João Luís Barreto Guimarães vence Prémio Pessoa

João Luís Barreto Guimarães vence Prémio Pessoa

Pub

 

 

O vencedor do Prémio Pessoa 2022 é João Luís Barreto Guimarães. Na sua 36ª edição, o Prémio Pessoa – iniciativa do jornal Expresso e da Caixa Geral de Depósitos que distingue, todos os anos, uma personalidade da vida artística e cultural – contempla o escritor e poeta natural do Porto com um prémio em numerário no valor de 60 mil euros. O Prémio foi anunciado esta quinta-feira, 15 de dezembro, no Palácio de Seteais, em Sintra.

O júri do Prémio Pessoa 2022, selecionou este ano uma obra singular no género da literatura poética. Composto por diversas personalidades de referência na área cultural do plano nacional, entre as quais António Barreto, Clara Ferreira Alves, Eduardo Souto de Moura, Pedro Norton, Rui Vieira Nery e Viriato Soromenho-Marques, para lá de Francisco Pinto Balsemão, pelo Expresso, e Paulo Macedo, pela Caixa Geral de Depósitos, representantes maiores dos promotores da iniciativa, enquanto presidente e vice-presidente, o júri destacou a “voz inconfundível de Barreto Guimarães na poesia portuguesa contemporânea, desde 1989, ano em que publicou o primeiro livro, aos 22 anos”.

Para além de diversas outras homenagens que já tem recebido, um pouco por esse país fora, o médico, escritor e poeta foi, em 2015, agraciado com a Medalha de Mérito (Dourada) pela Câmara Municipal de Matosinhos.

João Luís Barreto Guimarães, autor de uma obra vasta e multipremiada

Nascido ali bem ao lado, no concelho do Porto, em 1967, João Luís Barreto Guimarães é autor de uma dúzia de livros de originais, de Há Violinos na Tribo (1989) a Movimento (2020), vencedor do Grande Prémio de Literatura DST, ainda neste ano de 2022, para lá de várias coletâneas.

Com obra traduzida e editada em vários países, entre os quais Espanha, Estados Unidos, Chéquia ou Egito, João Luís Barreto Guimarães tem sido distinguido a nível nacional e internacional. O Prémio Criatividade Nações Unidas 1992, o Prémio Nacional de Poesia António Ramos Rosa 2017, o Prémio Livro de Poesia do Ano Bertrand 2018, o Prémio Literário Armando da Silva Carvalho 2020, o Willow Run Poetry Book Award 2020 e o Grande Prémio de Literatura DST em 2022 foram algumas das distinções.

Sobre o autor, destaca a Comunidade Cultura e Arte que João Luís Barreto Guimarães “alia à virtude da palavra e da imaginação, uma reflexão por vezes irónica, por vezes realista, sempre duramente trabalhada, sem prejuízo do efeito estético na construção do poema. Homem culto, participante ativo da cultura europeia cosmopolita, a sua sensibilidade poética transita da literatura para as outras artes com uma fluidez que não recusa a tinta sentimental ou a demonstração consciente da inconsciência da condição humana”.

Além da escrita, João Luís Barreto Guimarães é também cirurgião plástico reconstrutivo no Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho e leciona a cadeira de Introdução à Poesia no curso de Medicina do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, da Universidade do Porto.

Barreto Guimarães: Responder com poesia é um ato de resistência

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.

Imagem: JLBG (DR)

A democracia de, por e para, e a literatura

A libertação do livro e a libertação dos leitores

A vida é puta: ou a poesia face à iminência da morte

‘Faraós Superstars’ celebra ícones do Antigo Egito na Gulbenkian

O problema da Educação

Bolo-rei à portuguesa

‘Sonhos’ inspirados nas esculturas do MIEC premiados no ONYKO

Viagem Sensorial e Emocional pela Arquitectura de Braga

Pub

Acerca do Autor

Comente este artigo

Only registered users can comment.