‘Agora digo que estou triste. Vivi intensamente a atmosfera opressiva, a longa espera por uma guerra que não haveria de chegar.’

‘O deserto dos Tártaros’: desassossego e encanto

‘O deserto dos Tártaros’: desassossego e encanto

Pub

 

 

Há pouco, na cozinha, dei por mim a abanar a cabeça. Felizmente tinha comido um pouco de marmelada com noz e a tristeza ficou mais suave. Penso em alguns jovens amigos, sobretudo naqueles que se sentem ufanos no exercício da escrita e do que chamam poesia e se acham acrescentados de alegria e de felicidade. Sei, no entanto, que o pensamento é triste e que a beleza deslumbra, é certo, mas também magoa e, às vezes, esmaga. Ser poeta não é um bem e também não é um mal. Escrever não arrasta consigo águas felizes. Será, assim, a princípio perante o deslumbre, a alegria reflexa da expressão, algumas palmas e vitórias.

Mas agora digo que estou triste. Acabo de ver uma versão para cinema de “O deserto dos Tártaros”, de Dino Buzzati. Descobri o filme graças a uma publicação, uma espécie de aviso, de António Franco Alexandre. A boa vontade de um amigo trouxe-me o filme e eu fiquei assim. Já tinha lido o livro há cerca de dois anos. Não pretendo comparar experiências nem estados de alma.

O livro incomodou-me na altura, estávamos no princípio da pandemia e eu vivi intensamente a atmosfera opressiva, a longa espera por uma guerra que não haveria de chegar. Entretanto a vida, a duração, a observação do espaço, a longa espera por sinais, os falsos alarmes, a juventude perdida por uma guerra que a cada passo ameaçava e que teimava em declarar-se. O livro desassossegou-me para sempre e o filme encantou-me. Não é hoje o dia para falar dos grandes actores em cena e dessa paisagem maravilhosa do Irão que, em boa medida, dá corpo à respiração do filme. Esse lugar da criação desapareceu no terramoto que abalou o Irão em 2003. Ficaram as imagens.

‘Entre o amor e o pecado’ melhor do que nunca 65 anos depois

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - jornal diário digital generalista com sede em vila nova de famalicão

André Barata e a solidariedade discreta das coisas

VILA NOVA. Conte connosco, nós contamos consigo.

O seu diário digital VILA NOVA Online é gratuito para os leitores e sempre será.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico donativo através de mbway, netbanking, multibanco ou paypal.

MBWay: 919983484

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91; BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Envie-nos os seus dados. Receberá, na volta do correio, o recibo para efeitos fiscais ou outros.

Publicidade (promoções e tabelas em vigor):

Basta enviar-nos o comprovativo da sua compra e o conteúdo a publicar para vilanova@vilanovaonline.pt.

Envie-nos os seus dados. Receberá, na volta do correio, o recibo para efeitos fiscais ou outros.

Contacte-nos para situações especiais.

Gratos pelo seu apoio e colaboração.

A União Nacional. “Partido Único” do Estado Novo?

Pub

Categorias: Cinema, Cultura, Literatura, Livros

Acerca do Autor

José Miguel Braga

Professor, encenador, ator.

Comente este artigo

Only registered users can comment.