‘Afigura-se primordial o investimento contínuo no regime de sequeiro’

A agricultura que a chuva permitir

A agricultura que a chuva permitir

Pub

 

 

As agriculturas de Portugal e do espaço internacional têm vindo a sentir uma tensão crescente devido à variabilidade e aleatoriedade climática, assente em cenários de previsão que indicam que os padrões de precipitação estão a mudar, tornando em geral as regiões húmidas da Europa mais húmidas e as secas mais secas. A tudo isto, associam-se as oscilações térmicas com impacto directo na redução da produção pelo stress térmico e hídrico provocado nas plantas.

A caminho de Primaveras mais quentes e secas

A agricultura de sequeiro, dependente das variabilidades e condições climáticas, realiza-se em solos cuja qualidade não garante os nutrientes necessários para uma cultura exigente em água, dependendo, grosso modo, da água da chuva, fazendo o uso da humidade existente no solo. Se por um lado, permite uma produção agrícola resiliente não dependente da irrigação, torna-se pouco competitiva com rendimento económico por unidade de área diminuto comparada às culturas regadas.

Assim, mais e melhor sequeiro significa preocuparmo-nos com o risco de Primaveras muito quentes e secas.

Indispensável investir em regime de agricultura de sequeiro

Num cenário de escassez de água, o regime de sequeiro é a alternativa sustentável para almejar produzir com menos água, pese embora, a necessidade de projectos de fomento hidroagrícola que permita captar e armazenar as águas da chuva, em charcas, tanques ou poças para utilização em cenários de crise,

A agricultura de sequeiro, que em Portugal ocupa 59,4% da Superfície Agrícola Utilizada (SAU), pode ser encarada como oportunidade de coesão territorial, permitindo aos territórios do interior, naturalmente mais quentes secos e mais frios, diminuir o declínio populacional e impulsionar o estímulo económico, almejando equilibrar o Valor da Produção Padrão Total (VPPT) atingido por hectare de SAU que, nas explorações predominantemente de regadio, é seis vezes maior do que o alcançado pelas explorações exclusivamente de sequeiro.

Como investimento contínuo deste regime, o melhoramento genético das culturas permanentes de sequeiro e a criação de novos cultivares de cereais, leguminosas secas e tubérculos de ciclo precoce e tolerantes à seca e ao calor, bem como, a reactivação das variedades tradicionais mais rústicas melhor adaptadas a situações de stress hídrico e térmico, acompanhado da criação do Centro de Competências para o Sequeiro Nacional, afigura-se primordial.

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - jornal diário digital generalista com sede em vila nova de famalicão - música - concertos - espetáculo - cultura -livro - literatura - política - trabalho - rendimento - segurança - saúde - cinema - proteção civil - segurança - ribeirão - riba d'ave -

Obs: texto previamente publicado em Agricultura e Mar, tendo sofrido ligeiras adequações na presente edição.

Imagem: Steve Harvey / Unsplash

Green Deal: a biodiversidade do lado certo da moeda

Valorizar o valor da natureza

Famalicão cidade intercultural nacional e internacional

Dicas para planear uma casa de verão de pequena dimensão

Top 6 locais para visitar em Portugal nestas férias de verão

5 dos melhores locais religiosos para visitar no Norte de Portugal

Pub

Acerca do Autor

Comente este artigo

Only registered users can comment.