances, crónicas, memórias) mostra-se profundamente marcada pela congenial vocação para a viagem e para o diálogo intercultural.

Imagens: MBRG

A praia da Ramalha na Apúlia

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - jornal diário digital generalista com sede em vila nova de famalicão - viajar - memória - escrita - maria ondina braga - josé miguel braga - mar - praia - água - praia da ramalha - apúlia - esposende - filme - documentário - cinema - município de braga - emoções - frio - saudade - escrita - escritor - escritora - homenagem

Pub

Acerca do Autor

Comente este artigo

Only registered users can comment.